Voltar para a lista
 
  Título
Verdade, Engano e Ética no cinema de Brian De Palma
Autor
Matheus Cartaxo Domingues
Resumo Expandido
Brian De Palma é considerado um dos principais cineastas americanos da geração dos anos 1970. Ao longo das décadas, a sua filmografia já foi analisada sob diversas ótica, que incluem a sua relação com a história do cinema, evidenciando seu aspecto maneirista, o seu trabalho de revisatação dos gêneros cinematográficos, as investigações empreendidas nela a respeito da credibilidade das imagens ou também acerca da proliferação dessas imagens através das novas tecnologias na contemporaneidade. A transformação da experiência fílmica em um trabalho intelectual através da reflexividade é característica de De Palma. Esta pesquisa não tem por objetivo negar a pertinência das análises que consideram esse aspecto, no entanto propõe-se outra abordagem: com base nos conceitos de verdade, engano e ética, pretende-se analisar o fundo dramatúrgico dos seus filmes tal como a implicação desses temas na organização da mise en scène das jornadas trágico-dramáticas dos seus heróis.



Os filmes de De Palma se dividem em pelo menos três grupos: os que incluem personagens que após travarem contato com uma verdade factual sentem-se na obrigação moral de revelá-la ao mundo exterior (Um Tiro na Noite, Pecados de Guerra); os filmes cuja própria construção cinematográfica os assemelha a quebra-cabeças a fim de refletir a angústia dos personagens em viver no engano devido à dificuldade de acessar a verdade completa dos fatos (Dublê de Corpo, Femme Fatale); por fim, os casos em que a trajetória ética dos personagens se delineia pela relação deles com uma verdade interior que tanto pode guiá-los para o bem como para o mal (Scarface, O Pagamento Final). Essa divisão não é exaustiva: os três grupos se interpenetram e há filmes que não estão incluídos neles, fazendo com que a temática da verdade adquira novas matizes de acordo com a mise en scène estabelecida em cada caso, necessitando haver uma análise que considere, ao mesmo tempo, os aspectos teóricos e estilísticos desenvolvidos.



Este estudo sobre Brian De Palma estará baseado em uma disciplina dos estudos de cinema: a Análise Fílmica. O que se pretende realizar enquadra-se no que Bordwell (2004) chama de "pesquisa nível-médio": por meio da observação empírica do corpus, serão desenvolvidas reflexões teóricas. No caso, será analisada a abordagem da tríade verdade/engano/ética na construção dos vários aspectos da mise en scène dos filmes. O trabalho, portanto, será desenvolvido através de uma perspectiva interdisciplinar, de modo a considerar, além da teoria do cinema, as contribuições, em especial, da filosofia, em cujo cerne está temas que aqui interessam. Será indispensável realizar uma revisão bibliográfica de autores que se detiveram sobre os temas em questão sob diferentes óticas: a lógica, a semiótica, a fenomenologia.



Ao mesmo tempo em que se desenvolve a pesquisa de cunho teórico, será realizada a revisão do corpus, a princípio definido como toda a filmografia do cineasta, a qual, hoje, conta com 29 longas-metragens. À medida que a pesquisa avançar, o corpus será reduzido aos filmes considerados mais significativos e relevantes neste estudo. O conhecimento teórico adquirido será acompanhado de uma análise que considere o que existe no interior dos filmes, as estruturas imanentes à obra (Aumont & Marie, 2004), isto é, elementos como montagem, uso de lentes, enquadramentos, roteiro, espaço fora-de-campo, a fim de saber como a temática estudada é desenvolvida no processo de construção de sentido dos filmes.



Como dissemos anteriormente, Brian De Palma é um dos principais nomes de uma geração que apresentou ao mundo nomes como Martin Scorsese, Francis Ford Coppola, Steven Spielberg. Não é possível estudá-lo sem considerar a variedade de publicações já desenvolvidas a seu respeito, por isso também será realizado um trabalho de pesquisa em torno da fortuna crítica que o cerca. Espera-se contribuir com a sistematização do conhecimento sobre este importante cineasta da cinematografia mundial.
Bibliografia

ARISTÓTELES. Metafísica. Coimbra: Atlântida, 1949.

AUMONT, Jacques & MARIE, Michel. A Análise do Filme. Lisboa: Edições Texto & Grafia Ltda, 2004.

BORDWELL, David. Estudos de Cinema Hoje e as Vicissitudes da Grande Teoria. In: RAMOS, Fernão Pessoa. Teoria Contemporânea do Cinema. Volume 1. Pós-estruturalismo e filosofia analítica. São Paulo: Editora SESC São Paulo, 2004.

DELORME, Stephane. "D'une esthétique maniériste". Au hasard Balthazar, n. 2, maio, 1997.

FURROW, Dwight. Ética: conceitos-chave em filosofia. Porto Alegre: Artmed, 2007.

FURTADO, Filipe. "Contos pornográficos de um cineasta underground" in Brian DePalma: 24 mentiras por segundo. Curitiba: Caixa Cultural, 2014.

MARÍAS, Julian. Tratado Sobre a Convivência. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

OLIVEIRA JR., Luiz Carlos. "Quando Hollywood quis fazer da exceção sua regra" in Easy Riders: o cinema da Nova Hollywood. São Paulo: Centro Cultural Banco do Brasil, 2015.