Voltar para a lista
 
  Título
SIMULAÇÕES DE UMA PERFORMANCE.
Autor
Ândrea Cristina Sulzbach
Resumo Expandido
A produção da cena teatral contemporânea se intensificou a partir do período de 1960, com o estabelecimento da performance arte enquanto linguagem artística. Esta última apresenta-se como um movimento de ruptura com formas e linguagens mais estabelecidas. Renato Cohen define a performance arte como uma ‘babel’ das artes que “não se origina de uma migração de artistas que não encontram espaço nas suas linguagens, mas, pelo contrário, é gerada da busca intensa de uma arte integrativa, uma arte total, que escape das delimitações disciplinares” (COHEN, 2011, p.50). Nesse sentido, a produção teatral começa a ser articulada sob o viés desse pensamento performativo de ações que não mais se limitam a uma determinada linguagem, mas que se hibridizam para compor a obra de arte.

Essa linha de pensamento cria rupturas dentro das Artes Cênicas, tanto no que concerne a linguagem como em seu ambiente de atuação, saindo do interior dos teatros e se apropriando de lugares públicos, museus, ruas e até hospitais que, ao serem ocupados, se tornam novos palcos.

Esse modo de se construir a arquitetura cênica atinge também o cinema que interage com esses novos elementos formais. A proposta da presente pesquisa é identificar e apontar os mais recentes elementos que surgiram não somente como ruptura no espetáculo teatral, mas que também foram absorvidos pelo cinema.

A linguagem cinematográfica originou-se a partir de elementos do teatro, para depois afastar-se dele construindo sua própria linguagem. Recentemente diversos diretores hibridizaram essas duas artes, tecendo um diálogo entre o cinema e o teatro. A hibridização se tornou uma característica bastante comum na chamada arte pós-moderna, que através da intertextualidade rompe com as fronteiras estabelecidas até então entre as linguagens artísticas.

Essa ruptura teve início na Vanguarda Europeia, com o Futurismo e Dadaísmo seguida da Bauhaus alemã, em que temos na figura de Oskar Schlemmer seu maior representante. Pretendo apontar, na presente pesquisa, as principais características da performance e suas impressões deixadas na arte contemporânea, entre elas, o conceito de simulacro, termo difundido por Jean Baudrillard (1929-2007), o qual através de uma hiper-realidade proporciona novas impressões artísticas.
Bibliografia

________, Jacques. O cinema e a encenação. Lisboa: Edições Textos e Grafia, 2008.

BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e Simulação. Lisboa: Relógio d’Água Editores, Col Antropos, 1991.

BAZIN, André. O cinema: ensaios. São Paulo: Brasiliense, 1991.

BORDWELL, David. Figuras traçadas na luz: a encenação no cinema. Papirus editora, 2005.

COHEN, Renato. Performance como linguagem. São Paulo: Perspectiva, 2011.

FÉRAL, Jossete. (2008). Entre performance et théâtralité: le théâtre performatif. Théâtre/Public. N 190, 2008.

FERNANDES, Silvia. Teatralidades contemporâneas. São Paulo: Perspectiva:2010.

GLUSBERG, Jacó. A arte da performance. São Paulo: Perspectiva.

HALL, Stuart. Identidades Culturais na Pós-Modernidade. Editora Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

JAMESON, Frederic. (2006) A virada cultural: reflexões sobre o pós-moderno. Rio de Janeiro: civilização brasileira, 2006.

LEHMANN, Hans-Thies. Teatro pós-dramático. São Paulo: Cosac Naify, 2007.