Voltar para a lista
 
  Título
A MGM em São Paulo: atrações de palco e tela no Teatro Santa Helena
Autor
Luciana Corrêa de Araújo
Resumo Expandido
Em janeiro de 1927 têm início em São Paulo as atividades do consórcio cinematográfico estabelecido entre a Metro-Goldwyn-Mayer e a Reunidas, empresa que desde janeiro de 1924 praticamente dominava todos os grandes cinemas e teatros da cidade (cf. SOUZA). Embora o primeiro grande lançamento, "O barqueiro do Volga" (Cecil B. DeMille, 1926), aconteça já em janeiro no Cine República, a grande investida da Reunidas-MGM se dá a partir de março no Teatro Santa Helena, com a exibição de "The big parade" (King Vidor, 1925). Os jornais anunciam que a sociedade marca “o início dos processos norte-americanos de apresentação dos grandes filmes” (Diário da Noite, 10 jan 1927, p.2). Esta comunicação irá abordar as estratégias de exibição empreendidas pela Metro-Reunidas desde janeiro até novembro de 1927, quando o consórcio é desfeito. Iremos nos deter especialmente no caso do Teatro Santa Helena e nas relações entre as atrações de palco e tela que constituíam os programas deste luxuoso cineteatro, inaugurado no final de 1925. Prólogos cinematográficos, “mise-en-scène própria” (Diário da Noite, 15 jan 1927, p.2) e trupe de variedades estavam entre as atrações que antecediam os filmes, muitas delas especialmente preparadas para proporcionar a atmosfera adequada para o longa-metragem em cartaz. Contribuíam também para valorizar o espetáculo como um todo a iluminação e a cenografia da sala, a decoração do cinema, os figurinos dos funcionários e a performance da orquestra, à qual especial atenção era dedicada, no que diz respeito tanto aos prólogos e espetáculos de palco quanto ao acompanhamento musical dos filmes, que deveria se harmonizar ao clima de cada cena. Ao investigar os vários elementos envolvidos nesses “processos de apresentação dos filmes”, nosso objetivo é estudar a sala de cinema enquanto espaço privilegiado na articulação de relações intermidiáticas, envolvendo cinema, teatro, música e decoração, entre outras práticas artísticas e culturais.
Bibliografia

ALTMAN, Rick. Sound theory, sound practice. New York: Routledge, 1992.

CAMPOS NETO, Candido Malta; SIMÕES JÚNIOR, José Geraldo. Palacete Santa Helena – Um pioneiro da modernidade em São Paulo. São Paulo: Senac/Imprensa Oficial, 2006.

HANSEN, Miriam. Babel and Babylon. Harvard University Press, 1991.

MELNICK, Ross. American showman – Samuel “Roxy” Rothafel and the birth of the entertainment industry. New York: Columbia University Press, 2012.

SOUZA, José Inácio de Melo. Inventário dos espaços de sociabilidade cinematográfica na cidade de São Paulo: 1895-1929. - www.arquiamigos.org.br/bases/cine.htm