Voltar para a lista
 
  Título
Notas sobre o tempo e o esquecimento em dois filmes de Alain Resnais
Autor
Mauro Luiz Rovai
Resumo Expandido
Pretende-se discutir algumas relações possíveis entre sociologia, tempo e esquecimento – ou se se preferir, uma particular abordagem sociológica a respeito das inúmeras discussões possíveis a respeito da memória no cinema - a partir de dois filmes de Alain Resnais: Hiroshima meu amor (Hiroshima mon amour, França e Japão, 1959) e A guerra acabou (La guerre est finie, França e Suécia, 1966). A abordagem incidirá particularmente sobre a forma como estão construídas duas personagens das obras citadas, aquelas vividas por Emmanuelle Riva (no filme de 1959) e Yves Montand (no de 1966).

O que chama nossa atenção é forma como estão construídas, nas duas obras, a relação estabelecida entre passado, futuro e presente por meio da configuração, percebida em cada um dos filmes, que envolve tanto o movimento subjetivo das duas personagens quanto os acontecimentos sociais e históricos marcantes vividos por ambas (particularmente, a Segunda Guerra mundial, caso da personagem de Riva, e A Guerra Civil Espanhola, caso da de Montand).

Os temas a serem explorados (o trabalho da memória, o esquecimento e a noção de imaginário, sobretudo) serão colocados sob uma perspectiva sociológica, de modo a problematizar e a caracterizar a experiência subjetiva vivida pelas duas personagens. Dado o recurso metodológico empregado, que privilegiará as diferentes caracterizações da relação passado, futuro e presente na trajetória das duas personagens na trama dos filmes, não será nosso objetivo avaliar e distinguir o trabalho e a contribuição de Marguerite Duras e a de Jorge Semprún a respeito da discussão sobre a memória.

Abordar tais temas nos filmes escolhidos não é tarefa fácil ao menos por dois motivos. O primeiro, pela forte relação estabelecida entre um grupo de filmes de Resnais e a discussão a respeito da memória (além de Hiroshima meu amor e A guerra acabou, Toda a memória do mundo, As estátuas também morrem, Noite e neblina, O ano passado em Marienbad e Muriel, para ficar apenas nos anos 50 e 60). O segundo, pelo lugar de destaque ocupado pelo cineasta na cena cultural francesa desde o final dos anos 50 (v. DE BAECQUE, 1998, p. 181).

aparece como um dos filmes que serão vistos como manifesto estético da Nouvelle Vague, fazendo de Resnais um dos protagonistas daquele momento, ao lado de nomes como Chabrol, Truffaut, Godard, Rivette e Rohmer (ligados aos Cahiers du cinema), e de nomes que constituiriam os autores “rive gauche”, (como Chris Marker e Agnes Varda), “mais intelectuais e literários, trabalhando com escritores do Nouveau Roman [no caso de Hiroshima meu amor, Marguerite Duras] e marcados pelo seu envolvimento político à esquerda” (v. DE BAECQUE, 1998, p. 183)

Como sublinhou Antoine De Baecque, Hiroshima mon amour aparece como um dos filmes que serão vistos como manifesto estético da Nouvelle Vague, fazendo de Resnais um dos protagonistas daquele momento, ao lado de nomes como Chabrol, Truffaut, Godard, Rivette e Rohmer (ligados aos Cahiers du cinema), e de nomes que constituiriam os autores “rive gauche”, (como Chris Marker e Agnes Varda), “mais intelectuais e literários, trabalhando com escritores do Nouveau Roman [no caso de Hiroshima meu amor, Marguerite Duras] e marcados pelo seu envolvimento político à esquerda” (v. DE BAECQUE, 1998, p. 183). Ainda sobre a Nouvelle vague, mesmo quando o nome do cineasta não é colocado como dela fazendo parte, caso de Philippe Dubois, por exemplo, ainda assim seu nome é mencionado como uma das “grandes individualidades fundadoras” (DUBOIS, 2004, p. 147).

O brilho do cineasta, dos atores, dos escritores e mesmo do tema não deve, contudo, servir de entrave para o trabalho aqui proposto. Afinal, o nosso método de análise privilegiará ir aos filmes, ligando-os transversalmente, isto é, considerando o modo como cada uma das duas personagens estão construídas na trama (de imagens, sons etc.) dos dois filmes.
Bibliografia

DE BAECQUE, Antoine. La Nouvelle Vague. Portrait d’une jeunesse. In DE BAECQUE, Antoine & DELAGE, Christian et ali... De L’histoire au cinéma. Bruxelles : Éditions Complexe, 1998, pp. 165 – 192

DUBOIS, Philippe. Cinema, vídeo, Godard. Trad. Mateus Araújo Silva. São Paulo: Cosac&Naif, 2004.

FOUCAULT, Michel. Sobre Marguerite Duras (1975). In Ditos e escritos. Volume 3. Estética. Literatura e Pintura, música e cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006, pp. 356 – 365.

RICOEUR, Paul. Memória, história, esquecimento. Último acesso em 12/05/16. http://www.uc.pt/fluc/lif/publicacoes/textos_disponiveis_online/pdf/memoria_historia .

FILMES TRABALHADOS DE ALAIN RESNAIS

Hiroshima meu amor. (Hiroshima mon amour, 1959). França e Japão.

A guerra acabou. (La guerre est finie, 1966). França e Suécia.