Voltar para a lista
 
  Título
Distribuição de cinema: formação de uma hegemonia e abalos históricos
Autor
PEDRO BUTCHER
Resumo Expandido
A epígrafe de Exporting Entertainment: America in the World Film Market (1907-1934), pesquisa de Kristin Thompson sobre os primeiros avanços internacionais da indústria cinematográfica estadunidense, pesca o trecho de um texto publicado em 1914 da revista Motography: “Luís XIV teria dito: ‘o Estado? Sou eu!’. Os realizadores do cinema americano podem dizer: ‘O negócio do cinema? Somos nós!’”.

Desde muito cedo, consolidou-se uma percepção de que o cinema feito nos EUA seria “o” cinema. A construção dessa percepção foi de uma eficácia tamanha que, de fato, reflete pelo menos o desejo de ir além de uma dominação oligárquica ou monopolista para alcançar um alcance de caráter quase absolutista no setor. Esse desejo ultrapassa a noção do cinema como indústria e chega à linguagem, ao modo como os filmes “devem ser”.

A construção dessa imagem de uma atividade monolítica e onipresente se dá, em um primeiro momento, internamente. A organização da indústria estadunidense envolve o estabelecimento de suas três colunas fundamentais (produção, distribuição e exibição) e a articulação profunda entre elas, dando forma a uma estrutura oligárquica em que cinco ou seis companhias (as majors) controlam o negócio e assumem amplos poderes nos campos econômico e institucional.

A produção e a exibição têm sido contempladas nos estudos que se debruçam sobre a formação do cinema estadunidense, mas nosso objetivo, aqui, é focar na distribuição. Como bem percebeu Lopes (2014, p. 9), “é comum que as majors estejam associadas à imagem de grandes galpões de filmagem; todavia, resumi-las a estúdios esconde o diferencial competitivo dessas companhias”.

Esse diferencial está, justamente, na criação de uma rede de distribuição, primeiro de alcance nacional e, em seguida, internacional. A distribuição é a ação que faz o produto chegar ao ponto de venda e, consequentemente, ao consumidor. Sua função envolve desde o estabelecimento dos meios de transporte até a publicidade que irá tornar o produto conhecido do público. Observando-se o modo de operação das majors, é possível concluir que são, antes de tudo, máquinas de distribuição que arcam com os custos de um filme para ter o controle sobre sua comercialização.

A ideia desse trabalho é delinear a formação histórica do setor da distribuição na indústria do cinema estadunidense, procurando esquadrinhar seu papel na formação de um império econômico e cultural, bem como no estabelecimento de uma estrutura de difícil penetração que permaneceu durante décadas como modelo hegemônico de operação. Ainda que esse modelo tenha sofrido alguns abalos importantes, com a expansão da televisão, por exemplo, essa estrutura não chegou a se desfazer de todo. O quadro só começa a se modificar recentemente, quando a rápida penetração de novas tecnologias digitais começa a colocar em xeque a cadeia audiovisual.

No campo da produção, a realização de filmes deixa de depender de investimentos volumosos e se torna acessível a um número maior de pessoas, na medida em que a disponibilização de câmeras portáteis e de fácil manuseio, com resolução razoável, permite a realização de filmes, por exemplo, com câmeras de celular.

Mas é na distribuição que a tecnologia digital gera um abalo mais sistêmico. A produção de cópias de produtos audiovisuais não depende mais da película e dos meios de transporte físicos, abrindo a possibilidade do compartilhamento de arquivos e da transmissão via internet. O cinema e a televisão deixam de ser as únicas plataformas de apreciação dos filmes e já não é mais tão simples determinar quando, onde e como o espectador terá acesso ao que deseja ver. A distribuição perde sua centralidade; os grupos que tradicionalmente a controlam precisam inventar novas estratégias para manter suas posições. O próprio gigantismo desses grupos, porém, parece dificultar respostas rápidas; surgem novas companhias, agressivas justamente diante das novas possibilidades de difusão, que se expandem e conquistam espaço.
Bibliografia

ABEL, Richard. Americanizando o filme: ensaios de história social e cultural do cinema. São Paulo: Cinemateca Brasileira, 2013.



ALLEN, Robert C.; GOMERY, Douglas. Film History: Theory and Practice. New York: Knopf, 1985.

AUTRAN, Arthur. O pensamento industrial cinematográfico brasileiro. São Paulo: Hucitec Editora, 2013.



EPSTEIN, Edward Jay. O grande filme: dinheiro e poder em Hollywood. São Paulo: Summus Editorial, 2005.



LOPES, Thiago Cardoso Storch Secundo. “Desafios atuais da distribuição de filmes independentes no Brasil”. In: Rascunho – Monografias cinema e vídeo UFF, v.7, n. 12, 2015.

SEGRAVE, Kerry. American Films Abroad: Hollywood’s Domination of the World’s Movie Screens From the 1890’s to the Present. Jefferson: McFarland & Company, 1997.

THOMPSON, Kristin. Exporting Entertainment: America in the World Film Market, 1907-1934. Londres: BFI Pub., 1985.