Voltar para a lista
 
  Título
Análise da cineinstalação multitelas Rheo: 5 horizons, de R. Kurokawa.
Autor
Pablo Souza de Villavicencio
Resumo Expandido
Kurokawa, em termos gerais, trabalha o reuso de imagens da natureza, registradas fotograficamente, trabalhando-as de modo a criar uma experiência sinestésica no espectador. A música é construída para operar um controle sobre o áudio gravado em campo, e usada em um posterior processamento e mixagem dos sons. O áudio e as imagens são gerados dos ruídos ou são randômicos, e depois são remontados, para compor uma ordem partindo-se de uma desordem. Em suas performances, a configuração dos equipamentos do concerto (set) possui poucas variações, no entanto difere-se em cada uma. Rheo consiste na instalação de uma de suas performances homônimas, a obra espacializa-se como se fosse a “imobilização” dessa performance audiovisual, tendo sua temporalidade “congelada”, mas não estagnada, pois continua em fluxo, sendo repetida em loops.

O processamento digital das imagens e dos sons moldam espaços descontínuos, em detrimento da noção de lugar, pois as paisagens não referenciam lugares específicos, não sabemos ao certo de onde são aquelas paisagens. São como “ espaços flutuantes”, e suas qualidades de cor, tamanho e forma são constantemente remixadas, em um concerto de movimento das formas. Uma fina linha horizontal posicionada no centro das cinco telas atravessa-as, criando um elemento de continuidade espacial, por onde desfilam as imagens.

Rheo articula uma montagem vertical (EISENSTEIN, 1990), pois suas imagens e sons desenvolvem-se em simultaneidade, buscando “a igualdade rítmica” entre áudio e vídeo. Os movimentos sonoros acompanham os movimentos das imagens, estas induzem os movimentos dos olhos do espectador, mas também possíveis movimentos corporais que podem ser realizados pelo espectador instigado por luz, cores e uma sonoridade ao mesmo tempo contínua (grave) e fugaz (aguda, batidas, oscilações), contida no espaço ambiental audiovisual. Suas imagens assemelham-se às formas de relevos de um mapa "abstrato", sendo provenientes das imagens de paisagens, estratificam-se em camadas, em movimentos ondulantes. São formas um pouco mais calmas, que se desdobram e flutuam em correspondência principalmente com a música aguda contínua e expandem-se verticalmente. Essas imagens misturam-se às outras que compõem tramas de linhas inquietas, estas são intensamente manipuladas, e descrevem movimentos ondulatórios e espirais de um lado para outro, como que modificada por pressões sonoras. Essas linhas correspondem às texturas sonoras mais efêmeras e cortantes, também não se expandem tanto verticalmente, mas horizontalmente, seguindo a linha horizontal entre as telas. São muitas vezes responsáveis pelo sentimento de tensão que perpassa o espectador. A estrutura audiovisual de Rheo produz um “jogo” entre tensão e contemplação, compondo um amálgama entre música e imagens e suas constantes variações e, em menor grau, repetições. Em nossa análise utilizamos o conceito de montagem de Eisenstein (1990), que considerava o movimento visual tanto através de sua construção abrangente de montagem, quanto da linha estilística desenvolvida de plano a plano – até as composições dentro do plano. E consideramos a expansão do conceito de montagem vertical do cineasta, com a mixagem das imagens produzidas pelo vídeo, proposta por Dubois (2005), em que a noção de unicidade do plano começa a ser diluída. Rheo constrói um ambiente audiovisual sinestésico inserindo uma variação randômica nas imagens da trama de linhas, provavelmente pelo software, sugerindo uma abstração e um processamento um tanto aleatório na configuração espacial dessas imagens, em que a montagem é extremamente precisa. Rheo cria um ambiente em que os sons, ao tocarem e “atravessarem” o espectador por todos os lados de forma “cortante”, emprestam uma característica de “tridimensionalidade” às imagens, quase compondo uma escultura audiovisual, que se articula em fluxo constante de atualizações construindo uma espacialidade ambiental e uma temporalidade evanescente, impermanente e multitemporal.
Bibliografia

BISHOP, Claire. Installation Art: A Critical History. Londres: Tate, 2005.

DELEUZE, Gilles. A imagem-movimento: cinema 1. São Paulo: Brasiliense, 1983.

________________. A imagem-tempo: cinema 2. São Paulo: Brasiliense, 2005.

DUBOIS, Philippe. Cinema, vídeo, Godard. São Paulo: Cosac-naif, 2005.

EISENSTEIN, Sergei. O sentido do filme. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.

EISENSTEIN, Sergei. A forma do filme. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

GUATARRI, Félix; DELEUZE, Gilles; . Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. Vol.1. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2000.

MACHADO, Arlindo. O sujeito na tela: modos de enunciação no cinema e no ciberespaço. São Paulo: Paulus, 2007.

PARENTE, André (Org.). Tramas da Rede: novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da comunicação. Porto Alegre: Editora Sulina, 2013.

YOUNGBLOOD, Gene. Expanded Cinema. New York: P. Dutton & Co., 1970.