/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
O centro de São Paulo na publicidade televisiva e a gentrificação
Autor
Fábio Raddi Uchoa
Resumo Expandido
A partir da década de 1990, junto com os incentivos da prefeitura para intervenções urbanas no centro, e de maneira intensificada pelos preparativos para a Copa do Mundo de Futebol 2014 no Brasil, o centro de São Paulo é foco de ações de requalificação urbana. Trata-se do inicio de um processo de “gentrificação”, com a futura substituição dos habitantes de uma região, por aqueles de uma classe mais abastada, aportando assim modificações físicas, culturais e quanto à produção de imagens da cidade, incluindo embates em torno daquilo que pode ou não ser visto, a ordem e a desordem.

O objetivo deste trabalho é examinar os filmes publicitários, especialmente aqueles ambientados no centro de São Paulo, realizados por empresas associadas ao Grupo INK (1996-2013) – grupo formado por cinco produtoras, tendo entre seus acionistas Paulo Schimdt, Tadeu Jungle, Antonio Carlos Accioly e Marily Raphul. Neste período recente, empresas como a Margarida Filmes e a Conspiração Filmes, incluíram entre suas realizações comerciais de automóveis, seguros e bancos, nos quais desponta uma cidade sem conflitos sociais, apaziguada e consumida pelas classes médias. Trata-se de uma cidade global, que se mistura às grandes metrópoles americanas ou européias, a partir de um processo de recorte e apagamento da cidade vivida. Entre as imagens, pode-se citar a publicidade “Búfalos”, encomendada pela General Motors, onde uma centena de búfalos passa em frente à Praça do Patriarca, avançando no sentido do Mosteiro São Bento, numa cidade que mescla a arquitetura européia e certo glamour americanizado. Em outra das publicidades, neste caso encomendada pela seguradora Líder, para a venda de um seguro para acidentes de trânsito (“Seguro DPVAT”), a tendência à limpeza da cidade associa-se ao tema das normas, da segurança e do deslocamento físico pelo centro.

Em termos metodológicos, busca-se identificar as sintonias entre tais imagens e o processo urbano, de gentrificação, em curso. Isso se desdobra numa abordagem em duas etapas. Inicialmente, inspirando-se na idéia de análise figural proposta por Nicole Brenez em "De la figure en général e du corps en particulier", as mesmas serão pensadas como figuras da gentrificação: materiais audiovisuais que recolocam o processo urbano, dotados de uma linguagem particular, a ser examinada a partir das relações estabelecidas entre a morfologia da imagem, suas propriedades formais e o tratamento dos motivos. Numa segunda etapa, a operação será contextualizar tais imagens ante a um processo mais amplo, de criação de ideologias em torno da higienização, da militarização e do crescimento a qualquer custo, promovidos pelo marketing urbano, tal como debatido por Otilia Arantes em "Barcelona e Berlim: duas imagens estratégicas".

Bibliografia

ARANTES, Otília. “Gentrificação estratégica”. In. Barcelona e Berlim: duas imagens estratégicas. São Paulo: Annablume, 2012.

ARGAN, G. C. et al. Lo spazio visivo della città: Urbanistica e Cinematografo. XVI Convegno Internazionalle di Verucchio. Bolonha: Cappelli, 1969.

BRENEZ, Nicole. De la figure en général et du corps en particulier: l´invention figurative au cinema. Paris: De Boeck Université, 1998.

COMOLLI, J-L. “La ville filmée. ” In. Vior et pouvoir. Paris: Verdier, 2004.

HARVEY, David. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

SMITH, Neil. The new urban frontier – Gentrification and the revanchist city. Nova Yorque: Routledge, 1996.

ZUKIN, Sharon. The cultures of cities. Cambridge: Blackwell, 1995.