/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
O cinema amador em Cinearte
Autor
Lila Silva Foster
Resumo Expandido
Desde o seu primeiro número, lançado em Março de 1926, a revista Cinearte (1926-1942) dedicou especial atenção ao cinema amador. Na coluna inaugural, assinada anonimamente por “Filmophilo”, o redator definiu o primeiro perfil da coluna, intitulada “Um pouco de técnica”, como uma seção destinada aos amadores da cinematografia e um guia para aqueles que desejavam operar a “multiplicidade dos aparelhos ao alcance de todas as bolsas que hoje se encontram no mercado”. Neste período, o comércio de equipamentos amadores e a rede de laboratórios para processamento já estavam instalados no Brasil e a coluna buscava atender à demanda dos usuários desses equipamentos dedicados ao uso doméstico e não profissional com ensinamentos sobre fotometria, funcionamento das câmeras disponíveis no mercado e técnicas laboratoriais. Ao mesmo tempo, a coluna era um claro veículo de divulgação e profunda admiração pelos estúdios americanos, o cinema profissional por excelência. Essa mistura vai se condensar de forma extremamente interessante nessas primeiras colunas, um ensinamento técnico que visava aproximar a produção amadora ao melhor do cinema internacional.

Ao longo dos anos, a coluna de cinema amador passou a absorver a campanha pelo cinema brasileiro capitaneada por Pedro Lima na coluna “Cinema Brasileiro” e, quando foi assumida pelo redator Sergio Barreto Filho, dialogou ativamente com amadores brasileiros e com as campanhas empreendidas pelos editores e redatores da revista em prol do cinema nacional, passando a se chamar “O desenvolvimento do Cinema de Amadores no nosso país” e "Cinema de Amadores". Amadores em diversas regiões do país enviavam dúvidas, cartas e fotografias das suas produções amadoras além de anunciar a criação de clubes e associações, um dos primeiros indícios da formação de um campo do cinema amador no Brasil. Buscaremos na presente comunicação descrever temática e historicamente as colunas “Um pouco de técnica” e “O desenvolvimento do Cinema de Amadores no nosso país” publicadas na revista Cinearte entre 1926 e 1930, além de realizar um breve levantamento das associações de amadores e das produções cinematográficas anunciadas nas páginas da revista.

Bibliografia

CINEARTE. Rio de Janeiro: Sociedade Anônima “O Malho”, 1926-1942. Semanal. Disponível em: www.bjksdigital.museusegall.org.br.



GOMES, Paulo Emílio Salles. Humberto Mauro, Cataguases, Cinearte. São Paulo: Perspectiva, Editora da Universidade de São Paulo, 1974.



LUCAS, Taís Campello. Cinearte: o cinema brasileiro em revista. Niterói, 2005. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História do Instituto de Ciências Humanas e Filosofia da Universidade Federal Fluminense.