Voltar para a lista
 
  Título
“Blokada”: ruínas, imagens e espaço sonoro
Autor
João Lanari Bo
Resumo Expandido
A Segunda Guerra Mundial levou ao paroxismo situações de violência, como é sabido. O cinema e os demais suportes audiovisuais tem se encarregado de expor as possibilidades dramáticas e o repertório gráfico das imagens desse grande trauma histórico, que parecem não ter fim. Ficção, documentário, imagens de arquivo: um excesso de informação, que configura uma espécie de sintoma coletivo e compartilhado. As imagens dizem muito, mas o cerne da violência, o sofrimento de homens e mulheres, crianças e idosos, é incomensurável e inenarrável. O sintoma apenas exterioriza o problema emocional ou mental, já dizia Freud.

Talvez um dos episódios mais patéticos da Segunda Guerra seja o bloqueio à cidade de Leningrado. De outubro de 1941 a janeiro de 1944, foram cerca 870 dias de cerco quase integral, que levou à morte mais de um milhão de pessoas, um terço da população. A maioria morreu de frio, fome e doenças, como tifo, escarlatina e icterícia; muitos pereceram nos bombardeios.

Não faltam livros, filmes, documentários, enfim, registros dessa verdadeira epopeia. A exemplo do que ocorre em eventos igualmente comoventes, sua exteriorização por meio dos artefatos culturais é dolorosa e lenta, conformada a manipulações e chantagens. No caso em tela, em plena União Soviética stalinista, ao difícil processo do ponto de vista psicossocial agrega-se uma cruel distorção dos fatos. Após a “glasnot” implementada por Gorbachev e a queda do muro de Berlim, a revisitação histórica adquiriu novos horizontes, sujeita, não obstante, às vicissitudes do processo político da Rússia contemporânea, pós-guerra fria. O atual atrito entre a Rússia e a Ucrânia, a partir do estabelecimento da autodeclarada “República da Criméia” e a sua “absorção” pela Federação Russa, em 18 de março de 2014, dá uma medida da permanência de variáveis complexas nesse ambiente. É no cenário de fragmentação da antiga URSS que Sergei Loznitsa, nascido em 1964 na Bielorrússia e educado na Ucrânia, completou sua formação de diretor de cinema.

O média-metragem “Blokada”, o foco dessa apresentação, surge inserido nesse cenário. À primeira vista, funciona como projeto de cicatrização histórica: o estranhamento da trilha sonora, entretanto, concorre para uma desestabilização do projeto.

Loznitsa trilhou um percurso pouco usual, depois de graduar-se em engenharia e matemática e atuar como pesquisador de inteligência artificial em Moscou. Em 1991 – em plena “perestroyka” - inscreveu-se no Instituto Gerasimov de Cinema, em Moscou. Seu primeiro filme, “Today we are going to build a house”, foi realizado em 1996. “Blokada” (“Blokade” em inglês), finalizado em 2005, deu a Loznitsa o prêmio de melhor documentário russo do ano. A reputação internacional foi consolidada com os longas de ficção “My joy” (Minha felicidade, 2010) e “In the fog” (Na neblina, 2012). Sua obra conta ainda com vários curtas e média-metragens, além de participação em filme de episódios (“Ponts de Sarajevo”, de 2014).

“Blokada” é um exercício de 52 minutos sobre o bloqueio de Leningrado, feito exclusivamente com material de arquivo, quase todo de “newsreel” (cinejornal), sem narração e/ou entrevistas, com pista de ruídos naturais construída de modo inteiramente artificial, em estúdio.

A especificidade de “Blokada” no que tange à disponibilização de imagens de arquivo com a trilha de ruídos artificial, elaborada de uma forma absolutamente original, recriou um espaço-tempo cinematográfico lá onde não havia mais do que escombros, físicos e/ou impressos no celuloide. Ademais, cabe uma aproximação do “objeto documental” como uma “virtualização/atualização de determinadas indagações” (REZENDE, 2011). Ao fim, um diálogo com outros filmes de Loznitsa, como “Revue” (2008), construído também com imagens de cinejornal da antiga URSS, e, sobretudo, “Maidan” (2014), impressionante e rigoroso documento sobre a “Revolução Euromaidan”, ou, traduzindo do ucraniano, “Revolução da Dignidade”.
Bibliografia

YOUNGBLOOD, Denise. A Chronicle of our time: Serguei Loznitsa “The Blokade” (2006). The Russian Review 66 (October 2007), pags. 693-98.

REZENDE, Luiz Augusto. Microfísica do Documentário – ensaio sobre criação e ontologia do documentário. Rio de Janeiro, 2013, Azougue Editora e eventos

MOYNAHAN, Brian. Leningrad – Siege and Symphony. Grã-Bretanha, 2013, Quercus Edtions.

WILLIAMS, Paul. The status of Found Footage. Spectator volume 20 n. 1, Fall 1999/Winter 2000, pp. 57-69 (acesso em janeiro de 2015)

NICHOLS, Bill: History, Myth, and Narrative in Documentary. Film Quarterly, Vol. 41, No. 1 (Autumn, 1987), pp. 9-20, University of California Press (acesso em janeiro de 2015)

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Depois de 1945: Latência como origem do presente. São Paulo, 2014, Editora UNESP

LAURENT, Natacha. L’œil du Kremlin - Cinéma et censure en URSS sous Staline. Toulouse, 2000, Editions Privat.

CHION, Michel. The voice in cinema. New York, 1999, Columbia University Press.