Voltar para a lista
 
  Título
A estética da gambiarra no cinema brasileiro contemporâneo
Autor
Iomana Rocha de Araújo Silva
Resumo Expandido
Uma certa produção do cinema contemporâneo brasileiro vem se destacando por sua linguagem inovadora, na qual é visível uma tendência da valorização do acaso e de elementos naturalistas, centrado em uma produção mais fluida e leve, que reconfigura o tradicional modus operandi do cinema. É possível notar em varias destas produções certa “artesanalização” do fazer cinematográfico, uma maior permissibilidade da “errância” e da naturalidade das imagens, e isso repercute diretamente na direção de arte destes filmes. Diante desses fatores, e observando o trabalho de direção de arte de alguns desses filmes, aponta-se para o uso estético conceitual da gambiarra, bem como para as potencialidades de seu uso alegórico. Gambiarra envolve sempre uma intervenção alternativa, o que também poderíamos definir como uma re-apropriação material: uma maneira de usar ou constituir artefatos, através de uma atitude de diferenciação, improvisação, adaptação, ajuste, transformação ou adequação necessária sobre um recurso material disponível. O conceito de gambiarra e sua poetização vem adentrando o contexto artístico brasileiro há algum tempo, se tornando cada vez mais evidente, como pode ser visto na presença de obras artísticas recentes que se utilizam do que seria esta “estética da Gambiarra”. Assim como ocorre no contexto das artes visuais, observamos no cinema contemporâneo brasileiro uma certa recorrência do uso conceitual da gambiarra como recurso imagético, propondo com isso uma estética que convida o espectador a participar da construção do universo fílmico, apresentando esse visual improvável como um recorte crível da realidade paralela do filme. Aponta-se aqui a potência da gambiarra mais especificamente no que diz respeito a aspectos plásticos de sua visualidade, evidenciando sua utilização alegórica na produção da imagem. Por vezes recursos “gambiarrísticos” vem se mostrando como alternativas interessantes para o diretor de arte transpor idéias de forma poética, criativa e funcional, num contexto de parcos orçamentos, equipe reduzida, tempo apertado, tipico dessa produção aqui observada. Diante disso, analisando aspectos que seriam próprios da direção de arte, como objetos, materiais, cenários, busca-se observar como se dá a utilização inventiva e poética de elementos visuais simples, naturalistas, criados plasticamente por meio da gambiarra, mas com forte poder simbólico. Para exemplificar essa proposta estética, será observado o trabalho de direçao de arte dos filmes Branco sai, preto fica (Adirley Queirós, 2014) e Animal Político (Tião, 2016), nos quais utiliza-se direta ou indiretamente do recurso da gambiarra para produzir seus universos ficcionais. Em ambos os filmes os diretores, por meio de elementos visuais gambiarristicos, constroem um universo à parte para, a partir dele, olhar para o mundo real, propondo não apenas um manifesto estético-político de afirmação do imaginário popular e seu poder criativo de ressignificação, como também, trabalhar com alegorias. Assim, busca-se enfatizar nessa pesquisa a utilização de uma “pobreza tecnológica” como recurso estético altamente expressivo e alegórico
Bibliografia

AUMONT, Jacques. A imagem. São Paulo: Papirus, 2004.

BARNWELL, Jane. Production Design - Architects of the Screen. London: wallflower press, 2004

BAUDRILLARD, Jean. O Sistema dos Objetos. São Paulo: Perspectiva, 2008.

BOUFLEUR, Rodrigo Naumann. A questão da gambiarra. 2006. Tese de doutorado (arquitetura e urbanismo). FAU-USP, São Paulo.

FISCHER, Lucy (org.). Art Direction and Production Design. New Jersey: Rutgers university press, 2015.

GALT, Rosalind. Pretty: Film and the Decorative Image. Nova York: Columbia University Press, 2011

XAVIER, Ismail. Alegorias do Subdesenvolvimento. São Paulo: Cosac Naify, 2012.