Voltar para a lista
 
  Título
Cinema de atração e Publicidade – a experiência do espectador
Autor
Guilherme Bento de Faria Lima
Resumo Expandido
Este artigo é parte inicial da pesquisa de Doutorado que visa investigar e problematizar a utilização das imagens de arquivo em uma perspectiva publicitária. A dimensão lacunar e incompleta das imagens de arquivo sendo pensada a partir de uma lógica publicitária. A publicidade, enquanto uma estratégia de comunicação que deve ser tomada como relevante para compreender aspectos socioculturais e não deliberadamente rechaçada como uma produção audiovisual menor, sem valor estético e unicamente condicionada pelo lucro.

Desta forma, parece ser essencial buscar traçar uma historiografia da relação entre cinema e publicidade e de que maneira estas duas propostas estéticas estabelecem correlações e convergências desde o surgimento do primeiro cinema. Os diálogos e possíveis pontos de contato entre estas duas perspectivas audiovisuais.

Através de diferentes fontes – relatos, depoimentos, trechos de jornais, textos historiográficos, artigos de outros pesquisadores e imagens – será desenvolvido um esquadrinhamento por rastros, por pistas, por resquícios, reminiscências de um passado audiovisual que geralmente fica de fora dos compêndios cinematográficos. Fragmentos esquecidos no tempo, raramente exibidos, pouco visualizados e que quando mencionados como parte da produção dos primeiros diretores são relacionadas como obras menores sem muita relevância, tanto para o realizador, quanto para o espectador.

É possível observar no cenário contemporâneo vários diretores de cinema que começaram sua carreira na publicidade e, muitas vezes, carregam consigo traços muito característicos da estética publicitária observada na televisão e na internet. Este cinema da era da publicidade, como aponta Serge Daney, influencia e molda um determinado modo de espectatorialidade. Entretanto, seria intenção dos primeiros diretores imobilizar o espectador/consumidor diante de uma imagem emblemática? Quais eram as questões que estavam em jogo naquele primeiro momento?

Neste sentido, a proposta é retomar a definição de Tom Gunning acerca do cinema de atração e desenvolver uma análise estética comparativa entre os filmes publicitários realizados pelos irmãos Lumiére, por Thomas Edison e por Georges Méliès. Qual seria a concepção de cada um destes realizadores em relação à publicidade? De que maneira estas produções publicitárias eram recebidas pelos espectadores da época? Quais foram as consequências desta convergência?
Bibliografia

COVALESKI, Rogério. Cinema e Publicidade – intertextos e hibridismos. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2015.

COWAN, Michael. Absolute Advertising: Walter Ruttmann and the Weimar Advertising Film. Cinema Journal 52:4 (2013), 49-73.

DANEY, Serge. A rampa. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

MERLO, Kristen. Advertising the American Dream (2007). Volume 15 - 2007. Paper 8.

GUNNING, Tom. The Cinema of Attractions: Early Film, Its Spectator and the Avant-Garde. Wide Angle, v. 8, n. 3-4, outono 1986.

LINS, Consuelo, GERVAISEAU, Henri e FRANÇA, Andréa. O cinema como abertura para o mundo – Introdução ao pensamento de Serge Daney. Revista Cinemais.

RIBARIC, Marcelo Eduardo. Publicidade Audiovisual e Cinema: A arte publicitária do entretenimento. 9º Encontro Nacional de História da Mídia.

STAIGER, Janet. Announcing Wares, Winning Patrons, Voicing Ideals: Thinking about the History and Theory of Film Advertising. Cinema Journal, 29:3 (1990), 3-31.