Voltar para a lista
 
  Título
Números musicais de Watson Macedo nos filmes dos anos 1940s e 1950s
Autor
Flávia Cesarino Costa
Resumo Expandido
Abordarei números musicais de filmes brasileiros dos anos 1940-1950s dirigidos por Watson Macedo, em seus próprios filmes ou nos de outros diretores. Entendo tais performances em perspectiva intermidiática, considerando que na dança, no canto, na atuação e na encenação destes números para a câmera interagiam elementos de outras mídias (como o teatro de revista e o rádio), de outras práticas culturais (como o carnaval) e de outros cinemas (como o hollywoodiano, o mexicano e o argentino).

Apesar de serem amados pelo público, muitos destes filmes eram atacados pelos críticos em sua época, por misturar de forma irregular e muitas vezes precária a lógica do teatro de variedades e dos programas de rádio às suas estratégias narrativas, afastando-se do paradigma do cinema clássico nas maneiras de encenação, montagem, atuação. Mas, nestes filmes, algumas cenas de performance musical chamam a atenção por criarem um relacionamento particular entre estas desigualdades, criando intervalos de espetacularização nos quais é permitido que a encenação apele a outras formas de arte, fortalecendo a canção como estratégia de diálogo com o público e colocando em cena todo um complexo conjunto de matrizes culturais populares que se atualizam na performance.

O conceito de performance musical traz a ideia do corpo como suporte, que se apresenta ao vivo para o público, dançando ou tocando instrumentos musicais. No cinema, as performances musicais ampliam-se para incluir a câmera, ainda que suas estratégias narrativas não favoreçam a absorção narrativa típica da ficção cinematográfica, usando, ao invés disso, estratégias reflexivas e a frequente interpelação do público.

Através do estudo de alguns números musicais, tais como foram filmados, procuraremos observar como estas performances de música popular, ao convocar um repositório de heranças culturais diversas, faz interagir, no trabalho de encenação para a câmera, diferentes modelos narrativos e diferentes práticas cênicas para as quais contribuíram o trabalho de músicos, dançarinos, coreógrafos e roteiristas cuja atividade não se restringia ao cinema.

O objetivo será apontar, na forma cinematográfica destas encenações musicais, as influências, seja da matriz clássica do próprio cinema, seja das práticas culturais que faziam parte do repertório cênico e musical da América Latina de então, e que no caso do Brasil relacionam-se com formas específicas do teatro popular, do rádio e da música popular.
Bibliografia

ANTUNES, Delson. Fora do sério: um panorama do teatro de revista no Brasil, Rio de Janeiro, Funarte, 2004.

ARAÚJO, Luciana C. de. “Augusto Annibal quer casar!: teatro popular e Hollywood no cinema silencioso brasileiro”, Alceu, v.16, n.31, jul/dez 2015, pp.62-73.

FEUER, Jane. The Hollywood Musical. (2nd edition), Bloomington, Indiana University Press, 1993.

FREIRE, Rafael de Luna. Carnaval, mistério e gângsters: o filme policial no Brasil (1915-1951), Niterói, UFF, 2011.

NAGIB, L. e A. JERSLEV. “Introduction” in L. NAGIB e A. JERSLEV (eds.), Impure Cinema: Intermedial and Intercultural Approaches to Film, Londres, I.B.Tauris, 2014.

VENEZIANO, Neyde. O teatro de revista no Brasil, Campinas, Editora da Unicamp, 1991.

VIEIRA, J. Luiz. “A chanchada e o cinema carioca (1930-1955)”, in F. Ramos (ed.), História do cinema brasileiro, São Paulo, Art Editora, 1987.

VIEIRA, J. Luiz. “Cinema e performance” in O cinema no século, ed. I.l XAVIER, Rio de Janeiro, Imago, 1996, pp.337-351.