Voltar para a lista
 
  Título
Tensões/torções entre corpo, palavra e imagem em obras contemporâneas
Autor
Gabriela Semensato Ferreira
Resumo Expandido
Há obras que parecem clamar pela atenção de um espectador ou leitor atento, numa espécie de sedução por meio do olhar. Trata-se, nesses casos, de um desejar ver e ser visto, de uma leitura que é ao mesmo tempo investigação, ou voyeurismo. Provoca-se essa atenção tanto pelo que se dá a ver, como pelas lacunas deixadas pelo corpo, seja este o corpo do texto, da palavra, o corpo em performance, ou corpos estranhos, que não parecem pertencer ali, como o que ocupa a posição de autor.

Em obras como "Elena" (2012), da diretora e roteirista Petra Costa, essa relação entre o que se vê e o que se diz é colocada em tensão. O desejo de descoberta pode ser envolto em certo temor de descobrir, de retirar o véu que protege nossa imaginação do que é a morte. É justamente a morte, porém, que, para Blanchot (1997), dá vida à palavra. No referido filme, Elena, a irmã de Petra, entra e sai de cena, mas, em certo sentido, não se pode dizer que alguma vez esteja realmente presente. Isso porque, talvez, o real, aquele dito “pré-existente”, só entra em jogo, nessa obra, como uma referência. As imagens de Elena são misturadas a sua voz em gravações e filmagens de um tempo passado, mas também se confundem com impressões suas justapostas ao presente da narrativa fílmica. O borrar dos limites de sua presença/ausência, no entanto, só ocorre, potencialmente, com a interação de Petra, que a todo momento conversa com a irmã, mas nunca obtém respostas. Pelo modo como é construído, esse monólogo em off é mais próximo de um discurso poético do que de uma narração. A fala de Petra surge quando sua face está encoberta ou fora de campo. Ela não narra, no sentido de discorrer sobre uma sequência de eventos, mas conversa com a irmã, num diálogo que supõe um lugar de fala que, entretanto, parece vazio. Elena só fala a partir de um passado que se faz de alguma forma presente na obra.

Assim, pode-se pensar no surgimento de tensões, a partir dessas relações entre palavra, corpo e imagem, entre ausências e presenças, ou (in)visibilidades que são colocadas em jogo nessa obra. Onde, por um lado, parecem haver duplicidades, percebem-se, por outro, triangulações ou mesmo multiplicações. Duplicidade, ambiguidade, fingimento, talvez, em "Elena", mas também em outras obras, já que a arte pós-modernista (apesar da polêmica nomenclatura), consegue por vezes fazer dialogar o “real” e o ficcional, ou ver a “verdade” de uma invenção, sem perder de vista as potências do falso.

Essas duplicidades podem começar, ainda, pelos nomes dos personagens, mas também da expectativa de aproximação entre esses nomes e o do autor ou autora, em obras com traços autobiográficos, por exemplo, ou documentários. Esse é o caso de "Jogo Duplo" (2007), de Sophie Calle, em colaboração com Paul Auster, uma publicação que não se pode dizer nem apenas literária, nem apenas visual. Trata-se da criação de uma personagem baseada na artista, e da criação de obras baseadas na personagem. É um ir e vir composto por experimentos com comida, fotografia, strip-tease e até um cemitério. Um ir e vir, ou aqui e lá, parecido com o "fort-da", ou jogo de carretel observado por Freud (1920).

Nesse sentido, os jogos duplos de que se fala, nesses casos, não se contentam com a escolha entre isso e aquilo, entre ficção e verdade, ou ficção e realidade, mas operam no entrelugar. Não são opostos. Encontram-se, possivelmente, em uma cadeia, uma sequência que incita o questionamento, mais uma vez, do que constitui uma representação. Sua relação implica tensão, e mesmo torção, como o percurso da linha em torno do carretel. Esses duplos, portanto, são triplos, múltiplos. Da artista Sophie à personagem Maria, à personagem de Jogo Duplo, “incorporada”, ou encarnada, até certo ponto, por Sophie. Onde se veem duas mulheres, revelam-se muitas, como em uma das cenas finais de Elena em que elas flutuam na água como Ofélia, de Shakespeare.
Bibliografia

AUSTER, Paul. Leviathan. New York: Penguin Books, 1993.

BLANCHOT, Maurice. A parte do fogo. Tradução de Ana Maria Scherer. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

CALLE, Sophie. Double Game. England: Violette Limited, 2007.

COSTA, Petra. Elena. Direção: Petra Costa. Roteiro: Petra Costa e Carolina Ziskind. Estúdio Busca Vida Filmes. Brasil, 2012. DVD: 80 min.

DELEUZE, Gilles. A Imagem-Tempo. Cinema 2. São Paulo: Brasiliense, 2005.

DERRIDA, Jacques. Escritura e Diferença. São Paulo: Perspectiva, 1995.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

FREUD, Sigmund. Além do princípio de prazer, 1920. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

MARTELO, Rosa Maria. O cinema da poesia. Lisboa: Documenta, 2012.

WILLS, David. Prosthesis. California: Stanford University Press, 1995.

MAST, Gerald. Literature and Film. In: Interrelations of Literature. New York: The Modern Language Association of America, 1982.