Voltar para a lista
 
  Título
Permanência, luto e elaboração em Orestes: uma proposição histórica
Autor
Cláudia Cardoso Mesquita
Resumo Expandido
Se o Brasil "nunca foi um país", mas uma "fenda", na expressão de Safatle (2016), como elaborar, no cinema, uma narrativa comum a respeito de nossa história recente? Tendo como norte essa indagação, propomos examinar Orestes (2015), filme que tematiza, entre outros aspectos, a memória das vítimas e o não-julgamento dos crimes da ditadura militar (1964-1985). No país em que se impôs uma “norma de recalque”, “acintosa a qualquer ordem de democracia efetiva” , como escreveu Thales Ab’Sáber (2013), em que uma mínima Comissão da Verdade só veio a ser instaurada mais de 30 anos após a Lei da Anistia (1979), um dos méritos indiscutíveis do filme é buscar elaborar um dilema histórico que nos faz (como uma "ferida aberta", na expressão freudiana).

Dizer isso, entretanto, é ainda pouco. O interesse do terceiro longa de Rodrigo Siqueira não se limita a seu conteúdo temático. A recuperação da memória, no filme, é feita através de apostas arriscadas, que não trivializam nem harmonizam, no presente, a história política recente - justamente porque se põem a pensar o legado da ditadura como força bem viva entre nós. Todo o trabalho de Orestes parece visar encontrar formas para tornar visíveis permanências e ressurgências, encarnando-as em cena e, assim, urdir os liames entre passado e presente: entre crimes da ditadura e violência policial hoje, entre traumas históricos e sintomas sociais atuais, entre a ausência de um trabalho de memória e de luto efetivos e as contradições e aporias da sociedade brasileira.

Mesmo reconhecendo a importância, no filme, da memória de Soledad (militante traída por Cabo Anselmo, agente da ditadura infiltrado na luta armada, e morta pela repressão em 1973), acreditamos que Orestes parta mais de uma hipótese ou intuição sobre a história (no sentido de uma proposição a testar), do que do desejo de documentar qualquer “objeto” histórico prévio. Pondo em relação materiais heterogêneos, não se trata de mais um documentário sobre a ditadura militar no Brasil, não exclusivamente. Orestes instaura uma espécie de "laboratório de elaboração": Cada parte do filme parece desdobrar uma camada nova, que privilegia uma forma inédita de abordagem e experimento com a matéria histórica que mobiliza.

Ao aproximar dois momentos de nossa história, e relacioná-los à trilogia de Ésquilo (Agamemnon, Coéforas e Euménides), o filme parece visar especialmente a ação do Estado e a justiça. Passados 30 anos do final da ditadura, não houve reparação, tampouco “restauração”: "tudo o que conseguimos produzir até agora foi uma democracia corrompida", escreveu Safatle (2016), na qual o próprio Estado atua acima da lei. Como ouvimos nas histórias das vítimas reunidas pelo filme, as fraturas sociais repercutem diretamente em práticas policiais que criminalizam e condenam à morte negros e pobres. Orestes trabalha o horizonte de um processo civilizatório truncado e incompleto, como se estivéssemos aquém da tragédia, aquém do compromisso, da sublimação e do tratamento simbólico da violência que a Oresteia encena como rito de entrada na lei, na polis, na justiça formal.

Assim, uma espécie de hipótese da permanência (do passado no presente), sequela de um trabalho de luto incompleto ou por fazer, norteia a proposição de diferentes estratégias de abordagem. Merece destaque a criação de um dispositivo, no qual se abraça um trabalho explícito de elaboração em ato: convidadas pela equipe, algumas pessoas participam de interações e sessões de psicodrama, em dois espaços desativados (o Doi-Codi e o Teatro TAIB). Nesses jogos, interagem sujeitos marcados pela violência (da ditadura ou da polícia hoje), e o filme parece visar encarnações, em cena, dos problemas gerais que abarca. Uma tal estética da elaboração é coerente com a matéria histórica que se elabora: fragmentária, traumática, falsificada nas narrativas oficiais, disputada e sofrida no presente. Buscaremos esmiuçar a proposição histórica que Orestes, pela via de suas escolhas, nos apresenta.
Bibliografia

AB´SÁBER, Thales. "Cabra marcado para morrer, cinema e democracia”. iN OHATA, Milton (org). Eduardo Coutinho. São Paulo: Cosac & Naify, 2013.

FREUD, Sigmund. Luto e melancolia. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

SAFATLE, Vladimir. Um golpe e nada mais. IN Folha de São Paulo, 25/03/2016. Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/colunas/vladimirsafatle/2016/03/1753928-um-golpe-e-nada-mais.shtml