/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Lado a Lado: melodrama, identidades, contemporaneidade
Autor
Mauricio Reinaldo Gonçalves
Resumo Expandido
Nestes poucos mais de quarenta anos desde a exibição de Betto Rockfeller, pela Tevê Tupi, (1968), a telenovela tornou-se um significativo produto da cultura brasileira, fazendo parte do quotidiano de milhões de brasileiros, entretendo-os e apresentando-lhes representações de modos de vida com os quais eles passaram a se identificar e pelos quais passaram a aspirar. Telenovelas como Vale Tudo (1988), O Rei do Gado (1996) e Avenida Brasil (2012) destacaram-se por envolverem suas tramas em questões que remetiam à realidade socioeconômica, política e/ou cultural brasileira. Na verdade, ao apresentarem seus personagens envoltos em questões do dia-a-dia dos espectadores brasileiros, essas telenovelas nada mais fizeram do que dar continuidade a um traço característico da teledramaturgia brasileira, inaugurado por Beto Rockfeller, e que determinou boa parte do sucesso e da popularidade da expressão dramatúrgica televisiva nacional.

Esta comunicação analisa a telenovela Lado a Lado (Rede Globo – 2012) como integrante desse grupo de obras de nossa teledramaturgia que expõem questões pertinentes à realidade brasileira, à contemporaneidade de seu público, oferecendo-lhe, no mínimo, um pretexto para discussão desses temas. Lado a Lado mostra-se especialmente interessante por apresentar toda uma discussão sobre o que hoje chamaríamos de políticas de identidade e de direitos humanos a partir de uma história cuja diegese ambienta-se nas duas primeiras décadas do século XX. Aborda questões como a igualdade racial, a liberdade religiosa, o papel da mulher na sociedade industrial, a cultura popular, o direito universal à educação e o cotidiano das classes populares enquanto desenvolve a narrativa melodramática com a qual envolve seus personagens.

Interessa-me, em particular, discutir como o melodrama, gênero característico das telenovelas nacionais, dá conta de trazer à tela as questões apontadas acima, tão caras à discussão contemporânea, principalmente tratando-se de uma telenovela de época. Interessa-me também analisar quais estratégias discursivas são utilizadas para que essas questões não se limitem ao pano de fundo do melodrama e/ou não se percam numa possível circunscrição às problemáticas específicas do período histórico retratado, explicitando-se como questões que estão lá, mas que se apresentam, sobretudo, pertinentes à discussão da realidade brasileira contemporânea.

A análise de Lado a Lado, proposta aqui, valer-se-á das considerações sobre o melodrama feitas por Thomas Elsaesser e Geofrfrey Nowell-Smith, em seus textos clássicos, respectivamente: "Tales of Sound and Fury" e "Minelli and Melodrama". A partir de suas reflexões que apresentam o melodrama como um gênero não necessariamente conservador, será possível empreender uma “leitura a contrapelo” da telenovela em questão e observar como ela pode dar conta de importantes temas da contemporaneidade. O trabalho também terá como base as reflexões de autores como: Stuart Hall, com seu livro "A Identidade Cultural na Pós-modernidade", apresentando as identidades fragmentadas inerentes ao ser contemporâneo; Kobena Mercer e Jonathan Rutherford alertando em seus textos – respectivamente – "Welcome to the jungle: identity and diversity in postmodern politics" e "A place called home: identity and the cultural politics of difference", que o conceito de luta de classes não dá mais conta da pluralidade dos conflitos e dos antagonismos em ação na contemporaneidade e chamando a atenção para a emergência de movimentos sociais como o feminismo, as lutas dos negros, entre outros, que acabam redefinindo a esfera da política, e da transformação social, o que permitiria surgir, com mais vigor e consistência, novos espaços de luta e de identificação para os sujeitos sociais.

Esta comunicação pretende acercar-se de Lado a Lado pensando nesses espaços e questionando o papel dessa peça teledramatúrgica melodramática nesse contexto de identificação, luta e transformação.

Bibliografia

ELSAESSER, Thomas. Tales of sound and fury – observations on the Family melodrama. In: GLEDHILL, Christine. Home is where the heart is – studies in melodrama and the woman’s film. London: BFI Publishing, 1987.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

MERCER, John; SHINGLER, Melodrama: genre, style, sensibility. London: Wallflower, 2004.

MERCER, Kobena. Welcome to the jungle: identity and diversity in postmodern politics. In: RUTHERFORD, Jonathan (editor). Identity – community, culture, difference. London: Lawrence & Wishart, 1998.

NOWELL-SMITH, Geofrfrey. Minelli and Melodrama. In: GLEDHILL, Christine. Home is where the heart is – studies in melodrama and the woman’s film. London: BFI Publishing, 1987.

RUTHERFORD, Jonathan. A place called home: identity and the cultural politics of difference. In: RUTHERFORD, Jonathan (editor). Identity – community, culture, difference. London: Lawrence & Wishart, 1998.