Voltar para a lista
 
  Título
Sensorialidades queer: câmera-corpo, háptico e produção de intimidade
Autor
Erly Milton Vieira Junior
Resumo Expandido
Um ponto comum entre os diversos estudos sobre a sensorialidade cinematográfica surgidos a partir do final dos anos 80, sejam os de matriz fenomenológica ou pós-estruturalista, está na concepção da experiência fílmica como um acontecimento que envolve a interação de corpos de três naturezas distintas: os filmados, o do espectador e o próprio filme, aqui concebido como um corpo capaz de afetar e ser afetado. Sobchack (2004) afirma que isso se dá pelo fato do cinema fazer uso de modos de existência corpóreos (visão, audição, mobilidade, produção de sensações físicas diversas), como veículo e substância de sua linguagem.

Tais estudos também apontam uma série de estratégias que alguns filmes utilizam, de modo a envolver sensivelmente e engajar o espectador em experiências sensórias dissidentes, para além do cinema hegemônico. Entre elas, está a visualidade háptica (MARKS, 2000), por exemplo, buscam instaurar uma relação de intimidade que faça confundir as distâncias entre quem vê e o que é visto, evocando uma relação mais tátil com as superfícies filmadas, em que o “roçar” (to graze) torna-se tão importante quanto o “olhar” (to gaze). Ou, no caso da escuta háptica, gerar zonas de indistinção que nublem a percepção espacial do som, instaurando perspectivas sonoras diferenciadas, permitindo conceber um espaço sonoro de intimidade extrema – convidando-nos a uma partilha irrecusável com o corpo fílmico.

Tais estratégias inscrevem, assim, essas experiências sensoriais diferenciadas na própria materialidade fílmica, ao ressignificarem elementos da linguagem audiovisual – permitindo-nos pensar a possibilidade de uma câmera-corpo, que potencialize afetivamente o encontro entre a tríplice natureza de corpos aqui mencionada. Observa-se, inclusive, um amplo uso desses procedimentos em diversas vertentes do cinema contemporâneo, tanto nos novos realismos cinematográficos surgidos a partir da década de 1990, quanto em propostas estéticas mais radicais, como o jogo entre a monocromia da tela azul e o rico desenho sonoro que permitem-nos partilhar algo da experiência corporal vivida por Derek Jarman, sob os fortíssimos efeitos colaterais do AZT e outras drogas, em seu Blue (1993) – um dos muitos trabalhos do queer cinema a experimentar a dimensão háptica no envolvimento sensório do espectador.

A recorrência dessas estratégias na filmografia queer nos faz indagar quais as formas pelas quais pode se inscrever uma sensibilidade queer contemporânea dentro da própria materialidade fílmica. Num cinema em que o corpo sempre foi das questões primeiras (seja identitária, seja fenomenologicamente), como a adoção da câmera-corpo e a produção de intimidade decorrente do uso do háptico potencializam a experiência espectatorial? Que possibilidades de engajamento decorrem disso? Que dado(s) novo(s) o olhar queer apresenta, quando aliado a essas sensorialidades diferenciadas? Se uma perspectiva fenomenológica permite, segundo Barker (2008), aproximar espectador e filme, a partir de uma corporalidade reciprocamente compartilhada, e, se para Lindner (2012), os corpos queer experimentam relações táteis, musculares e cinestésicas de modos diferentes dos demais, como o cinema traduz tais experiências? Penso aqui, por exemplo, na relação sensual entre câmera, espectador e corpos filmados em expansão, em filmes como Go Fish (Rose Troche, 1994), O fantasma (João Pedro Rodrigues, 2000) e Madame Satã (Karim Aïnouz, 2002); na curiosidade com que o corpo do outro passa a ser vasculhado eroticamente, em Na sua companhia (Marcelo Caetano, 2011), ou mesmo a redescoberta do próprio corpo, em busca das marcas visíveis e táteis da soropositividade, em Noites felinas (Cyril Collard, 1992) ou em trechos das imagens de arquivo usadas no documentário How to survive a plague (David Niven, 2012); ou ainda na potencialização sensória dos registros em primeira pessoa, como Girl Power (Sadie Benning, 1993) e Tarnation (Jonathan Caouette, 2003), além do já citado Blue (Jarman, 1993).
Bibliografia

BARKER, Jennifer. The Tactile Eye: Touch and the cinematic experience. Berkeley: University of California, 2009

LINDNER, Katharina. “Questions of embodied difference: Film and queer phenomenology”. In: NECSUS European Journal of Media Studies, 2, Autumn 2012. Amsterdam: Amsterdam University Press, 2012

MARKS, Laura. The Skin of Film. Londres/Durham: Duke University Press, 2000

________. Touch: Sensuous theory and multisensory media. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1993

MURARI, Lucas e NAGIME, Mateus. New Queer Cinema: Cinema, sexualidade e política. Rio de Janeiro: Caixa Cultural, 2015

QUINLIVAN, Davina. “On how queer cinema might feel”. In Music, Sound and the moving Image, vol. 9, n.1, Spring/2015. Liverpool University press: 2015

SOBCHACK, Vivian. Carnal Thoughts: Embodiment and Moving Image Culture. Berkeley: University of California Press, 2004

VIEIRA JR, Erly. “Texturas sonoras de um mundo em imersão”. In: Sonoridade Cinema. Rio de janeiro: Caixa Cultural, 2015