/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Considerações acerca das poéticas da montagem no cinema contemporâneo
Autor
Leonardo Castro Gomes
Resumo Expandido
Abordar a montagem como procedimento criativo no atual contexto tecnológico e expressivo do audiovisual é um desafio sob diversos aspectos. Considerando o fato de que a prática da montagem exige saberes relacionados à dimensão tecnológica do audiovisual, estando também submetida às circunstâncias em que a obra é produzida, o que inclui constrangimentos de ordem econômica, política e ideológica, podemos afirmar com alguma segurança que a prática da montagem envolve posicionamentos e decisões, tendo como objetivo comunicar idéias e conceitos valendo-se da dimensão estética do audiovisual. Diante desse desafio, a compreensão do modo como o audiovisual mobiliza e agencia sentidos e afetos do espectador continua sendo a questão central para as decisões engendradas no processo criativo, na medida em que as escolhas adotadas nas circunstâncias da produção inexoravelmente posicionam a obra, seja por critérios de semelhança ou estranhamento, no contexto do audiovisual contemporâneo.

A experiência acumulada no ensino da disciplina de montagem para o audiovisual tem demonstrado que desenvolver a compreensão da maneira como o audiovisual produz sentido é um objetivo mais complexo do que o ensino da dimensão técnica da montagem, cujo atual paradigma tecnológico é a suíte de edição e pós-produção em workstation digital. No contexto do audiovisual contemporâneo as tradicionais teorias da montagem e as abordagens de inspiração semiótica já não oferecem a mesma segurança conceitual diante da diversidade de estilos e efeitos de sentido em filmes tão distintos como Sin City (2005), Takeshis' (2005), Bikur Ha-Tizmoret (2007), Viajo porque preciso, volto porque te amo (2009), Public Enemies (2009), só para citar alguns. Tais filmes indicam diferentes perspectivas criativas e mobilizam experiências estéticas igualmente divergentes, no entanto podem ser agrupados sob o rótulo de "cinema contemporâneo" pelo simples critério de serem produzidos nos últimos vinte anos. Nesse aspecto, o próprio conceito de cinema contemporâneo esvazia a reflexão acerca das possibilidades criativas da montagem em comparação com outros demarcadores históricos tradicionais à historiografia do cinema como o "cinema clássico" articulado em torno da narrativa cinematográfica clássica e/ou da montagem de atrações, ou o "cinema moderno" no âmbito de movimentos como o neo-realismo, o cinema veritè, a nouvelle vague, os novos cinemas, que ofereciam subsídios para uma reflexão sobre as poéticas da montagem.

Diante desses problemas, esta comunicação propõe apresentar considerações preliminares de uma pesquisa sobre as poéticas da montagem no cinema contemporâneo, cujo objetivo é tensionar conceitos e categorias de análise que permitam renovar a compreensão sobre os regimes de sentido do audiovisual no presente contexto histórico.
Bibliografia

BAZIN, Andre. A evolução da linguagem cinematográfica. In. BAZIN, A. Cinema: ensaios. São Paulo: Brasiliense, 1991.



EISENSTEIN, Sergei. O sentido do filme. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2002.



FELINTO, Erick. Cinema e tecnologias digitais. In. MASCARELLO, Fernando (Org.) História do Cinema Mundial. Campinas: Papirus, 2006.



MANEVY, Alfredo. Hollywood: a versatilidade do gênio do sistema. In. BAPTISTA, Mauro; MASCARELLO, Fernando. (Orgs.) Cinema Mundial Contemporâneo. Campinas: Papirus, 2008.



MASCARELLO, Fernando. Reinventando o conceito de cinema nacional. In. BAPTISTA, Mauro; MASCARELLO, Fernando. (Orgs.) Cinema Mundial Contemporâneo. Campinas: Papirus, 2008.



METZ, Cristian. A significação no cinema. 2a.ed. São Paulo: Perspectiva, 2006.



PUCCI JR. Renato L. Cinema pós-moderno. In. MASCARELLO, Fernando (Org.) História do Cinema Mundial. Campinas: Papirus, 2006.



STAM, Robert. Introdução à teoria do cinema. 2a.ed. Campinas: Papirus, 2006.