Voltar para a lista
 
  Título
A constituição do estilo da voz falada no cinema de ficção comercial
Autor
debora regina opolski
Resumo Expandido
O estilo da voz falada no cinema de ficção comercial se modificou, ao longo dos anos, a partir de uma tentativa de aproximação com o que foi estabelecido como verossímil cinematográfico.

A palavra falada no início do cinema sonoro seguiu os parâmetros já estabelecidos por outras formas de representação sonoras precedentes (ALTMAN, 1992), como o rádio e o teatro, e a partir dessas aproximações, se modificou continuamente, com o objetivo de procurar uma voz distintiva (LEITCH, 2013). O início desse percurso foi marcado pelo estabelecimento de uma norma padrão para a fala, denominada dicção transatlântica (LEITCH, 2013), que tinha o objetivo de unificar a expressão. No final da década de 30, o rádio apareceu como uma forte influência para a fala cinematográfica e a diversidade vocal começou a ser parte integrante das produções. Enquanto os filmes da década de 30 utilizavam expressões, sotaques e dialetos para demarcar personagens desviantes, na década de 40 houve uma descaracterização do padrão clássico instituído para a fala, começando por incluir essas expressões diversificadas. Como conseqüência, na década de 40 tornou-se comum a criação de roteiros de filmes falados a partir da adaptação de romances literários, pois a heteroglossia foi aceita e procurada como uma forma de representação da diversidade da fala. Nas décadas de 60 e 70 os diálogos dos filmes americanos soavam mais naturais devido a uma provável influência dos filmes franceses (KOZLOFF, 2000). Ainda para Kozloff (2000) analisando as diferentes formas de falar do cinema de ficção, é possível notar uma tendência de aproximação da fala do ator com uma espécie de naturalismo, que Davis (2008) denomina de ‘naturalismo seletivo’ pois é um naturalismo estilizado, de forma que no cinema “tudo de fato, serve a um propósito” (DAVIS, 2008).

Para Berliner (2013, p. 103), “os diálogos dos filmes de Hollywood obedecem os próprios costumes. Nós aceitamos isso de acordo com os termos de Hollywood, não de acordo com a realidade”. A partir dessa afirmação, é possível dizer que as convenções do estilo da voz falada no cinema de ficção comercial são constituídas seguindo o que é aceito como verossímil no contexto cinematográfico. Metz (2007/1968, p. 229) demonstrou que o verossímil “é uma redução do possível”. No século XVII o verossímil foi compreendido como “o que está conforme as regras de um gênero estabelecido” (METZ, 2007/1968, p. 229). Deste modo, as variações, de acordo com a expressão artística e o momento histórico considerados para análise, tendem a alterar as convenções de verossímil compartilhadas por um determinado grupo.

Parece portanto que o estilo da voz falada do cinema de ficção comercial contemporâneo está relacionado com o verossímil cinematográfico, que mescla alguns padrões estilísticos Hollywoodianos mutáveis, com convenções da linguagem utilizadas no dia a dia do espectador, também mutáveis com o decorrer do tempo. Logo, ao contrário de se aproximar ou de soar como o diálogo do teatro, do rádio ou do romance, as influências dessas expressões artísticas resultaram em uma voz própria para o cinema, em “uma voz distintiva” (LEITCH, 2013, p. 99). O naturalismo estilizado utilizado no cinema de ficção contemporâneo é simbolizado por uma fala coloquial com características naturalistas como sobreposição de voz e/ou improviso.

Essa comunicação pretende apresentar o percurso histórico da voz falada no audiovisual e demonstrar, a partir de exemplos, de que forma as expressões artísticas precedentes influenciaram a constituição do estilo de voz falada utilizado hoje no cinema de ficção comercial contemporâneo.
Bibliografia

ALTMAN, Rick. Sound theory sound practice. New York: Routledge, 1992.

BERLINER, Tood. Killing the writer: movie dialogue conventions and John Cassavetes. In: Jaeckle, Jeff. Film Dialogue. New York: Columbia University Press, 2013

DAVIS, Ribs. Writing dialogue for scripts. Londres: A&C Black Publishers Limited, 2008

KOZLOFF, Sarah. Overhearing Film Dialogue. Berkeley and Los Angeles: University of California Press, 2000.

LEITCH, Thomas. You talk like a character in a book: Dialogue and filme adaptation. In: Jaeckle, Jeff. Film Dialogue. New York: Columbia University Press, 2013.

METZ, Christian. O dizer e o dito no Cinema: Ocaso de um verossímil? In: A significação no cinema. São Paulo: Perspectiva, 2007.