Voltar para a lista
 
  Título
Vozes, ambientes, mil e uma noites
Autor
Fernando Morais da Costa
Resumo Expandido
Para esta proposta de comunicação traremos uma análise da relação das vozes e dos sons ambientes com as imagens presentes no tríptico As mil e uma noites, de Miguel Gomes. Tal objeto está em conformidade não apenas com a sequência de uma análise pregressa de obra anterior do mesmo diretor, Tabu (2012), mas também com a sequência de um projeto de pesquisa que analisa vozes no cinema contemporâneo, e que já deu frutos nestes mesmos congresso e seminário.

Desta vez, a análise das relações entre vozes e imagens vem acrescida ainda da atenção dada aos sons ambientes, que emolduram, nas três obras assinaladas acima, a representação do Portugal contemporâneo, em relação dialética com a paisagem árabe descrita nos contos organizados sobre a alcunha de As mil e uma noites.

Nos três episódios da versão portuguesa e cinematográfica de As mil e uma noites, a saber, intitulados Volume 1: o inquieto, Volume 2: o desolado, Volume 3: o encantado, temos vozes acusmáticas várias, como no exemplo radical do início do primeiro episódio, mas que por vezes passam pelo processo que Chion chamou de de-acusmatização. Temos narradores em várias instâncias, não centralizando a voz do narrador, ou da narradora, em Sherazade, diálogos em várias línguas, que povoam o filme de sotaques e prosódias algumas, além dos próprios portugueses. Os três filmes compilam nove histórias derivadas das árabes, e por vezes há histórias dentro das histórias, relatos que se inserem dentro de relatos, como, de resto, também há na versão literária que foi tornada célebre no ocidente, a partir de compilação e tradução francesa para textos que, ao que se sabe, têm base oral advinda de lugares diversos como Ìndia, Pérsia, localidades várias dentro do mundo árabe. A matriz oral teria sido formatada para a escrita, em período e processos correlatos aos que Zumthor descreve na Europa em A Letra e a voz, que citamos em trabalho anterior.

Sobre a fundamentação teórica desta proposta, seguimos com os pressupostos encontrados em autores previamente analisados no projeto de pesquisa, e demonstrados no seminário, como Barthes, Zumthor, Derrida, Ihde, mas também há o acréscimo de artigos recentes como The Acousmatic Voice and Metaleptic Narration in Inland Empire, de Warren Buckland, que analisa um caso especifico de voz acusmática, seguindo com o modelo espacial proposto por Chion (BUCKLAND, 2013).

No que tange a análise dos ruídos e sons ambientes, cabe citar textos tão recentes quanto instigantes, a saber: A Noisy Brush with the Infinite: Noise in Enfolding-Unfolding Aesthetics de Laura Marks, no qual há a complexa proposição de uma análise que contrapõe e ao mesmo tempo une luz e ruído (MARKS, 2013), bem como uma aplicação direta dessa teoria sobre o cinema contemporâneo em Dirty Sound - Haptic Noise in New Extremism, de Lisa Coulthard (COULTHARD, 2013).



Ainda sobre ruídos, cabe também lembrar que seguem existindo aplicações variadas do conceito de paisagem sonora, de Schafer. Para citar duas, a leitura histórica possível das sonoridades da Alemanha do período do regime nazista perpetrada por Carolyn Birdsall, em Nazi Soudscapes - Sound, Technology and Urban Space in Germany, 1933-1945 (BIRDSALL, 2012), e o recente trabalho de Meri Kytö sobre a representação da paisagem sonora de Istambul.
Bibliografia

BIRDSALL, Carolyn. Nazi Soudscapes - Sound, Technology and Urban Space in Germany, 1933-1945. Amsterdam: Amsterdam University Press, 2012.



BUCKLAND, Warren. The Acousmatic Voice and Metaleptic Narration in Inland Empire. In: HERZOG, Amy, RICHARDSON, John, VERNALIS, Carol (org.).The Oxford handbook of sound and image in digital media. Oxford: Oxford University Press, 2013.



COULTHARD, Lisa. Dirty Sound - Haptic Noise in New Extremism. In: HERZOG, Amy, RICHARDSON, John, VERNALIS, Carol (org.).The Oxford handbook of sound and image in digital media. Oxford: Oxford University Press, 2013.



IHDE, Don. Listening and voice – Phenomenologies of sound. Albany: University of New York Press, 2007.



MARKS, Laura. A Noisy Brush with the Infinite: Noise in Enfolding-Unfolding Aesthetics. In: HERZOG, Amy, RICHARDSON, John, VERNALIS, Carol (org.).The Oxford handbook of sound and image in digital media. Oxford: Oxford University Press, 2013.