Voltar para a lista
 
  Título
As proximidades do ensaio em “Diego Velázquez ou le réalisme sauvage”
Autor
Eduardo Paschoal de Sousa
Resumo Expandido
As pinturas do espanhol Diego Velázquez pairam na tela como paisagens. São reveladas em minúcias, por sucessivas aproximações e movimentos de câmera que mostram o craquelado da tinta à óleo, os detalhes de luz e sombra. Uma voz over conduz a pista sonora, descrevendo as telas para além do que se vê, aproximando seu discurso de uma poesia de impressões, enquanto contextualiza a vida do pintor e suas fases artísticas.



O filme Diego Velázquez ou le réalisme sauvage (2015), do diretor brasileiro Karim Aïnouz, é um documentário denso, que utiliza a plasticidade da obra de arte com a profundidade da poesia e do ensaio na narrativa. Ao unir quadros de Velázquez a paisagens atuais e deslocamentos contemporâneos, que algumas vezes ganham textura com a granulação da imagem, busca recriar o contexto das obras e atualizar as impressões do espectador, usando da linguagem cinematográfica para expandir a obra de arte.



O presente artigo busca analisar o longa como um documentário que se aproxima mais de um cinema de impressões que das características clássicas documentais – abordadas em profundidade por Nichols (2005), Ramos (2008) e Gauthier (2011) – gerando uma obra híbrida, muito próxima do filme-ensaio.



A ideia de filme-ensaio parte primeiro do conceito de ensaio derivado da literatura. É, segundo Machado (2003:64), uma “certa modalidade de discurso científico ou filosófico, geralmente apresentado em forma escrita, que carrega atributos amiúde considerados ‘literários’”. O autor elenca como características próprias a esse tipo de texto a subjetividade no enfoque do tema tratado, deixando claro quem é o sujeito que fala, de onde se constrói o enunciado; a eloquência da linguagem e a consequente preocupação com o texto e sua expressividade; e a liberdade do pensamento, que trata da produção do discurso como uma criação, ao invés de uma simples cadência de ideias. Dessa forma, o ensaio se distanciaria dos relatos científico e acadêmico, em que a linguagem atua como instrumento para transmissão de uma ideia, ou ainda do tratado, que busca uma organização de um campo do conhecimento.



A essas características, López (2015:52) acrescenta que é particular ao ensaio a narrativa fragmentada, não-linear e com múltiplos níveis de sentido. Também é típico do ensaio um estilo híbrido, no emprego de diferentes meios e formas, uma visão subjetiva que se aproxima mais do sonho e da imaginação que da objetividade narrativa.



Ao analisar com o ensaio chega ao cinema, Gervaiseau (2015:97) faz uma retrospectiva desse conceito, primeiro com Montaigne, um dos primeiros teóricos a sistematizar o que seria o estilo ensaístico e para quem a definição da palavra ensaio é, em última instância, uma experiência: “o ensaio é análise, demonstração, ponderação, avaliação (...), mas igualmente e, sobretudo, um colocar em palavras essa experiência”. O autor retoma esse conceito também em Adorno, para quem o ensaio é a grande forma de expressão que a palavra pode alcançar. É esse estilo que “coordena elementos, ao invés de subordiná-los”.



Stam (2015:123) também cita Montaigne e Adorno quando trata sobre o tema, mas sintetiza que uma das características mais significativas do ensaio clássico, é uma liberdade de invenção, “que possibilita a indulgência em uma estética digressiva na qual preocupações superficialmente periféricas ao tópico assumam o primeiro plano”, ou seja, há uma alteração na maneira hierarquizada de narrar. No ensaio, todos os pontos de uma ideia ganham o mesmo peso interpretativo, ainda que não estejam no cerne da questão tratada.



Analisaremos como essas características do ensaio fílmico estão presentes no documentário de Aïnouz e se tornam o centro da narrativa, fundamentais para a construção da diegése na obra e da sensação de experiência do espectador com o filme e, em maior profundidade, com a própria obra de Velázquez.
Bibliografia

AUMONT, J. O olho interminável: cinema e pintura. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

FURTADO, B. “O documentário com obra de arte”. In: Imagem contemporânea. São Paulo: Hedra, 2009.

GAUTHIER, G. O documentário: um outro cinema. Campinas: Papirus, 2011.

GERVAISEAU, H. A. “Escrituras e figurações do ensaio”. In: TEIXEIRA, F. E. (org.). O Ensaio no Cinema. São Paulo: Hucitec, 2015.

LÓPEZ, A. W. “Um conceito fugidio. Notas sobre o filme-ensaio”. In: TEIXEIRA, F. E. (org.). O Ensaio no Cinema. São Paulo: Hucitec, 2015.

MACHADO, A. “O filme-ensaio”. In: Revista Concinnitas. Ano 4, v. 5, 2003.

NICHOLS, B. Introdução ao documentário. Campinas: Papirus, 2005.

RAMOS, F. P. Mas afinal... o que é mesmo documentário?. São Paulo: Editora Senac, 2008.

STAM, R. “Do filme-ensaio ao mockumentary”. In: TEIXEIRA, F. E. (org.). O Ensaio no Cinema. São Paulo: Hucitec, 2015.

XAVIER, I. O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. São Paulo: Paz e Terra, 2005.