/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Godard e a representação das paixões – rastros de artes e literatura
Autor
Junia Barreto
Resumo Expandido
As primeiras realizações de Jean-Luc Godard no cinema datam dos anos cinquenta e seu último trabalho para o grand écran remonta a 2010. Nesses quase sessenta anos de trajetória cinematográfica, o cineasta passou por diversas fases, diferentemente investigadas e relacionadas por críticos, estetas e historiadores da sétima arte. Mas, fato é que, independentemente de análises, categorizações e recortes diacrônicos e estéticos constantemente realizados, o diálogo dos filmes de Godard com outras formas e com a própria memória é uma realidade inquestionável. Aliás, mais que diálogo, poder-se-ia pensar em Godard como uma espécie de agente multicultural, visto que suas obras são permeadas e trespassadas não somente pela estética fílmica, mas pelas estéticas pictórica, literária e musical de períodos diversos, que ele também não priva de um diálogo com a psicanálise, a filosofia e outros domínios das humanidades, fazendo de Godard um criador, um artesão das artes e da cultura, um mediador cultural da contemporaneidade. Dentro dessa imbricação entre cinema e artes no espaço tempo godardiano, nos interessa analisar uma temática central em seus filmes, que é a mise en cause das paixões e dos relacionamentos afetivos. Em Le Mépris (1963), adaptação homônima do romance de Alberto Moravia e Prénom Carmen (1983), espécie de releitura moderna da novela Carmen de Mérimée, imbricada da versão operística de Bizet e Meillhac e Halévy, pretendemos investigar a representação da paixão godardiana, a partir da contaminação das artes exposta na tela através do olhar do artista, que ele pretende que seja percebida para além de toda intenção. Interessa-nos a forma pela qual Godard põe em prática, conjuntamente, o mostrar e o deixar ver através do recurso às referências, transferências, deslocamentos e toda intercomunicabilidade entre o cinema, as artes e a literatura em períodos distintos de sua produção, estes separados por vinte anos, atestando, ainda hoje, a vitalidade de sua obra e, sobretudo, seu lugar enquanto criador.
Bibliografia

AUMONT, Jacques. O olho interminável: cinema e pintura. São Paulo: Cosac & Naif, 2004

BELLOUR, Raymond. Entre-imagens – foto, cinema, vídeo. Campinas: Papirus, 1997

DELEUZE, Gilles. A imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 2005

DERRIDA, Jacques. Pensar em não ver: escritos sobre as artes do visível. Florianópolis: UFSC, 2012

GODARD, Jean-Luc. Introdução a uma verdadeira história do cinema. São Paulo: Martins Fontes, 1989

______. Le Mépris. França; Itália, 1963, 102’

______. Prénom Carmen. França, 1983, 83’

ORTEGOSA, Marcia. Cinema noir: espelho e fotografia. São Paulo: Annablume, 2010

MARIE, Michel. A Nouvelle Vague e Godard. Campinas: Papirus, 2011

MASCARELLO, Fernando. História do cinema mundial. Campinas: Papirus, 2012

RANCIÈRE, Jacques. La fable cinématographique. Paris: Éditions du Seuil, 2001

STAM, Robert. A literatura através do cinema: realismo, magia e arte da adaptação. Belo Horizonte: UFMG, 2009