Voltar para a lista
 
  Título
Errol Morris: análise da encenação em Gates of Heaven e The Fog of war
Autor
Dayane de Andrade
Resumo Expandido
O conceito de mise-en-scène, trazido para o cinema na década de 50 pelos teóricos da Nouvelle Vague, passou a figurar um novo parâmetro para o cinema de autor. De acordo com Bordwell (2008), a concepção de mise-en-scène na política dos autores se referia a aspectos como interpretação, enquadramento, iluminação, posicionamento da câmera, e também a maneira como os atores entram na composição do quadro e o modo como as ações se enrolam.

A encenação no cinema de ficção, porém, difere da encenação que pretendemos no documentário. Ramos (2012) articula o conceito de encenação para o documentário, ao especificar o movimento e as expressões do corpo na cena, enquanto interagem com o sujeito-da-câmera, como ponto central da encenação documentária. O corpo do sujeito no documentário encena para outro, no caso o diretor, e por consequência para o espectador, através da câmera. Essa encenação acontece no ambiente da tomada, enquanto há o embate entre diretor e o personagem. É necessário pensarmos então como a presença do aparato fílmico interage também com o personagem documental.

Errol Morris é um cineasta que parte do método da entrevista na construção de seus documentários, e para seu método desenvolveu um aparelho de filmagem, denominado Interrotron, que consiste em uma variação do teleprompter, permitindo que o entrevistado olhe diretamente para a lente da câmera enquanto fala, e ao olhar para a lente da câmera veja a imagem do diretor. Este aparelho modifica o embate do personagem com o cineasta na tomada.

Enquanto em Gates of heaven (1978), documentário não mediado pelo Interrotron, temos planos mais longos e a câmera passeando pelos ambientes internos e externos, em The fog of war (2003), já mediado pelo aparelho, a câmera é fixa e frontal o tempo todo. Em Gates of heaven percebemos maior mobilidade dos personagens, diferentes ações em diferentes ambientes como em casa e no trabalho, percebemos que alguns personagens parecem desconfortáveis diante da câmera, não gesticulam muito, não se movimentam muito, e o principal, não conseguem encarar a câmera.

Em The fog of war a câmera fixa e a configuração do Interroton “obrigam” o personagem a olhar para a câmera, os planos em sua grande maioria são mais fechados trazendo à tona principalmente as expressões e olhares do personagem, diferente de Gates of Heaven, em que as ações e o ambiente também têm seu lugar.

A principal característica que o Intrerrotron modifica nas formas de encenar é com relação ao olhar do personagem. Quando uma pessoa está sendo filmada, está sendo entrevistada diante de uma câmera, muitas vezes ela se sente desconfortável, por estar sendo filmada e por ter que falar olhando para uma máquina funcional, fria, sem vida, e por diversas vezes os personagens desviam seu olhar da lente da câmera.

Ao colocar seu rosto diretamente em frente ao Interrotron, Morris encarna a própria câmera no momento da tomada, ele e a câmera tornam-se um só, ele deixa de ser apenas o sujeito que opera a câmera para transfigurar-se no próprio sujeito-câmera.

Isso interfere também na relação de intimidade dentro da tomada, em dois níveis, no nível diretor-personagem e no nível personagem-espectador. Isso pois, quando Morris se insere “dentro” da câmera, ela deixa de ser apenas um elemento funcional, desprovido de vida, e inaugura na tomada uma intimidade na relação diretor-personagem que antes não existia. Em consequência, a intimidade na relação personagem-espectador também aumenta.

Por fim, a presença do Interrotron não interfere apenas nos gestos, expressões e olhares dos personagens. Mas a partir dessa interferência também constatamos uma mudança na encenação dos personagens, o que configura uma recepção completamente diferente por parte do espectador.
Bibliografia

BORDWELL, David. Figuras traçadas na luz: a encenação no cinema. Campinas: Papirus, 2008.

NICHOLS, Bill. Introdução ao Documentário. Campinas: Papirus, 3ª ed., 2005.

PLANTINGA, Carl. The Philosophy of Errol Morris: Ten Lessons. In: ROTHMAN, William. Three Documentary Filmmakers: Errol Morris, Ross McElwee, Jean Rouch. New York: State University of New York Press, 2009.

RAMOS, Fernão Pessoa. A Mise-en-scène do Documentário: Eduardo Coutinho e João Moreira Salles. 2012. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/. Acesso em: 20 de Maio de 2015

______. Mas afinal… O que é mesmo documentário?. São Paulo: Senac, 2008.

______. Teoria Contemporânea do Cinema. Vol. 2: Documentário e Narrativa Ficcional. São Paulo: Senac, 2005.

ROTHMAN, William. Three Documentary Filmmakers: Errol Morris, Ross McElwee, Jean Rouch. New York: State University of New York Press, 2009.

TEIXEIRA, Francisco Elinaldo (org.). Documentário no Brasil: tradição e transformação. São Paulo: Summus, 2004