/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Cine-ensaio: um quarto domínio da arte do cinema?
Autor
Francisco Elinaldo Teixeira
Resumo Expandido
Classicamente se constituiram no cinema três territórios que desde sempre catalisaram suas produções: os domínios ficcional, documentário e experimental. Muitas vezes pensados ou tomados como "gêneros", de fato, suas configurações ultrapassaram o tempo todo as meras convenções de gênero, instituindo-se, propriamente e por força de contundentes debates, enquanto visões ontológicas do cinema que tentavam dar consistência à sua inteira novidade no campo artístico da modernidade. Ou seja, para além das proposições mais gerais que ora o situavam como "síntese" das outras artes, ora como possuidor de uma especificidade própria, simultaneamente, concepções diferenciadas do fazer cinematográfico operaram a partir de uma tripartição distribuída entre uma compulsão secular de contar história ou traçar relatos com base na faculdade da imaginação (ficção), de uma prerrogativa ou relevo dado à realidade e sua reconstrução (documentário), de um empenho de experimentação, investigação ou pesquisa com os materiais, modos de composição e suas combinatórias inaugurados com a arte nova do cinema em formação (vanguardas ou experimental).

De cerca de três a quatro décadas para cá, em meio aos turbulentos abalos desses territórios tradicionais do cinema, na atualidade observa-se uma irrupção e investimento cada vez mais intensos, nos âmbitos teórico-conceitual e de criação fílmica, de um quarto domínio que não se confunde e se assimila nem com a ficção, nem com o documentário, nem com o experimental - o de um cinema ensaístico. Desvio, bifurcação, linha de fuga da compulsão narrativa de contar história, essa espécie de "destino" quase incontornável ao qual se assimilou boa parte do cinema, o cine-ensaio/filme-ensaio torna a conectar e dar relevo ao fazer cinematográfico como uma "forma que pensa", ou seja, como uma atividade reflexiva que o insere diretamente, tal como reverbera nos discursos e proposições dos formativistas desde os primórdios, no âmbito de uma "arte do pensamento", portanto, com uma consistência "mental mais que visual".

O propósito da comunicação é, assim, o de escavar, arqueologicamente, a irrupção e constituição em processo desse quarto domínio do cinema, suas conexões/hibridizações com os outros domínios historicamente já constituídos.
Bibliografia

Teixeira, Francisco Elinaldo. Cinemas "não-narrativos": Experimental e documentário - Passagens. São Paulo: Alameda, 2013.

___________. O cineasta celerado: a arte de si ver fora de si no cinema poético de Júlio Bressane. São Paulo: Annablume, 2011.

___________. O terceiro olho: ensaios de cinema e vídeo (Mário Peixoto, Glauber Rocha, Júlio Bressane). São Paulo: Perspectiva, 2003.

Weinrichter, Antonio. La forma que piensa: tentativas em torno al cine-ensayo. Navarra: Fondo de Publicaciones del Gobierno de Navarra, 2007.

___________. Desvíos de lo real: el cine de no ficción. Madrid: T&B Editores, 2004.

___________. Metraje encontrado. La apropiación en el cine documental y experimental. Navarra: Fondo de Publicaciones del Gobierno de Navarra, 2009.

Sánchez-Biosca, Vicente. Cine y vanguardias artísticas: Conflictos, encuentros, fronteras. Barcelona: Paidós, 2004.

Albera, François. La vanguardia en el cine. Buenos Aires: Manantial,2009.