/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Cinema, artes plásticas e os novos desafios da produção independente
Autor
Marcos Fabris
Resumo Expandido
Esta comunicação pretende evidenciar e explorar as relações sugeridas entre cinema e artes plásticas, tomando como exemplo o documentário norte-americano intitulado Arte é... a revolução permanente (2012), do diretor alemão radicado nos Estados Unidos Manfred Kirchheimer. Em seu filme, o cineasta explora as possíveis afinidades entre o fazer cinematográfico, sobretudo aquele que ao privilegiar determinados assuntos, temas e formas ligados aos interesses e lutas populares se encontra às margens da grande indústria e dos circuitos tradicionais de comercialização e exibição – como é o seu caso – e certas formas de expressão artística (tais como o desenho, a caricatura, a escultura, a litografia, a xilogravura, e mesmo uma “certa” pintura), que até certo ponto – e por motivos semelhantes – também não estão completamente absorvidas pelo assim chamado “sistema das artes”. Estas também operam, como se sabe, sob a égide de instituições bastante ciosas: museus, galerias, salões, exposições, marchands, feiras de arte & negócios, leilões, etc. O critério para a seleção dos artistas e objetos estudados se dará, essencialmente, por suas tentativas de equacionar, cada qual a sua maneira, uma síntese entre a alta cultura e a cultura popular, sempre no âmbito de modos “alternativos” de inserção no sistema de produção artístico.

Nestes termos, Kirchheimer se esquiva de todo caminho histórico-artístico consagrado pela visão hegemônica, que periodiza obras e artistas segundo seu tempo, local, estilo, “gênio” ou movimento artístico ao qual se filiam. Ao contrário, buscará as afinidades eletivas obscurecidas entre as mais diversas produções e artistas que, nos termos acima descritos, servirão de baliza para suas próprias reflexões e avaliações tanto sobre a produtividade de uma abordagem arejada perante a tradição que busca uma síntese entre o erudito e o popular como para a redefinição de sua relevância política, cujas lições ainda não foram inteiramente assimiladas.

Pretendo, finalmente, discutir como o diretor elabora sua reflexão sobre o fazer cinematográfico independente absorvendo, na forma do filme, várias das lições aprendidas com a tradição examinada. Combinadas e reunidas nas múltiplas possibilidades oferecidas pelo fazer cinematográfico, os procedimentos que observa na produção “estática” potencializarão seu poder crítico para reforçar cineticamente – e esta parece ser a tese do filme – os liames entre arte e sociedade na busca por uma atividade artística efetivamente consciente, popular e – precisamente por isso – revolucionária. Este será, portanto, o desafio do artista: promover novas relações, interações e formas de fruição sem descartar a história artística pregressa, com suas tendências, continuidades e rupturas. O recorrido proposto por Kirchheimer pela parcela selecionada da História da Arte incluirá tanto obras de artistas considerados canônicos (tais como Goya, Rembrandt, Daumier, Dix, Gosz, Kollwitz e Picasso) quanto aquelas de artistas contemporâneos menos conhecidos e que circulam em esferas semelhantes às do cineasta (Sigmund Abeles, Ann Chernow e Paul Marcus).

Bibliografia

ARANTES, O. (org). Modernidade Cá e Lá – Textos Escolhidos IV Mário Pedrosa. São Paulo: EDUSP, 2000.



ARGAN, G. C. Arte Moderna – do iluminismo aos movimentos contemporâneos. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

_______ . A arte moderna na Europa – de Hogarth a Picasso. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.



BERGER, J. Ways of Seeing. Londres: British Broadcasting Corporation & Penguin Books, 1972.

_______ . About Looking. Nova York: Vintage International, 1991.



EISENSTEIN, S. A forma do filme. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990.

_________ . Cinématisme – Peinture et cinéma. Paris: Kargo/Les Presses du réel, 2009.