/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Análise das coproduções brasileiras no Ibermédia entre 2003 e 2013.
Autor
Helyenay Souza Araujo
Resumo Expandido
De um modo geral, as cinematografias latino-americanas, em menor ou maior grau, padecem dos mesmos problemas estruturais graves na constituição de seus projetos de indústria, ocasionados em grande parte pela alta concentração da promoção e distribuição hegemônica do filme norte americano. As novas tecnologias e as mudanças de ordem global nos fluxos econômicos têm impulsionado o intercâmbio de experiências entre esses países, gerando novas alternativas de produção audiovisual entre eles, mas essas alternativas dependem fundamentalmente de apoios institucionais para a sua sobrevivência, especialmente apoios vindo de políticas públicas audiovisuais. Nesse sentido, em 1997 foi ratificado o acordo de criação de um programa de desenvolvimento do cinema ibero americano,o Programa IBERMEDIA. Seguindo a linha de financiamento de projetos de coprodução, distribuição, desenvolvimento para o cinema e televisão, ao que pesem as controvérsias, o Programa IBERMEDIA tem tentado cumprir o papel de promover um espaço de interação audiovisual ibero americano. Ao todo, no que tange a modalidade de coprodução, foram realizados, entre 1998 e 2013, 636 filmes com apoio do fundo. Nos últimos dez anos, entre 2003 e 2013, o Brasil beneficiou-se do fundo na coprodução de 32 longas metragem. A partir da análise dessas coproduções, pretendemos avaliar a relação entre investimento e retorno do fundo de coprodução do IBERMEDIA, lançando luz sobre questões tais como: estas coproduções têm dado impulso para a expansão das indústrias cinematográficas latino-americanas como de fato se propõe o fundo? Há no processo de coproduções estímulos ao desenvolvimento de ações sinérgicas para promover a circulação dessas coproduções tanto no mercado ibero americano quanto em outros mercados cinematográficos mundiais? É possível pensar a partir dessas coproduções em novas estratégias de produção e distribuição audiovisual que impulsione de fato a criação de um espaço de interação audiovisual latino americano? As coproduções têm gerado novas lógicas de mercado e políticas de incentivos para os países latino americanos? Entre outros questionamentos que se desdobram dessas discussões.
Bibliografia

BRITTOS, Valério C. & KALIKOSKE, Andres. “Economia e audiovisual: as barreiras à entrada nas indústrias culturais contemporâneas.”

CANCLINI, Néstor García. Globalizar-se ou Defender a Identidade: como escapar dessa opção.

GETINO, Otávio. Introdução. In: MELEIRO, Alessandra (org.). Cinema no mundo – indústria política e mercado.

MELEIRO, Alessandra (org.). Cinema no mundo – indústria política e mercado.(América Latina) Vol II.

ORTIZ, Renato. A Moderna Tradição Brasileira. São Paulo: Brasiliense, 2001.

ROCHA, Flávia P. Coprodução cinematográfica internacional e a política audiovisual brasileira (1995-2010).

VILLAZANA, Libia. Iniciativas sinérgicas de co-produção, distribuição e exibição no cinema latino-americano.

CAACI - http://www.caaci.int/

IBERMEDIA - http://www.programaibermedia.com/pt/el-programa/ibermedia-en-cifras/

MINISTÉRIO DA CULTURA: Disponível em < www.cultura.gov.br >