Voltar para a lista
 
  Título
Gestão de pessoas em estúdios de animação brasileiros
Autor
MARTA CORREA MACHADO
Resumo Expandido
Este trabalho é uma investigação qualitativa exploratória e descritiva das práticas de gestão de pessoas em ambientes da indústria criativa brasileira, mais especificamente estúdios de animação. Foram conduzidas entrevistas ao longo dos anos de 2011 e 2012 em quatro ambientes produtivos de animação. Dois deles estão situados no Rio de Janeiro e dois em São Paulo - os maiores centros produtivos de animação do Brasil. A escolha dos quatro estúdios foi norteada pelo esforço de abarcar alguma das variantes que existem nessas empresas no Brasil. Constatou-se que as práticas de gestão de pessoas nesse setor ainda são bastante incipientes, recebendo pouca atenção dos gestores, que contam, em geral, com um corpo administrativo insuficiente para atender às diversas questões associadas ao gerenciamento dessas organizações, inclusive àquelas ligadas aos recursos humanos. A necessidade de uma relação maior com o conteúdo e de interferência criativa no resultado final aparece como características que diferenciam os trabalhadores desse setor de outros ramos da economia. A partir do discurso dos colaboradores entrevistados, é possível perceber que o espaço ocupado por eles dentro das organizações é considerado, de forma geral, de grande autonomia criativa, o que os motiva a seguir investindo ativamente na consolidação dessa indústria. Foram encontrados indícios que confirmam uma tendência apontada na literatura em relação a outros segmentos da indústria criativa: os trabalhadores de animação consideram a recompensa financeira menos importante que a realização artística e o reconhecimento social.

As empresas avaliadas nesse estudo eram todas de pequeno porte e confirmaram a literatura sobre gestão de pessoas em organizações desse escopo que indica a valorização do clima familiar, da informalidade, do espaço para interferência e da proximidade entre gestores e colaboradores como características positivas. Como contraponto negativo foram apontadas a ausência de benefícios trabalhistas, a incerteza quanto ao futuro da organização e do profissional dentro dessa estrutura e a falta de maior especialização do trabalho.

Sobre as práticas de gestão de pessoas adotadas, foi possível perceber que estas ainda são bastante pontuais e básicas, carecendo de um desenvolvimento maior para que se tornem um elemento estratégico para as organizações. Há um reconhecimento por parte dos gestores do papel chave das pessoas nesse tipo de negócio, mas não há uma compreensão de que a boa gestão desses profissionais pode colaborar para sua motivação e retenção, melhorando a qualidade dos trabalhos executados. A sensibilização dos empresários do setor de animação para a importância da gestão de recursos humanos profissionalizada deveria fazer parte de qualquer programa que pretenda incentivar o crescimento e a consolidação dessa indústria no Brasil. Vários gestores entrevistados demonstram cultivar uma visão de que ser um “artista” é positivo, enquanto ser “administrador” é negativo, ou apenas uma função delegada aos que não tem talento suficiente. A motivação individual intrínseca dos colaboradores do setor parece um aspecto levantado nesta pesquisa que merece aprofundamento em estudos futuros. Essa característica do setor fez com que a animação brasileira chegasse até o ponto de desenvolvimento que se encontra, produzindo seus conteúdos apesar da ausência de uma estrutura empresarial que a sustentasse. Essa indústria precisa associar essa motivação natural à instrumentalização gerencial de seus membros para dar o salto que tornará o produto gerado nesse sistema algo competitivo e comercializável em várias partes do mundo. É preciso construir essa transição com muito cuidado para não esbarrar no perigo que Eikhof e Haunschild (2007) apontam: de que a prática comercial se sobreponha à prática artística, matando justamente o recurso fundamental desse setor e que tanto motiva seus atores: o exercício da criatividade.
Bibliografia

BENDAZZI, G. Cartoons: One Hundred Years of Cinema Animation. London: John Libbey & Co. Ltd, 1994.

CARDON, M.S. & STEVENS, C.E. Managing human resources in small organizations: What do we know? Human Resource Management Review, v. 14, pp. 295-323, 2004.

COLE, A. Distant Neighbours: The New Geography of Animated Film Production in Europe. Regional Studies, v.42, n.6, pp.891-904, 2008.

EIKHOF, D.R.; HAUNSCHILD, A. For art's sake! Artistic and economic logics in creative production. Journal of Organizational Behavior, v. 28, pp. 523-538, 2007.

HOWKINS, J. The Creative Economy: How People Make Money From Ideas. Londres: Penguin, 2002.

MORENO, Antônio. A Experiência Brasileira no Cinema de Animação. Rio de Janeiro: Editora Artenova, 1978.

SCHUMACHER, E.F. Small is beautiful. Londres: Blond & Briggs Ltd. 1973.

WILKINSON, A. Employment Relations in SME. Employee Relations, vol.21, n. 3, pp. 206-217, 1999.

WINDER, C. & DOWLATABADI, Z. Producing Animation. Boston: Focal Press, 2001.