/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
A INCLUSÃO SOCIAL E DIGITAL PELA MÚSICA EM DOCUMENTÁRIOS BRASILEIROS
Autor
Pâmela de Bortoli Machado
Resumo Expandido
As possibilidades da música como instrumento de inclusão social e digital a partir da representação de um conjunto de documentários brasileiros. Aqui, o vídeo documentário encontra-se como elemento de mobilização e crítica social uma vez que contextualiza os fatos de um problema social, evidenciado pela valorização do aspecto social cujos indivíduos ilustram suas expectativas, dificuldades e ideais. Partindo deste pressuposto, pretende-se enfatizar com a análise dos documentários Fala Tu (2003) e L.A.P.A (2007) a ideia de que a música, no caso o rap, pode ser utilizado na realização de uma inclusão social quando expressado de forma ideológica, potencializando o diálogo que representa em sua maior parte conflitos que são integrantes da periferia. E, procurando estabelecer a musica como prática e criação de uma identidade cultural, a análise de Insurreição Rítmica (2008) visa explicitar como a música é capaz de promover a transformação social, na representação deste documentário que retrata a transformação promovida por organizações sociais na vida de crianças e jovens de bairros pobres de Salvador. Em paralelo à inclusão social, a questão da empregabilidade é mensurada à inclusão no mercado da música digital, implicando no uso das novas tecnologias disponíveis e que transformaram a prática do músico independente, ao substituir o consumismo de um produto bruto como o CD por arquivos de áudio. Tal problemática será explorada pelos dados expostos pelos documentários Música.BR e Internet (2009), We.Music (2010) e Profissão: Músico (2011), no qual objetiva-se compreender como os músicos dependentes de uma geração de renda pela música sobrevivem a um momento de transformação no mercado musical, na dicotomia entre a liberdade de divulgação no ciberespaço e a dificuldade de ser reconhecido neste espaço no qual há inúmeros artistas. Assim, há o desenvolvimento a partir da relação de teorias acerca das questões que envolvem esse conjunto de documentários, tais como conceitos de inclusão social e digital, identidade cultural e revolução digital no mercado musical juntamente com a análise dos mesmos. Procura-se com isso discutir como se desenvolve a representatividade deste conjunto de documentários que explora as problemáticas relacionadas à inclusão social e digital fazendo uso da música, evidenciando o uso do audiovisual como fator de conscientização de realidades que expressam essas problemáticas.
Bibliografia

BERNARDET, Jean-Claude. Cineastas e imagens do povo. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BIAZZO, Cristiano. As relações entre rap, escola e exclusão social. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/afroatitudeanas/volume-1-2006/Jlia%20Ambile.pdf. Acesso em: 14/09/2013

DAYRELL, Juarez. A música entra em cena: o rap e o funk na socialização da juventude em Belo Horizonte. Tese de doutorado. PPG da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2005.

DUBET, François. A socialização e a formação escolar. Lua Nova, São Paulo, n 40- 41.p.241-266, 1997.

HUMMES, J. As funções do ensino de música, sob a ótica da direção escolar: um estudo nas escolas de Montenegro/RS. Dissertação (Mestrado em Educação Musical)– PPG em Música, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

SOUZA, Gustavo. Culturas urbanas periféricas no documentário brasileiro: Funk, Hip-Hop e Samba. Disponível em: http://www.cult.ufba.br/enecul2006/gustavo_souza.pdf. Acesso em 13/06/2013.