Voltar para a lista
 
  Título
Humor e riso na TV brasileira: análise da qualidade nas sitcoms
Autor
Gabriela Borges
Resumo Expandido
Este trabalho pretende discutir as formas em que o humor e o riso se apresentam nas sitcoms da TV brasileira sob a perspectiva dos estudos da qualidade, visto que esta abordagem ainda não foi explorada pelos estudos televisivos no Brasil.

O gênero humorístico está presente na televisão brasileira desde os seus primórdios, destacando-se pelo talento dos roteiristas e dos humoristas e pela originalidade dos formatos audiovisuais apresentados na TV aberta, principalmente nos anos 1980 e 1990. Nos anos 2000 é alavancado pela TV por assinatura, com a criação de formatos seriados ficcionais que trazem uma lufada de ar fresco para o gênero, que se tornou repetitivo devido à massificação.

Para este trabalho foram selecionadas as sitcoms A diarista (2001), Sob nova direção (2004), Tapas e beijos (2011) e As canalhas (2013) e o enfoque da análise será na representação dos papéis femininos nas séries. As mulheres são protagonistas e, de certa forma, representam diferentes formas de vida e pontos de vista sobre a atuação da mulher na sociedade, seja em termos de trabalho, modos de pensar e se relacionar e de encarar a vida.

A análise da qualidade audiovisual será realizada a partir de dois parâmetros: os modos de representação e a experimentação da linguagem audiovisual. Num primeiro momento, pretendemos refletir se os modos de representação da mulher presentes na criação e no desenvolvimento das personagens promovem a reflexão sobre o papel da mulher na nossa sociedade. Isto é, indagamos se estes modos de representação afirmam ou descontróem estereótipos e lugares-comuns; criam bordões que se perpetuam; criticam os costumes e/ou fazem algum tipo de crítica social. Enfim, se contribuem para chamar a atenção para temas de interesse social, promover a diversidade em suas diversas acepções e deslocar o olhar do banal e do trivial tão comum na televisão atual. Num segundo momento, a discussão sobre a experimentação está relacionada com a utilização dos recursos técnico-expressivos característicos da linguagem audiovisual de forma inovadora e criativa. Isto é, investigamos se estas sitcoms criam propostas audiovisuais originais ou apenas reciclam formatos já existentes e também se constroem narrativas que promovem a diversidade e o debate de ideias e de pontos de vista.

Neste sentido, pretendemos problematizar o conceito de humor de qualidade na criação de formatos seriados ficcionais. Entendemos por humor de qualidade aquele que ultrapassa o riso cômico, agregando valores e levantando discussões controversas que são relevantes na sociedade atual e levam à reflexão. Com isso, temos o intuito de investigar, por um lado, se os modos de representação utilizados promovem a diversidade e ampliam o horizonte do público, não reforçando estereótipos e, por outro lado, se há alguma forma de experimentação da linguagem audiovisual.

Por fim, é importante ressaltar que este trabalho apresenta resultados de projeto de pesquisa realizado no Observatório da Qualidade no Audiovisual financiado pela Fapemig no período de 2013 a 2015.
Bibliografia

Bergson. Henri (2004). O riso. Ensaio sobre a significação da comicidade. São Paulo, Martins Fontes.

Borges, Gabriela (2014). Qualidade na TV pública portuguesa. Análise dos programas do canal 2:, Juiz de Fora, Ed. UFJF.

CARDWELL, S. (2007) Is quality television any good? Generic distinctions, evaluations and the troubling matter of critical judgement. In: MCCABE, J.; AKASS, K.(ed.). Quality TV: Contemporary American Television and Beyond. London: I.B. Tauris&Co Ltd., pp. 19-34.Fechine, Y.; Figueroa, A. (2008) Guel Arraes: um inventor no audiovisual brasileiro. Recife: CEPE.

Hutcheon, Linda (1989). Uma teoria da paródia. Lisboa, Ed. 70.

Jenkins, Henry (2006). Cultura da convergência. São Paulo, Aleph.

Machado, A. (2000) A televisão levada a sério. São Paulo: Ed. Senac.

McCabe, J.; Akass, K. (ed.). (2007) Quality TV: Contemporary American Television and Beyond. London: I.B. Tauris & Co Ltd.

Pirandello. Luigi (1996). O Humorismo. Trad. Davi Dion Machado. São Paulo, Experimento.