Voltar para a lista
 
  Título
Brasil em Tempo de Cinema como método da crítica de cinema engajada
Autor
Margarida Maria Adamatti
Resumo Expandido
Então assistente de Paulo Emilio Salles Gomes na Universidade de Brasília, Jean-Claude Bernardet foi impedido de defender sua dissertação, quando os militares invadiram o campus em 1965. Dois anos depois, a obra foi publicada e se tornou a primeira análise de peso sobre o Cinema Novo, com um título tomado de empréstimo a Cacá Diegues. Brasil em Tempo de Cinema abriu uma polêmica no meio cinematográfico quando questionou a noção de cinema popular do Cinema Novo. Enquanto alguns realizadores ainda viam-se como intermediários autênticos da cultura do povo, Bernardet observava a inexistência de um cinema popular no Brasil e contestava o papel de vanguarda dos cineastas como representantes dessa cultura. Em síntese, Brasil em Tempo de Cinema foi obra pioneira de crítica à cultura do nacional popular (Xavier, 2009), muito tempo antes da consolidação desse debate no meio cultural.

Sem discriminar a produção brasileira por um critério de gênero ou autoral, o livro de Bernardet examinou a filmografia nacional como um todo orgânico e como resultado de um trabalho coletivo. Longe de frisar a trajetória individual dos cineastas, a pesquisa estava em conjunção com a voga do estruturalismo (Dosse, 1993). Como método de trabalho, Bernardet utilizava formas de análise da literatura e da composição dos personagens para estabelecer comparações entre a estrutura fílmica e a social. Havia uma vontade de intervir no debate, que tem relação direta com o ambiente cultural daqueles anos. Vendo as obras como um produto da história, o interesse incidia não só na análise fílmica, mas também na recepção do público para revelar a ideologia objetiva dos filmes (Eagleton, 2011, Coutinho, 1968).

A importância do livro mede-se também pela influência junto aos realizadores e aos críticos de cinema. Durante o Festival É tudo verdade, o cineasta Eduardo Coutinho contou que algumas características de Cabra marcado para morrer (1984) surgiram em resposta às questões colocadas pelos textos de Bernardet. Desde Brasil em Tempo de Cinema, os artigos do crítico o provocavam o tempo inteiro. Também Arnaldo Jabor em conversa reservada, comentou com Bernardet que ele havia visto aspectos despercebidos pelo próprio cineasta de Opinião Pública (1966). Essas declarações dão uma pequena dimensão do quanto Brasil em Tempo de Cinema tornou-se um importante parâmetro para os realizadores brasileiros.

Em pouco tempo, o livro tornou-se peça importante na trajetória de uma geração de críticos. O escritor José Arrabal, famoso por inaugurar a crítica à cultura do nacional popular na cobertura teatral dos anos setenta, teve em Brasil em Tempo de Cinema sua inspiração enquanto método de análise. Em entrevista à autora, o jornalista e crítico Clóvis Marques considerou a obra uma peça fundamental não só para sua trajetória, mas como uma espécie de clarão para a crítica de cinema brasileira dessa época.

Parte desse clarão vinha do diálogo e da articulação com a sociologia das visões de mundo e com a crítica materialista, a partir das quais Bernardet criava um método de estudo ao cinema brasileiro. Quase dez anos depois, o ápice desse trabalho era realizado no jornal alternativo Opinião, onde o crítico aprofundava seus parâmetros de análise. A proposta da comunicação é recompor a metodologia criada por Jean-Claude Bernardet e demonstrar como os demais articulistas utilizavam o livro em seus artigos.
Bibliografia

BARTHES, Roland. Mitologias. Rio de Janeiro: Difel, 2003.

BERNARDET, Jean-Claude. Brasil em tempo de cinema. São Paulo: Cia das Letras, 2007.

BERNARDET, Jean-Claude; GALVÃO, Maria Rita. Cinema: repercussões em caixa de eco ideológica – as ideias de “nacional” e “popular” no pensamento cinematográfico brasileiro. São Paulo: Brasiliense, 1983.

COUTINHO, Afrânio. Crítica e poética. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1968.

DOSSE, François. História do estruturalismo – campo do signo – 1945/1966. São Paulo: Ensaio; Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1993 [1991]. v. 1.

EAGLETON, Terry. Marxismo e crítica literária. São Paulo: Unesp, 2011.

NAPOLITANO, Marcos. Coração civil: arte, resistência e lutas culturais durante o regime militar brasileiro (1964-1980). Tese de Livre-Docência, FFLCH/USP, 2011.

XAVIER, Ismail; MENDES, Adilson (org.). Ismail Xavier/Encontros. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2009.