Voltar para a lista
 
  Título
Mulheres de Almodóvar- Uma análise da representação feminina em Volver
Autor
Monique Carneiro Aguiar
Resumo Expandido
Nos últimos cinquenta anos a posição da mulher na sociedade mudou significativamente. Porém, não se pode dizer o mesmo em relação a sua representação cinematográfica. Uma pesquisa realizada em 2014 pelo Greena Davis Institute on Gender in Media (SMITH, 2014) estudou 120 produções de 11 diferentes países e apontou que apenas pouco mais de 30% dos personagens contabilizados são do gênero feminino e apenas 23% são protagonistas ou co-protagonistas mulheres. Outro levantamento, realizado no Centro de Estudos para Mulheres na Televisão e no Cinema da Universidade de San Diego (LAUZEN, 2014), mostrou que apenas 15% dos líderes de bilheteria de 2013 tinham tramas com mulheres como protagonistas. Além de demonstrar o pouco espaço ainda dedicado à personagens femininas, estas pesquisas apontam que a sexualização, estereotipagem e secundarização de personagens femininas se mantêm recorrentes na grande tela.



Em contraste com este cenário, o diretor-autor espanhol Pedro Almodóvar sugere novas formas de representação, e dedica à personagens femininas um enorme espaço em suas obras. Dos vinte longas-metragens produzidos em sua carreira, não apenas dezoito tem mulheres como protagonistas ou co-protagonistas, como em alguns deles é possível destacar que todo o núcleo principal é composto por personagens femininas - como ocorre em Tudo Sobre Minha Mãe (1999) e Volver (2006), por exemplo. Além disso, mais do que apenas pelo grande número de personagens, Almodóvar se destaca por dar real protagonismo a estas. Unindo influências que vão desde o melodrama até o neorrealismo italiano, e sem recorrer as idealizações comumente propostas por Hollywood, o diretor constrói personagens fortes e independentes que, funcionando como motor da ação, são apresentadas em muito mais facetas que apenas a sua sexualidade.



Desta forma, este trabalho tem como objetivo realizar uma análise do longa metragem Volver (2006), dirigido pelo cineasta espanhol, a fim de analisar a representação feminina no mesmo e, estabelecendo ligações com outras obras do autor, investigar como Almodóvar constrói suas personagens femininas e os lugares dados a elas na narrativa. Produzido naquela que é considerada a fase madura do diretor, e considerado uma de suas obras primas, Volver (2006) oferece uma grande variedade de personagens femininas para análise - sete papéis que vão desde a protagonista Raimunda e sua amiga prostituta até a idosa, e já um tanto senil, Tia Paula - permitindo um olhar alargado sobre a criação do autor. Ademais, o filme reúne a maior parte das marcas autorais do diretor, o que permite que o mesmo sirva como uma boa amostra do trabalho de Almodóvar e, em especial, de sua fase madura.



Para realizar esta investigação iremos nos valer de uma metodologia híbrida, que utiliza as ferramentas da análise fílmica (AUMONT; MARIE, BORDWELL,:THOMPSON) não apenas para investigar como estas personagens são formalmente construídas, mas também a presença ou não, na obra, de alguns dos problemas levantados pelas Teorias Feministas do Cinema, em especial aqueles propostos por Laura Mulvey em Prazer Visual e Cinema Narrativo (1983).



Pretendemos averiguar se algumas das críticas apresentadas pela pesquisadora britânica em relação a representação feminina em Hollywood - como a utilização de modelos sociais preestabelecidos na construção da fascinação cinematográfica, a colocação das personagens femininas em um lugar passivo na narrativa e a manipulação da imagem feminina para o prazer visual - estão presentes ou não na construção das personagens de Volver (2006), buscando assim melhor compreender o tipo de representação feminina proposta pelo cineasta. Porém, ao invés de voltarmos nossa análise para a instância da recepção e nos utilizarmos de um olhar mais psicanalítico, como propõe Mulvey em seu artigo (1983), propomos buscar estas respostas através do estudo da forma fílmica, analisando sua construção narrativa, seus enquadramentos, seus jogos de câmera.
Bibliografia

AUMONT, Jacques; MARIE, Michel. A análise do filme. Lisboa: Texto & Grafia, 2009.



BORDWELL, David; THOMPSON, Kristin. Film art: An introduction. New York: McGraw-Hill, 1997.



KAPLAN, Ann. A mulher e o cinema: Os dois lados da câmera. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.



LAUZEN, Martha. It's a man's (celluloid) world: On-screen representations of female characters in the top 100 films of 2013, 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 Maio, 2016.



MULVEY, Laura. Prazer visual e cinema narrativo. In.: XAVIER, Ismail (Ed.). A experiência do cinema: antologia. Graal, 1983.



SMITH, Stacy. Gender Bias Without Borders: an investigation of female characters in popular films across 11 countries. Annernger School for Communication & Journalism, University of Southern Califórnia, Los Angeles, 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 Maio, 2016