Voltar para a lista
 
  Título
Hanseníase no cinema: deslocamentos políticos em vídeos de um acervo
Autor
Luiz Augusto Coimbra de Rezende Filho
Coautor
Marcia Bastos de Sá
Resumo Expandido
Dando continuidade à pesquisa sobre a produção audiovisual científica e educativa brasileira em Ciências e Saúde, em acervos audiovisuais institucionais, finalizamos a análise de filmes de arquivos sobre a Hanseníase, acrescentando aos já analisados em trabalhos anteriores (Rezende Filho, 2014) – Combate à Lepra no Brasil (1945) e Prá onde é que eu vou? (1987) –, outras cinco obras: Prevenção de incapacidades físicas em hanseníase (1988), Os desafios da cura (1995), (des)Mancha Brasil (1999), Aspectos clínicos e semióticos do diagnóstico em hanseníase (2001) e Simplificando o diagnóstico da hanseníase (2001). Todos estes vídeos foram produzidos pelo Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde, entre as décadas de 1980 e 2000, e tematizam aspectos diferentes da doença. O objetivo geral da pesquisa é identificar, pelo cotejamento de enunciados extraídos de cada obra, deslocamentos gradativos das políticas, das práticas discursivas e não discursivas em relação à doença.

O recorte do presente trabalho possibilita também um avanço nas reflexões sobre acervos audiovisuais como conjuntos e séries de obras, por meio da análise de como campos correlacionais (Foucault, 2007) se estabelecem em uma dimensão institucional, no que tange à institucionalidade dos acervos e das intenções dos produtores e mantenedores desses acervos. Considerando o conjunto de informações de produção das obras identificadas e de dados históricos sobre a constituição dos acervos estudados, identificamos características gerais relativas aos campos de correlação estabelecidos entre essas obras e a série de obras do próprio acervo.

A partir da análise pode-se afirmar que os filmes e vídeos possibilitam debates e reflexões sobre: (1) como determinado estado do conhecimento sobre a Lepra/ Hanseníase constituiu e foi constituído por meio de relações sociais e políticas em diferentes níveis e épocas; (2) como, a partir de quais mudanças nas configurações sociais em seus diferentes âmbitos e níveis, e em qual medida, produziu-se um deslocamento no modo de abordar e tratar a Hanseníase no Brasil (Ducatti, 2007; Santos, 2008).

Na série de vídeos analisada desta vez, enunciam-se, mais específica e fortemente, questões relacionadas à capacitação dos profissionais da área da saúde para uma abordagem adequada ao desafio ainda não alcançado de sua erradicação no país. É bastante evidente como, nessas obras, se constituem diferentemente vozes das políticas oficiais de controle da Hanseníase e vozes do interesse público sobre a doença. Na série de vídeos como um todo, multiplicam essas vozes, ao mesmo tempo em que, em alguns vídeos mais do que em outros, os autores se apropriam delas para melhor instituir uma voz única e oficial, favorável à nova política, e a todo momento implicando o profissional de saúde (prováveis espectadores) e a ignorância da população no processo de controle e erradicação da doença.

Pode-se observar ainda um deslocamento significativo no modo como os órgãos responsáveis por gerir e elaborar políticas de saúde destinadas à prevenção, manutenção e recuperação da saúde da população, concentraram seus esforços na constituição de uma abordagem multifacetada da hanseníase, tal como indicada pela conceituação estendida de saúde, valorizando-se a luta contra os preconceitos, a atenção especial à formação/ capacitação dos profissionais de saúde, e o desenvolvimento de ações permanentes destinadas à informação correta da população.
Bibliografia

DUCATTI, I. (2007). Discurso científico e legitimação política: hanseníase e isolamento compulsório (Brasil, século XX). Projeto História, São Paulo, 34, 303-315.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

REZENDE FILHO, Luiz Augusto Coimbra de. Documentário científico e acervos audiovisuais: endereçamento, campos de correlação e gestos estéticos-políticos, in MOURÃO, Maria Dora Genis et al. (orgs). XVII Estudos de Cinema e Audiovisual Socine – Anais de Textos completos – São Paulo: Socine, 2014.

SANTOS, L. A. et al. (2008). Contrapontos da história da hanseníase no Brasil: cenários de estigma e confinamento. Revista Brasileira de Estudos Populares, São Paulo, 25, 1, 167-190.