Voltar para a lista
 
  Título
Diálogos entre cinema e literatura no Japão: o caso de Kanae Minato
Autor
Janete da Silva Oliveira
Resumo Expandido
Noriko Miki, uma funcionária de uma empresa de cosméticos é esfaqueada até a morte e seu corpo é queimado, no meio da floresta. Esse incidente é o ponto crucial em torno do qual gira a trama da escritora japonesa que foi transformada em filme em 2014. A partir desse assassinato, a personagem Risako Kano, funcionária da mesma empresa, entra em contato com seu colega de escola, Yuji Akahoshi, funcionário de uma emissora de TV. Yuji então resolve ouvir os colegas de trabalho e descobrir quem era a vítima através desses depoimentos, o motivo do crime e, possivelmente, o criminoso. Descobre no processo, o nome de Miki Shirono, uma funcionária que desaparece no mesmo dia do crime e tinha sido vista correndo na direção da estação de trem naquela noite.

Yuji, escreve sobre o crime em um chat e transforma Shirono em principal suspeita, e vamos acompanhando o desfile de conversas que vão desenhando linhas de identidade das personagens. Assim como no livro, dividido segundo as visões dos envolvidos com a vítima, o filme vai descrevendo quem era Noriko e Miki, utilizando como contraponto os ideogramas que compõe o nome das duas. A vítima, Noriko Miki tem como nome, os ideogramas de três árvores juntamente com o significado de “aquela que está sempre fazendo descobertas”, a suspeita , Miki Shirono, tem como nome os ideogramas que significariam “a princesa do castelo do campo” . Um ponto destacado no livro, como notamos no seguinte trecho: A mesma Miki, mas o ideograma do sobrenome de Noriko era escrito com o de três árvores e o do nome de Shirono era o de bela princesa. A imagem de ambas era oposta e, por ser ambíguo, todos chamavam Noriko Miki de Noriko e Miki Shirono de Shirono. (MINATO, 2014, p.12)

Esse é o enredo da película dirigida por Yoshihiro Nakamura intitulado Shirayuki hime satsujin jiken (em inglês The Snow White Murder Case) inspirado no livro homônimo de Kanae Minato. O filme estrutura-se em como o suspense e medo podem servir com estratégias para pensar alguns dramas contemporâneos. Para o pensador polonês Zigmunt Bauman, existiriam três tipos básicos de medo: ameaça ao corpo ou propriedades (posses); ameaça à durabilidade da ordem social e à confiabilidade dela; ameaça ao lugar da pessoa no mundo (posição na hierarquia social, identidade, degradação e exclusão social). Kanae Minato, a autora do livro no qual o filme é baseado, trabalha com esse último em seus romances, expondo os medos da sociedade japonesa, que tem sido posta à prova com vários questionamentos na atualidade. O ambiente social japonês é caracterizado por um forte sentimento e espírito de coletividade, encontramos nele provérbios como: ”prego que sobressai é martelado” ou pensamentos como “não causar inconveniente aos outros”. Esses são denotadores de um forte sentimento de grupo e do desejo de manter a todo custo a harmonia do mesmo. E esse sentimento deriva diretamente do chamado espírito wa que se confundiria exatamente com o próprio “ser japonês”. Tal vocábulo está no dicionário japonês Daijisen como: “dar-se bem com, ambos preocuparem-se um com o outro, um relacionamento no qual há colaboração mútua” “algo harmonioso”. Um outro conceito, muito importante para o estabelecimento dessa harmonia para os japoneses, é o de honne e tatemae, no qual. honne seria a essência e tatemae, a aparência.

Recorrendo a autores como Anthony Giddens, Muniz Sodré e Zigmunt Bauman, que refletem sobre as questões da identidade, consumo e redes de comunicação na contemporaneidade, tentaremos apresentar essa mesma temática em um filme de suspense policial que se utiliza da redes sociais em contraponto com “realidades líquidas”, as quais constróem uma realidade paralela e, mais do que a identidade do assassino, enfatizam a construção/desconstrução das identidades de suspeita/vítima em confronto com as tensões da sociedade nipônica contemporânea. Uma narrativa própria da sociedade japonesa em diál
Bibliografia

BAUMAN, Zigmunt. Medo líquido. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2008.

_________________. Vidas para consumo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2008

BARBOSA, Lívia; CAMPBELL, Colin. Cultura Consumo e identidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006

GIDDENS, Anthony. O mundo em descontrole: o que a globalização está fazendo de nós. Rio de Janeiro: Record, 2000.

__________________.Modernidade e identidade.Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2002.

GONDA, Manji. Gendai suiri shousetsuron. Tóquio: Daisan bunmeisha, 1985.

MINATO, Kanae. Shirayuki hime satsujin jiken. Tóquio: Shūeisha bunko, 2014.

NAPIER, Susan. The Fantastic in Modern Japanese Literature. Londres e Nova Yorque: Routledge, 1995.

SODRÉ, Muniz. A ciência do comum: notas para o método comunicacional. Petrópolis: Editora Vozes, 2014.