Voltar para a lista
 
  Título
Mais alhures que o cinema: o extracampo das imagens feitas na escola
Autor
Isaac Pipano Alcantarilla
Resumo Expandido
Nos últimos anos, diante de muitos filmes derivados de processos de formação (na escola e nos diversos espaços não-formais que vem sendo habitados mais e mais pelo cinema), uma dúvida pareceu acompanhar nossas análises e reflexões: como olhar para estes filmes? A questão trazia consigo uma clara dificuldade em percebê-los segundo as mesmas ferramentas e critérios disponibilizados pela análise fílmica; por uma crítica mais voltada à semântica e atenta à dimensão temática-discursiva das imagens; ou outra, diametralmente oposta, de natureza formalista.

Por essa perspectiva, foi na formulação de regime estético das artes, de Jacques Rancière (2011), que encontramos uma chave teórica precisa para reconhecer que é o próprio paradoxo da arte que essas imagens parecem fazer a manutenção. Entre ser arte e a um só tempo algo que excede o campo artístico e afeta o real, no sentido em que propõe uma reordenação do sensível. Entre ser uma imagem que comunica, cuja face nos dá a ver algo, mas que também opera na reconfiguração dos modos de ser e estar daqueles que as inventam.

Partindo destas reflexões, esta comunicação propõe uma releitura da noção de extracampo e seu reemprego na abordagem das imagens do cinema na educação . Pois, ao retornarmos às imagens feitas na escola, diante do assombro que nos causam, inúmeras vezes, nos indagamos sempre a respeito das negociações feitas, para lá da imagem, e que se revelam como inalienáveis em nosso encontro com o que vemos. Pensamos efetivamente nos embates entre os professores, os estudantes e o mundo do cinema - o aparato cinematográfico, as inúmeras possibilidades de ver o mundo de maneiras impossíveis aos olhos humanos, os contratos estabelecidos entre os sujeitos que filmam e os que são filmados, e toda a força conectiva do cinema ao aproximar elementos distantes e heterogêneos pela potência da montagem. Estas, as mais basilares características de todo e qualquer filme, estão somadas ao próprio processo pedagógico.

É este lugar que a imagem não nos permite alcançar, já que não estamos ali acompanhando a vida acadêmica destes jovens, que nos interessa. E é este lugar, que não vemos na tela, que determina também aquilo que vemos. Assim, poderíamos sintetizar que para observar estas imagens reconhecendo o paradoxo inerente à sua existência é preciso que tratemos de antemão do que as excede, seu extracampo: um extracampo do cinema que não é só o que está determinado pelos limites do quadro - e que poderia imediatamente tornar-se visível por uma mera correção do enquadramento. Um extracampo onde se inserem as relações de produção, a comunidade que se inventa com a presença da câmera, os restos da mise-en-scène. Um extracampo que é a própria conjugação de um outro campo onde o processo é inalienável daquilo que assistimos.

Como nos fala Deleuze: "Num caso, o extracampo designa o que existe alhures, ao lado ou em volta; noutro caso, atesta uma presença mais inquietante, da qual nem se pode mais dizer que existe, mas antes que ‘insiste’ ou ‘subsiste’, um alhures mais radical, fora do espaço e do tempo homogêneos" (DELEUZE, 1985, p. 29). É sobre a existência deste outro extracampo que gostaríamos de pensar.
Bibliografia

DELEUZE, Gilles. Cinema: a imagem-movimento. São Paulo: Brasiliense, 1985.



RANCIÈRE, Jacques. Aisthésis: Scéne du régime esthétique de l'art. Paris: Galilée, 2011.