Voltar para a lista
 
  Título
Manoel de Oliveira entre fantasmas e antimatéria
Autor
Edimara Lisboa
Resumo Expandido
Do cinema mudo ao cinema digital, o cineasta português Manoel de Oliveira (1908-2015) presenciou grande parte da história do cinema e realizou filmes que dialogaram com essa história de forma marcadamente autoral. Apesar de não ter se dedicado propriamente à teoria e à crítica de cinema, Oliveira nunca deixou de expressar o seu pensamento sobre a arte cinematográfica. Na década de 1980, gerou grande polêmica ao afirmar que "o cinema não existe", mas é a captação mecânica de todas as artes. Mais tarde, ele veio a suavizar esse axioma, compreendendo o cinema como a síntese fantasmagórica de todas as artes (cf. PRETO, 2008).

A noção oliveiriana do cinema como arte da fantasmagoria vem do entendimento de que, diferente do teatro ou da literatura, da pintura ou da música, o cinema não teria matéria própria, mas trabalharia com pedaços capturados de matérias preexistentes. Desse modo, o cinema captaria um duplo das outras artes, e mesmo da própria realidade, para composição de seus filmes. Cada filme seria a síntese imaterial, fantasmática (mas artisticamente trabalhada via enquadramento e montagem), de matérias que lhe são alheias. Se existe uma matéria cinematográfica, nesse sentido, ela seria a película fílmica. Mas mesmo essa tem sucumbido às facilidades do digital.

O estranho caso de Angélica, roteiro original escrito por Oliveira na década de 1950, mas que só veio a se concretizar em texto fílmico em 2010, problematiza essa noção oliveiriana de cinema. A partir da fábula curiosa de uma jovem morta que volta à vida por meio de uma câmera fotográfica analógica, uma vez que a alma dela parece ser capturada pela objetiva, esse filme de Manoel de Oliveira discute as especificidades da película em tempos de imagem digital e no entrecruzar de duas épocas distintas, meados dos anos 50 e dias atuais, sobrepondo num mesmo discurso multissemiótico questionamentos religiosos, metafísicos e científicos, de versos de Antero de Quental à hipótese da antimatéria.

Dado que a fotografia digital tornou o clique fotográfico um procedimento tão corriqueiro que o ato de fotografar em si mesmo já pouco chama a nossa atenção ou interesse, é válido lembrar que houve comunidades que não se deixaram fotografar por acreditarem que a película, ao captar a luz que emana dos seres, era também capaz de aprisionar a alma. Hoje a película fotográfica está em desuso, sobretudo depois da falência da Kodak e de a Paramount abandonar o formato 35 mm (GAUDREAULT; MARION, 2016), por isso a câmera fotográfica analógica que capta o fantasma de Angélica é uma metáfora do cinema de arte em dias de blockbusters que normatizam procedimentos de opacidade cinematográfica. Uma metáfora da permanência em tempos de constante mudanças.

Manoel de Oliveira parodia o cinema comercial multimilionário usando técnicas de computação gráfica para criar efeitos especiais à moda do cinema primitivo e acaba por demonstrar que o potencial artístico não está apenas na forma, mas em seu diálogo artístico com o conteúdo. Esse filme nos lembra que, com uma câmera analógica, o ato de fotografar se torna mais difícil e fora do comum: não basta pressionar um botão, é preciso ajustar a iluminação ambiente, selecionar manualmente a distância focal, pensar no que merece o clique para não “queimar” a pose, esperar a revelação para visualizar o resultado da foto. Nada é automático e há um grau enorme de incerteza. Se o cinema do século XXI se transformar em espaço de certeza e automatismo, haverá lugar de reflexão suficiente para desenvolvimento da aura benjaminiana, ou o cinema se transformará num fantasma dele mesmo?
Bibliografia

ARAÚJO, N. Entrevista com Manoel de Oliveira. In: ARAÚJO, N. (org.). Manoel de Oliveira: análise estética de uma matriz cinematográfica. Lisboa: Ed. 70, 2014.

BAECQUE, A.; PARSI, J. Conversas com Manoel de Oliveira. Trad. Henrique Cunha. Porto: Campo das Letras, 1999.

BELLO, M.R.L. Narrativa literária e narrativa fílmica: o caso de Amor de perdição. 2. ed. Coimbra: FCG-FCT, 2008.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política. Trad. Sergio Paulo Rounet. 7. ed. 10. reimp. São Paulo: Brasiliense, 1996.

GAUDREAULT, A.; MARION, P. O fim do cinema?: um meio de comunicação em crise na era digital. Trad. Christian Pierre Kasper. Campinas: Papirus, 2016.

MACHADO, A. (org.). Manoel de Oliveira. Entrevista para Leon Cakoff. São Paulo: Cosac Naify, 2005.

MATOS-CRUZ, J. Manoel de Oliveira e a montra das tentações. Lisboa: Sociedade Portuguesa de Autores; Dom Quixote, 1996.

PRETO, A. Manoel de Oliveira: o cinema inventado à letra. Porto: Fundação de Serralves; Público, 2008.