Voltar para a lista
 
  Título
Documentário e narrativa biográfica: análise de Fabricando Tom Zé
Autor
Marcia Regina Carvalho da Silva
Resumo Expandido
No Brasil, o documentário musical sobre personagens da história da MPB é uma produção recorrente em várias mídias, constituindo um amplo panorama de produção biográfica que pode instigar diferentes análises na busca por um melhor entendimento sobre as possibilidades narrativas do documentário sobre personagens da história da música. Torna-se relevante, portanto, investigar estruturas narrativas e seus modos de produção, verificando o uso da técnica da entrevista, as articulações entre vida e obra e as performances musicais que ilustram a importância cultural do biografado.

Nesse sentido, a escolha dos protagonistas para as biografias se dá pela eleição de expoentes culturais de uma época que são legitimados pelas entrevistas e pelo material de arquivo resgatado e editado, fixando a ideia de que os personagens retratados transcenderam o âmbito comercial da música, convertendo-se em expoentes simbólicos da cultura brasileira a partir da história da música popular. Além disso, uma biografia não é apenas uma narrativa da vida do biografado, é também uma narrativa da relação entre o biógrafo e o biografado. E, para que ela possa acontecer, é preciso que haja liberdade para a produção do documentário biográfico, dado que a biografia não é gênero factual, e sim, um gênero impuro, que tem sua parte de criatividade na produção da narrativa audiovisual.

Esta prática não é exclusiva dos documentários biográficos sobre personagens da MPB, mas evidencia um método de representação da história da música popular brasileira que investiga documentos e fontes, trabalho que não é exclusivo do historiador, e que para o documentarista e o espectador se revela fundamental para a interrogação sobre a história hegemônica da cultura brasileira, aberta a dialética da memória, às relações com as tendências da arte, e vulnerável a diferentes abordagens temáticas e eleições de personagens e fontes.

Com esta reflexão em perspectiva, o artigo analisa o documentário Fabricando Tom Zé (2007), dirigido por Décio Matos Júnior, investigando o seu método de tratamento de enfoque do tropicalista Tom Zé como personagem, a partir do registro da turnê do músico pela Europa em 2005. Nesta viagem, o diretor registra vários depoimentos do músico ao narrar a sua trajetória como compositor. Além do passado revelado pela memória e relato de Tom Zé, o filme registra o músico em aeroportos, trens e hotéis, como também em ensaios e performances musicais.
Bibliografia

CARVALHO, Márcia. Documentário e modos de produção. Saarbrucken: Novas Edições Acadêmicas, 2015.

___________. “O som do retrato: análise de narrativas biográficas em documentários musicais brasileiros”. (Relatório final de Pós-doutorado). São Paulo: ECA-USP, 2015.

DOSSE, François. O desafio biográfico: escrever uma vida. São Paulo: USP, 2009.

FAVARETTO, Celso. Tropicália, alegoria, alegria. São Paulo: Ateliê Editorial, 2000.

POLLAK, Michael. “Memória, esquecimento, silêncio”. In: Revista Estudos Históricos, v.2, n.3, Rio de Janeiro, 1989, p. 3-15.

RAMOS, Fernão (org.). Teoria Contemporânea de Cinema: Documentário e narratividade ficcional. Vol. II. São Paulo: SENAC, 2005.

SCHMIDT, B. B. “Biografia e regimes de historicidade”. In: MÉTIS: história & cultura – v. 2, n. 3, janeiro/junho, Porto Alegre, 2003, p. 57-72.

VINCI DE MORAES, J. G. “História e música: canção popular e conhecimento histórico”. In: Revista Brasileira de História, v. 20, n. 39, São Paulo, 2000, p. 203-221.