Voltar para a lista
 
  Título
Horror, Excesso e a Violenta Conformação dos Corpos Femininos
Autor
Mariana Ramos Vieira de Sousa
Resumo Expandido
Certas narrativas cinematográficas são arquitetadas em torno da espetacularização do sofrimento dos corpos femininos, o que, em alguns gêneros fílmicos como o horror, toma proporções ainda mais excessivas constituindo verdadeiros “espetáculos de vitimização feminina” (WILLIAMS, 1991), cumprindo uma agenda que, muitas vezes, perpassa o “simples” entretenimento, perpetuando discursos violentos de conformação destes corpos.

Pensando o horror dentro de sua estrutura genérica, como um conjunto de relações de pertencimento, vemos que a constante determinada como símbolo máximo do mesmo, um dos cânones que definem tal gênero, é o encontro espetacular, “horrorífico” e assustador com um Outro monstruoso e abjeto.

Tal encontro causa pulsões e identificações ambíguas em seus espectadores, através da proliferação de espetáculos sensoriais extremos protagonizados por corpos instáveis e perigosos, especialmente corpos femininos “excessivamente sexualizados”; corpos monstruosos que, em seu excesso, ultrapassam regras e normas e, fazendo o, criam fissuras profundas no próprio processo discursivo, narrativo, e põem em cheque a materialização dos padrões corporais e comportamentais vigentes.

Para ilustrar tal discussão, me apoiarei na análise comparativa de dois filmes de horror: “Possessão” (1981), de Andrzej Zulanski, e “Em Minha Pele” (2002), de Marine de Van. Em ambos os casos, o corpo feminino capturado dentro de um momento de extremo prazer quando em contato com o monstruoso, é um dos cerne do discurso fílmico. Este corpo que não apenas flerta com o abjeto, mas que obtem um prazer sexual neste encontro, é codificado como monstruoso.

Performances extremas de destruição e esfacelamento corporal, filmadas com uma sensualidade perturbadora, dentro de cenas de excesso máximo, trabalhado a partir uma mise en scene em si mesmo histérica, repleta de elementos de horror e abjeção que apenas adensam sensações de desconforto e incerteza, são pontos centrais nas duas obras.

Vemos, em ambos os casos, mulheres colocadas como espetáculo, fazendo um espetáculo de/com seus corpos, em cenas performadas diretamente para a câmera. Tais performances excessivas e monstruosas convidam o escrutínio do olhar, chamando a atenção do espectador para algo que, por algum motivo, escapa a trama. O que parece se exibir na tela é uma parada espetacular de sensações que transbordam e excedem a diegese, atrações que pouco nos fala da ação dramática em si, mas que nos interpelam de tal forma que parecem ressoar por todo o filme, complicando seu entendimento.

O excesso é, por excelência, aquilo que instiga o espetáculo sensorial, aquilo que chama atenção e convoca a percepção porque não pode ser preso dentro da ordem positivista e prática da função narrativa, tomando, nem que por apenas alguns breves momentos, as rédeas da mise en scène e lhe fazendo explodir em sensações.

É através dessas fissuras, dos momentos onde o excesso corpóreo e cinemático explodem em tela e fraturam a narrativa, que transbordam os conteúdos antagônicos que podem nos auxiliar no processo de desconstrução de representações em um espaço de risco e desafio, que, talvez, nos permita traçar um mapa inicial para uma política de resistência para tais corpos.

O espetáculo, especialmente o espetáculo do corpo feminino em processo de autodestruição, é exatamente aquela voz que, apesar das pressões externas, das exigências de racionalidade e finalidade narrativa, escapa à normatização e faz de sua presença inesperada o signo último da instabilidade que permeia e constrói o discurso hegemônico.

Dessa forma, pensar tais momentos de excesso como espaços de significação que possam nos auxiliar a questionar e desestabilizar as normas que conformam e estigmatizam o corpo, a sexualidade e a própria vivência social feminina, torna-se um imperativo urgente que pretendo averiguar com essa apresentação.
Bibliografia

BALTAR, Mariana. “Frenesi da Máxima Visibilidade”. E­Compós. 2010.

BUTLER, Judith. Bodies that Matter: On the Discursive Limits of Sex. New York: Routledge, 1993.

DE LAURETIS, Teresa. Technologies of Gender: Essays on Theory, Film, and Fiction. Indianapolis, USA: Indiana University Press: 1987.

FREELAND, Cynthia A. “Feminist Framework For Horror Films”, I n: BAUDRY, L.; COHEN, M. (Org.). Film theory and criticism. New York: Oxford University Press, 2004 .

PAASONEN, Susanna. Carnal Resonace. Affect and online pornography. Cambridge, The MIT Press, 2011


RUSSO, Mary. O Grotesco Feminino: risco, excesso e modernidade. Rio de Janeiro: Racco, 2000.

STRAUVEN, Wanda (org). Cinema of attractions reloaded. Amsterdam University Press, 2006.

THOMPSON, Kristin. “The Concept Of Cinematic Excess”. In. BRAUDY, Leo e Cohen, Marshall (eds.) Film Theory and Criticism. New York: Oxford Univeristy Press, 2004.

WILLIAMS, Linda. Film Bodies: Gender, Genre, and Excess. Film Quarterly, Vol. 44