Voltar para a lista
 
  Título
Cinema noir e neonoir italianos: o hedonismo e a femme fatale
Autor
Alexandre Rossato Augusti
Resumo Expandido
A proposta desta comunicação é apresentar as investigações que estão sendo realizadas em meu pós-doutorado. A partir dos resultados de minha tese, que investigou o cinema noir e neonoir em seu contexto mais amplo, caracterizado sobretudo pelos filmes americanos pertencentes ao gênero, e de minha experiência no doutorado sanduíche realizado na Itália, oriento-me agora para o estudo específico sobre o cinema noir italiano e suas potencialidades de sequência, através do que pode se compreender como cinema neonoir italiano.

A partir da proposição de análise de filmes representativos do cinema noir e neonoir italianos, avalia-se a presença do hedonismo nesse gênero primordial e em sua sequência. Identifica-se o elemento femme fatale como o principal ponto de apoio para a análise de tais obras. Estabelecido esse recorte, busca-se especificamente: analisar como as abordagens concernentes ao hedonismo e à femme fatale se apresentam em cada época, no contexto de realização italiano; verificar como se caracteriza o cinema italiano noir e neonoir em suas principais particularidades; e apontar os principais contributos do cinema italiano para o gênero noir, tendo em vista também o contexto do neorrealismo italiano e sua influência.

Os objetivos do trabalho são investigados através da orientação metodológica da análise fílmica. Para amparar essa metodologia, são utilizados principalmente os autores Jacques Aumont e Michel Marie (2004), e Francis Vanoye e Anne Goliot-Lété (1994). Apesar da necessidade de alguns títulos emblemáticos para o gênero nortearem a análise, exemplificando-se como prováveis os filmes Processo alla città (Luigi Zampa, 1952), Aquele caso maldito (Un maledetto imbroglio - Pietro Germi, 1959), Milano calibro 9 (Fernando Di Leo, 1972), Ligações Perigosas (Romanzo criminale - Michele Placido, 2005) e Vallanzasca: gli angeli del male (Michele Placido, 2010), consideram-se ainda outros filmes importantes para a sistematização do noir e neonoir italianos, mesmo que não façam parte do corpus central da análise, a fim de ampararem os principais a partir das relações de certos aspectos, estruturas, temas e detalhes pertinentes, para que se ofereça um campo de comparação mais amplo. Os filmes citados e muitos outros títulos orientados por pesquisadores italianos estão sendo verificados para que na sequência do estudo se façam as opções mais adequadas para a sistematização final e fechamento da análise.

Sobre as opções pelo hedonismo, sustentado pela figura da femme fatale, defende-se que cinema noir traz a mulher como elemento fundamental. Ainda que não lhe seja oferecido o mesmo espaço que é dado ao protagonista, as ações da primeira alteram e direcionam a trama. O cinema italiano dos anos 50 a 70 foi muito ousado, sendo, conforme Frezza (2012), fortemente portador de uma modernidade da linguagem, por isso se apresentam mais cenas de sexo, como em Aquele caso maldito, O batom (Il rossetto – Damiano Damiani, 1960), Milano calibro 9, e La donna della domenica (Luigi Comencini – 1975). Considerando-se, evidentemente, algumas especificidades do cinema noir italiano e sua sequência como neonoir também em relação aos períodos que os destacam, é a figura da femme fatale que sustenta prioritariamente as alusões à beleza e ao sexo, como elementos que reportam ao hedonismo, tão característico desse cinema.

A avaliação do cinema noir pela perspectiva do hedonismo provoca a reflexão sobre o noir de um ponto de vista inovador. Tal entendimento parte da constatação de que o gênero vem sendo prioritariamente avaliado destacando-se o crime e a morte, com consequente valorização do suspense e da angústia. Ainda que geralmente se considere a femme fatale como elemento também característico desse gênero cinematográfico na maioria das críticas e análises a seu respeito, a perspectiva hedonista, decorrente principalmente desse elemento, normalmente não é explorada com destaque.
Bibliografia

AUMONT, Jacques; MARIE, Michel. A análise do filme. Lisboa: Texto e Grafia, 2004.

DENUNZIO, Fabrizio. American Mabuse: il noir americano tra cinema e letteratura popolare. In: FREZZA, Luigi. Fino all’ultimo film: L'evoluzione dei generi del cinema. Roma: Riuniti, 2001.

BORDE, Raymond; CHAUMETON, Etienne. Panorama del cine negro. Buenos Aires: Ediciones Losange, 1958.

FREZZA, Luigi. Cinema noir e neonoir: depoimento [16 de maio, 2012]. Fisciano. Entrevista concedida a Alexandre Augusti.

HEREDERO, Carlos F.; SANTAMARINA, Antônio. El cine negro: maduración y crisis de la escritura clásica. Barcelona: Paidós, 1996.

La Porta, Filippo. La nuova narrativa italiana: travestimenti e stili di fine secolo. Torino: Bollati Boringhieri, 1999.

SILVER, Alain; URSINI, James. Film noir. Lisboa: Taschen, 2004.

PETRONIO, Giuseppe. Sulle tracce del giallo. Roma: Gamberetti Editrice, 2000.

VANOYE, Francis; GOLIOT-LÉTÉ, Anne. Ensaio sobre a análise fílmica. Campinas: Papirus, 1994.