Voltar para a lista
 
  Título
Analisando webdocumentários: navegação, interação, orientação
Autor
Tatiana Levin Lopes da Silva
Resumo Expandido
O documentário trabalha sua narrativa utilizando constantemente de linguagens mediadoras como o uso do comentário ou de intertítulos a preencher falhas do seu potencial narrativo. Winston (2008) ao analisar alguns produtos conclui que o documentário permite diferentes enquadramentos narrativos com princípios organizadores diferenciados, tais como uso de elos de causalidade e associação de ideias ou mesmo de estruturas cronológicas. A narrativa nesse gênero portanto não surge da simples disposição de sequências ao acaso, há sempre um enquadramento interpretativo a guiar o espectador, mesmo que este seja eventualmente determinado por estruturas episódicas ou pelo dito mais do que pelo mostrado. Para este mesmo autor, tais preocupações formais não são diferentes com o uso de tecnologias interativas, mesmo nas narrativas ramificadas não-lineares existe algum princípio organizativo a viabilizar um engajamento comunicativo (WINSTON, 2012). Um dos guias mais funcionais no webdocumentário é a construção de uma interface específica para cada projeto no sentido de se tornar um dispositivo a facilitar a navegação por uma rede de documentos.

O webdocumentário sendo ainda um documentário encontra-se numa transposição de um gênero conhecido para a web 2.0, uma nova mídia que tem como característica ser um ambiente participativo. Ao ser modificado pela componente interativa, essa espécie de documentário interativo pede novos métodos de análise a ultrapassar as conquistas teóricas construídas baseadas no documentário como um produto narrativo da ordem do fílmico. Este objeto agora hipermidiático (LANDOW, 2006) está baseado numa mídia onde o efeito de desmantelamento (RYAN, 2001) é uma condição que coloca como desafio a construção de estruturas narrativas. Tais estruturas devem considerar opções de escolha que eram da ordem da realização e que agora, apesar de ainda predeterminadas pelo autor do projeto, devem ser compartilhadas com um espectador que é um usuário e interator. Ele deve sentir que o computador responde a seus comandos de forma a lhe tornar um participante da experiência, ou seja, a lhe dar agenciamento, um prazer estético característico dos ambientes digitais. Este usuário pode ainda tornar-se um “prosumer” (GAUDENZI, 2014), um “consumer” produtor de conteúdo no contexto das mídias colaborativas. Vemos no entanto no cenário de webdocumentários essa participação do usuário como uma potencialidade, de forma que tem sido dado a ele um espaço de presença com uma “voz-como-participação social” mais do que como uma “voz-como-autoria” (NASH, 2014), está última sendo no âmbito da modificação da narrativa principal do produto.

Portanto, seguindo Sandra Gaudenzi (2014), vemos o webdocumentário como um documentário interativo que segue os modos de interação dos I-docs hipertextuais e participativos, admitindo-se ainda a afirmação dessa autora de que ele “(...) não é uma evolução do documentário linear na era da mídia digital mas uma nova forma que usa a interatividade a posicionar o espectador dentro do I-doc, demandando dele um papel ativo na reconstrução, representação, e negociação dos fatos que ele retrata”. Marcos Palacios (2003), que também tem como objeto de análise um gênero de não-ficção que migrou para a web, considera uma armadilha tratar um objeto midiático comunicativo como algo fundamentalmente novo, trazendo assim como conclusão no seu artigo a existência majoritária de processos de continuidade em relação a práticas e modelos anteriores, de forma que sua hipótese é que a real ruptura está na falta de limite crono-espaciais no ambiente da web. George Landow (2006) fala da desorientação na navegação por uma narrativa hipermidiática e multissequencial como um problema ou efeito desejado. Nosso objetivo nesta comunicação é apresentar a análise de alguns webdocumentários por meio da classificação do tipo de estrutura narrativa, modo de navegação e estratégias de orientação a nortear a experiência de acesso e sentido narrativo
Bibliografia

GAUDENZI, Sandra. The living documentary: from representing reality to co-creating reality in digital interactive documentary, 2013.

GIFREU, Arnau. El documental interactivo como nuevo género audiovisual: estudio de la aparición del nuevo género, aproximación a su definición y propuesta de taxonomía y de un modelo de análisis a efectos de evaluación, diseño y producción. 2013.

LANDOW, George P. Hypertext 3.0, 2006.

NASH, Kate. What is interactivity for? The social dimension of web-documentary participation. In: Continuum: Journal of media & cultural studies, 2014.

PALACIOS, Marcos. Ruptura, continuidade e potencialização no jornalismo online: o lugar da memória. In: Modelos do jornalismo digital, 2003.

RYAN, Marie-Laure. Narrative as virtual reality, 2001.

THERRIEN, Carl. Interface. In: The Jonhs Hopkins guide to digital media, 2014.

WINSTON, Brian. Claiming the real II, 2008.

______. I-Docs, 2012. Disponível em: http://i-docs.org/2012/04/01/brian-winston-on-i-docs-2012/