Voltar para a lista
 
  Título
Direção de fotografia: Impressionismo e Barroco em Lavoura Arcaica
Autor
Ana Carolina Roure Malta de Sá
Coautor
Susana Madeira Dobal Jordan
Resumo Expandido
Lavoura Arcaica (2001), de Luís Fernando Carvalho, uma narrativa baseada no romance homônimo de Raduan Nassar, é considerado um filme marcante para o cinema brasileiro, pela afinidade da sua linguagem com o processo artístico da expressão. A direção de fotografia de Walter Carvalho, que combina com as experimentações de linguagem empreendidas pelo diretor do filme, desenvolve uma estética relacionada a dois momentos da história da arte e do cinema: o Impressionismo e o Barroco. O trabalho investiga, a partir da fotografia, como se configuram as relações entre o filme e o uso da luz nesses dois momentos, e de que modo esse diálogo atua na construção da narrativa.

Lavoura arcaica narra a história de André, que resolve ir embora de casa, a fim de se libertar da autoridade do pai e esquecer a paixão por sua irmã Ana que tanto o angustia. O filme traz uma direção de fotografia que busca na linguagem literária um fio condutor para desenvolver a linguagem visual. O fotógrafo afirma, por exemplo, que, para criar a iluminação, partiu da seguinte frase do livro: "era boa a luz doméstica da nossa infância” (NASSAR, 2014).

Ele traduziu então para a fotografia uma luz clara, diurna, que acompanha o André menino, estabelecendo um diálogo com o Impressionismo ao enfatizar os efeitos da luz sobre a paisagem (SCHAPIRO, 2002). É uma luz intensa, um excesso de claridade que se relaciona também ao excesso de afeto da mãe. Essa luz impressionista se contrapõe à luz tenebrista do pai autoritário, emocionalmente distante, portador da verdade absoluta, que fala os sermões na fazenda iluminada apenas por uma luz de lampião.

O tratamento de luz e sombra ou o uso excessivo da luminosidade na fotografia metaforiza duas divisões fundamentais para a narrativa: o conflito entre a postura distanciada do pai e o afeto transbordante da mãe e, ainda, a luz da infância de André em oposição à luz noturna (CORRAIN, 2004) e sombria de sua vida adulta. Os contrastes claro-escuro também presentificam sentimentos de angústia e pessimismo, criando uma atmosfera sombria e tensa, além de evidenciar a interioridade sombria de André.

A iluminação contrastada em Lavoura Arcaica dialoga com o Tenebrismo de Caravaggio, que consiste “no uso da luz em termos emocionais” (TREVISAN, 2003: 240). Essa técnica de iluminação “[...] dotou a Arte Barroca de seu recurso estilístico por excelência: o contraste. Efetivamente, o eros barroco é um eros de antítese, de oposições estridentes, de sentimentos conflituosos. É uma arte de movimentos que se contrariam” (TREVISAN, 2003: 241). A adaptação cinematográfica traz uma narrativa com fortes contrastes humanos e a fotografia marcada pelo uso exacerbado de uma iluminação claro-escuro metaforiza essas oposições.

As formalizações estéticas tornam visíveis os aspectos invisíveis relativos ao conteúdo. Segundo Klee (2001:23), “as obras de arte não só reproduzem com vivacidade o que é visto, mas também tornam visível o que é vislumbrado em segredo”. No filme, forma e conteúdo são inseparáveis, elas se completam e se produzem ao mesmo tempo. O tratamento dado à imagem termina servindo para desvendar o que é apenas insinuado pela narrativa, ou seja, para intensificar a experiência dos personagens que a narrativa pretende explorar. A fotografia revela-se, portanto, como elemento-chave e não simplesmente como mera técnica de captação de imagens, configurando-se como agente que contribui para a construção do sentido do filme.

Para pensar a direção de fotografia em Lavoura Arcaica retoma-se Klee (2001:43): “A arte não reproduz o visível, mas torna visível”. Assim, o diretor não reproduz as obras do Barroco ou do Impressionismo, mas torna visível aspectos desses movimentos que, combinados com a linguagem cinematográfica, resultam em formalizações estéticas que materializam o infigurável (CORRAIN, 2004). A “lavoura cinematográfica” é ela mesma arcaica, pois dialoga também com o tempo da história da arte, podendo ela emergir a qualquer momento do filme.
Bibliografia

CARVALHO, Walter. Fotografias de um filme. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.



CORRAIN, Lúcia. A espacialidade no quadro à luz noturna e a construção da intimidade. In: OLIVEIRA, Ana Cláudia de (Org.). Semiótica plástica. São Paulo: Hacker, 2004.



Étude Cinématographique – Baroque et Cinéma. N. 1-2. Printemps, 1960.



KLEE, Paul. Sobre a arte moderna e outros ensaios. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.



MARTINS, Fernanda A. C. . Impressionismo Francês. In: MASCARELLO, Fernando (Org.). História do Cinema Mundial. Campinas: Papirus, 2006.



NASSAR, Raduan. Lavoura Arcaica. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.



NEYRAT, Cyrill. "Errance dans les ruines circulaires." Vertigo (Special Issue: Projection Baroques): 39-50. Paris: Jean-Michel Place et Sueurs froides-Vertigo; Marseille: Musées de Marseille, 2000.



SCHAPIRO, Mayer. Impressionismo. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.



TREVISAN, Armindo. O rosto de Cristo: a formação do imaginário e da arte cristã. Porto Alegre: AGE, 2003.