/ / / / / / / / / / / / / /      Anais Digitais      / / / / / / / / / / / / / /

  Voltar para a lista
 
  Título
Tabu, de Miguel Gomes: saudade colonial
Autor
Michelle Sales
Resumo Expandido
Nesta comunicação pretendemos aproximar o pensamento do sociológo brasileiro Gilberto Freyre do filme Tabu, do realizador português Miguel Gomes. Apesar de, nomeadamente, em diversas entrevistas Miguel Gomes defender o caráter ficcional de sua obra e o desinteresse em relação a história de Portugal, e de discussões que pudessem aproximar o filme de uma abordagem sociológica da cultura recuperaremos, através da tese de Gilberto Freyre em relação a excepcionalidade da experiência colonial lusa um ponto de convergência com muitos aspectos do filme Tabu, sobretudo na maneira com a qual o português que vive em Africa é representado. Esse tipo “particular” de ocupação/colonização portuguesa teria tido como consequência a criação de um mundo ultramarino regido mais por afeto e empatia do que pelas obrigações coloniais ou da língua Segundo Freyre, conformando uma sociedade “luso-tropical”. Como contraponto a essa ideia, no ensaio intitulado “Para acabar de ver com a lusofonia”, o curador e pesquisador de arte António Pinto Ribeiro comenta o legado teórico de Freyre acerca de um entendimento sobre a lusofonia, chamando atenção a dois aspectos: o primeiro é um registro histórico que nos lembra a forma com que a lusofonia é lançada por Portugal ainda no século XIX sugerindo um direito histórico de ocupação, requerendo as terras que iam de Angola a Moçambique, apresentadas num Mapa Cor de Rosa que foi duramente rechaçado pelo governo britânico. O segundo aspecto é a maneira com a qual essa ideia da lusofonia é apropriada pelo governo de Salazar a fim de negociar a permanência portuguesa na Africa lusófona, enquanto as potências européias discutiam os termos da independência e descolonização de suas antigas colônias. A maneira com a qual a vida na colónia é representada, abundante de paixões e o cotidiano harmonioso entre colonos e africanos, relaciona-se diretamente com as teses defendidas amplamente por Gilberto Freyre sobretudo a partir de O Luso e o Trópico. Neste ensaio, o sociológo constrói sólidas argumentações que sustentam um tipo particular de colonização portuguesa, mais cristocêntrica do que eurocêntrica, e por isso, potencialmente agregadora e harmoniosa, capaz de construer um mundo particular cuja metrópole não era o ponto de partida para a exploração colonial mas para a promoção de potencialidades mestiças e de uma harmoniosa sociedade colonial nos trópicos. Miguel Gomes toca em questões que aqui se relacionam com Gilberto Freyre, através de uma Africa idílica tão ligada a um certo tipo de representação do “outro”. Como questiona Nuno Domingos: “Os africanos da plantação de chá do Gurué que trabalhavam no Monte Tabu, retratados em actividades laborais e em outras situações quotidianas, parecem integrados, na sua impessoalidade, embora a História tenha vindo a salientar que nas plantações de chá da Alta Zambézia o trabalho forçado e todas as práticas de semi-escravatura abundavam. O filme, partindo da ideia de que o império está a prazo, não oferece nenhuma leitura que permita perceber por que razão afinal está a prazo. Porque há uma guerra, sim, mas por que razão há uma guerra?” Com a resposta a essa pergunta pretendemos analisar o filme Tabu, de Miguel Gomes relacionando-o livremente com obras e textos da cultura portuguesa contemporânea que nos remete ao mesmo tipo de representação do sistema e da sociedade coloniais.



Bibliografia

ARENAS, Fernando. Lusophone Africa. Beyond Independence. Minessota Press, 2011.



CASTELO, Cláudia. O luso-tropicalismo e o colonialism português tardio. In: http://www.buala.org/pt/a-ler/o-luso-tropicalismo-e-o-colonialismo-portugues-tardio, acessado em janeiro de 2014.



___________________. Um brasileiro em terras portuguesas. In: http://www.buala.org/pt/a-ler/um-brasileiro-em-terras-portuguesas-prefacio, acessado em janeiro de 2014.



FIDDIAN, Robin (org.) Postcolonial perspectives on the cultures of Latin America and Lusophone Africa. Liverpol University Press, 2000.



FREYRE, Gilberto. O Luso e o trópico. Lisboa: Comissão Executiva das Comemorações do V Centenário da Morte do Infante D.Henrique, 1961.

RIBEIRO, António Pinto.Para acabar de vez com a lusofonia. In: http://www.buala.org/pt/a-ler/para-acabar-de-vez-com-a-lusofonia, acessado em janeiro de 2014.