/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Singularidades do ensaio audiovisual
Autor
Henri Arraes de Alencar Gervaiseau
Resumo Expandido
Pretendo dar continuidade, nesta comunicação a reflexão desenvolvida em anos anteriores, sobre filmes de cunho ensaístico, dentro do campo que se convencionou denominar de documentário.

Este ano, centrarei a minha atenção em torno de algumas questões que colocam tentativas recentes de sistematização de características singulares da produção suscetível de ser classificada como ensaio no campo audiovisual, incorporando as discussões levantadas pela bibliografia francesa, duas importantes contribuições acadêmicas de língua inglesa: a de Hamid Nacif (2001), e a de Timothy Corrigan (2011)

Darei continuidade a minha reflexão acerca das questões levantadas por certas tradições do ensaio em outros campos artísticos, com vistas a contribuir para colocar em perspectiva a abordagem de algumas das especificidades relativas à dimensão audiovisual do ensaio: a ampla variedade de matérias de expressão colocadas em jogo; a relação da passagem das imagens com a memória e a montagem; e os modos enigmáticos de articulação das matérias de expressão.

Ampliando a reflexão, buscarei, em segundo lugar, contribuir para a discussão da especificidade do filme ensaio e/ou do ensaio videográfico dentro do campo documentário. Em dialogo com a contribuição de Corrigan, evocarei, neste quadro, alguns períodos específicos da história do cinema e algumas obras chaves tais como Noite e Neblina; Cartas da Sibéria; Lost, lost, lost; Sans Soleil.

Dando, por outro lado, continuidade as minhas pesquisas acerca do documentário como meio de expressão da experiência do deslocamento, abordarei, a partir de algumas obras estrategicamente escolhidas, alguns pontos de encontro entre o campo do filme ensaio e do ensaio videográfico e o que Hamid Nacif denomina de cinema com sotaque -a cinematografia, envolvida, de um modo ou de outro, com experiências de deslocamento, exilio e diáspora.



Bibliografia

Adorno, Theodor W: O ensaio como forma, in: Adorno, T.W: Notas de literatura I. SP: Duas Cidades. 2003, p.15-45

Bense, Max: L’essai et sa prose, in: Trafic, n.20. p.134-142.

Corrigan, Timothy: The essay film. From Montaigne, after Marker. New York: Oxford University Press. 2011

Didi-Huberman, Georges: Remontages du temps subi. L’oeil de l’histoire, 2. Paris: Les Éditions de Minuit. 2010.

Gervaiseau, Henri Arraes: O abrigo do tempo. SP: Alameda Editorial. 2012.

Glaudes, Pierre (org.): L’essai, métamorphoses d’un genre. Toulouse: Presses Universitaires du Mirail, 2002,

Liandrat-Guigues, Suzanne et Gagnebin, Murielle: (dir.): L’essai et le cinéma. Seyssel: Éditions Champ Vallon, 2004

Migliorin, Cezar: Ensaios no real. O documentário brasileiro hoje. RJ: Azougue Editorial. 2010

Nacify, Hamid: An accented cinema. Exilic and diasporic filmmaking. Princeton: Princeton Uiversity Press, 2001.