Voltar para a lista
 
  Título
É hora de cinema: a narrativa cinematográfica em “Hora de Aventura”
Autor
Janiclei Aparecida Mendonça
Resumo Expandido
Série em exibição na Cartoon Network desde 2010, “Hora de Aventura”, de Pendleton Ward, é uma série de animação premiada em diversos festivais como o Motion Pictures Sound Editors Award, Prêmio Emmy do Primetime e British Academy Children´s Award, de ampla aceitação pelo público espectador, que compreende de crianças a adultos desde seu surgimento na televisão. Formulada a partir de uma narrativa rizomática, a série acaba por expandir o panorama temático e narrativo de sua estrutura, resultando em múltiplos núcleos que se interligam e remetem o espectador a diferentes mundos, histórias, tempos e reflexões. Assim, as tramas desenvolvidas têm como principal característica uma narrativa não linear, ou seja, baseadas em hipertextos que se originam a partir de diferentes técnicas narrativas televisivas e estéticas. Nesse sentido, não obstante, verifica-se em meio à pluralidade de técnicas narrativas dos episódios a presença de elementos da linguagem cinematográfica que os estruturam, permeando a composição audiovisual de “Hora de Aventura”. Considerando que o cinema é um dos sistemas midiáticos que representam a sociedade em forma de modelos de ser e estar e tendo em vista que o produto audiovisual consegue dialogar com a cultura de massa, torna-se possível verificar a elaboração de um “processo permanente de socialização para o consumo” (ROCHA, 2005). Por outro lado, a série de animação “Hora de Aventura” representa, em sua práxis, o conceito de iconofagia (BAITELLO JR., 2005), especialmente observado na devoração entre as imagens, ou seja, no hibridismo entre o texto televisual e o texto cinematográfico expressado pela presença dos elementos da linguagem cinematográfica na minissérie, indiciando o surgimento de um novo gênero de série de animação. Sendo assim, os conceitos da Antropologia do Consumo e da Antropologia Visual mesclam-se na pesquisa para auxiliar numa interpretação plausível da narrativa de “Hora de Aventura” no que tange a relação entre os vários elementos imbricados no texto audiovisual da série. Com base no apresentado, se intenciona com o presente artigo, uma análise da narrativa fílmica da minissérie especial “Estacas” (2016), inserida na 7ª temporada de “Hora de Aventura”, denominada spin off, no intuito de apontar a presença de elementos do cinema na estruturação da narrativa no decorrer dos 8 (oito) episódios da minissérie (produto audiovisual consumido culturalmente), apontando para uma linguagem que não apenas apresenta uma temática trabalhada linearmente, mas que exige do espectador uma reflexão e leitura cinematográficas para compreender o conteúdo da trama. Para tanto, o referencial teórico de base é composto de autores como Gilbert Deleuze e Félix Guattari, Gerard Genette, Christian Metz, Sergei Eisenstein, Jacques Aumont e Michel Marie, Everardo Rocha e também Norval Baitello Jr. Como metodologia, utilizou-se a análise textual fílmica por se tratar de uma análise narrativa com base no estudo diacrônico (estrutura narrativa) e sincrônico (relação imagens e sentido) da minissérie em relação à produção realizada no decorrer da série de animação “Hora de Aventura” e em relação à linguagem cinematográfica de longas-metragens.
Bibliografia

AUMONT, Jacques, MARIE, Michel. L’Analyse des Films. 2a Ed. Français: Armand Colin, 2004.

BAITELLO JUNIOR, Norval. A era da iconofagia: ensaios de comunicação e cultura. São Paulo: Hacker Editores, 2005.

DELEUZE, Gilles. GUATTARI, Félix. Mil Platôs. Capitalismo e Esquizofrenia. Vol. 1. Tradução: Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

EISENSTEIN, Sergei. A forma do filme. Tradução: Teresa Otoni. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002.

GENETTE, Gerard. Palimpsestos. A literatura de segunda mão. Minas Gerais: Faculdade de Letras UFMG, 2005.

MEZ, Christian. Linguagem e Cinema. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1980.

ROCHA, Everardo. Culpa e prazer: imagens do consumo na cultura de massa. Comunicação, Mídia e Consumo. São Paulo. Vol.2, n.3, p. 123-138, mar. 2005.