/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
A auto-reciclagem no documentário: os casos de Cabra e Santiago
Autor
Isabel Costa Mattos de Castro
Resumo Expandido
Esse trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa recente sobre o processo de auto-reciclagem no cinema documentário (CASTRO, 2011), a partir de uma análise comparativa entre os filmes "Cabra marcado para morrer", 1984, de Eduardo Coutinho e "Santiago", 2006, de João M. Salles. Trata-se de filmes, como se sabe, muito conhecidos, bastante analisados, produzidos em contextos diferentes e com temáticas distintas. O que os une e fundamenta este estudo é o raro processo de realização de ambos, presente na construção de seus discursos. Tanto "Cabra" quanto "Santiago" têm a particularidade de serem construídos a partir da retomada, mais de uma década depois, de filmes inacabados dos próprios realizadores. Nos dois casos, a distância temporal é o que permitiu a realização de um novo filme. Este processo de realização em duas etapas é, portanto, central para esses documentários e interfere diretamente em suas formas. Ele estrutura a narrativa dos dois filmes, por meio de uma montagem metadiscursiva. “Embora não explicitado, 'Cabra' não deixa de ser uma ‘reflexão sobre o material bruto’, que é o subtítulo do 'Santiago” (ESCOREL, 2009), diz o montador de ambos os filmes, Eduardo Escorel. No momento da retomada tardia do material bruto, Coutinho e Salles propõem um retorno, não somente às imagens produzidas anteriormente, mas à própria singularidade histórica e estética do processo de produção dessas imagens.

Devido a este processo de realização inusitado, "Cabra" e "Santiago" compartilham da ruptura fundadora da operação de montagem conhecida como “reciclagem”: a interrupção do quadro enunciativo inicial; e de uma segunda ruptura frequente à operação: a interrupção do contexto histórico (KUGLER, 2002). Assim, eles se inserem no universo das práticas de reciclagem de imagens e sons no cinema. Tal procedimento é a principal ferramenta de expressão cinematográfica de autores que experimentam o método da compilação, interessados, justamente, na renovação do olhar permitida pelo novo contexto de enunciação e por uma nova intenção em relação aos arquivos. "Cabra" e "Santiago" se aproximam sobretudo de uma corrente do cinema documentário que trabalha o arquivo de forma reflexiva, aproximando-se da leitura da imagem de arquivo proposta por Didi-Huberman, da imagem como ato (DIDI-HUBERMAN, 2003), a ser interpretada a partir de um cruzamento com outros elementos e conhecimentos através da montagem.

Entretanto, diferentemente das operações habituais de reciclagem, esses filmes reciclam suas próprias imagens (do filme inacabado), construídas nos documentários através de uma operação de auto-reciclagem, o que leva a uma reflexão particular. Pensar sobre as consequências da realização em dois tempos, a partir da análise desses casos específicos, é o objetivo desse trabalho. A ideia é analisar as especificidades das operações de reciclagem de "Cabra" e "Santiago", que levam a um deslocamento da reflexão teórica em relação a outras operações, e, assim, contribuir com o debate teórico sobre a montagem de arquivos, no que tange à prática da auto-reciclagem.

A análise se desenvolverá a partir de dois eixos centrais. O primeiro é dedicado a questões ligadas à rememoração proposta pelos filmes, mais especificamente às formas através das quais os cineastas despertam uma memória do passado no momento da retomada de seus filmes (aqui serão discutidos as características desses “auto-arquivos”, assim como a inclusão dos cineastas nos filmes, enquanto personagens). O segundo é dedicado à análise da estrutura dos documentários, mais especificamente de suas montagens meta-discursivas, a partir de uma adaptação dos três procedimentos definidos por Nicolas Schmidt - os “bastidores”, a “citação” e o “espelho” - em seu artigo “Os usos do procedimento do filme dentro do filme” (SCHMIDT, 2007). Para concluir, a questão da auto-reciclagem será questionada num contexto teórico mais amplo: seria possível pensá-la como método intencional para o cinema documentário?

Bibliografia

CASTRO Isabel, Le processus d’auto-recyclage dans le film documentaire: les cas de "Cabra Marcado para Morrer" de Eduardo Coutinho e "Santiago" de João Moreira Salles, dissertação de mestrado: Cinéma et Audiovisuel, Université de la Sorbonne nouvelle, Paris, 2011.



KUGLER Laetitia, La modalisation du discours dans le documentaire de compilation: "Displaced Person" de Daniel Eisemberg et "Free Fall" de Peter Forgacs, Mém. DEA: Cinéma et Audiovisuel, Université de la Sorbonne nouvelle, Paris, 2002.



MORETTIN Eduardo e KORNIS Mônica Almeida, "Eduardo Morettin e Mônica Almeida Kornis entrevistam Eduardo Escorel", Revista ArtCultura, Vol. 11, Nº 18, 2009.



DIDI-HUBERMAN Georges, Images malgré tout, Paris, Les éd. de Minuit, 2003.



DIDI-HUBERMAN Georges, L'image survivante, Paris, Les éd. de Minuit, 2002.



SCHMIDT Nicolas, “Les usages du procédé de film dans le film”, in René PRÉDAL (org), Le cinéma au miroir du cinéma, CinémAction Nº 124, Julho 2007.