Voltar para a lista
 
  Título
Representações negociadas: documentário e performance dos personagens
Autor
Mariana Duccini Junqueira da Silva
Resumo Expandido
Impregnado pelas circunstâncias da profilmia, o documentário se especifica por colocar em cena uma relação entre sujeitos dispostos para o filme. Nessa modalidade, mais do que na ficção (ao menos como tendência), o extracampo torna-se determinante ao que será exposto no campo. Se as afirmações, hesitações, dissimulações e esquivas compõem o universo das relações intersubjetivas, esses afetos não haveriam como estar desvinculados da experiência fílmica dos personagens.

Remetendo-nos à asserção de Comolli (2008) de que “não se filmam impunemente” os gestos, corpos e reações da alteridade, é razoável assumir que, em contrapartida, esses sujeitos também não se deixam filmar impunemente. Em constante negociação com o dispositivo (na perspectiva que compreende não só o aparato técnico, mas especialmente as condições delimitadas para que a experiência seja posta em marcha), eles se investem na narrativa e dela se autoinvestem para elaborar performaticamente suas formas de representação.

Desempenhar um papel de si tende a potencializar essas representações, que, em maior ou menor gradação, já estão em curso na vida cotidiana dos sujeitos. Nunca se é alheio sobre o que significa “estar em um filme”: expor-se a determinado olhar e conformar atuações que correspondam a ele. Mais do que a possibilidade de se tornar visível, a experiência do personagem vincula-se a uma reelaboração de vivências singulares, estratégia suficiente para tensionar a realidade ou para fazer emergir memórias que dão compleição a modos de estar no mundo.

Esta comunicação analisará duas obras em que o gesto documental modula-se essencialmente por acolher a atuação dos personagens, abrindo-se tanto quanto possível a ela: “Laura” (2011), de Fellipe Barbosa, e “Jonas e o circo sem lona” (2015), de Paula Gomes. Nos filmes, são acentuadas as formas de engajamento dos protagonistas quanto ao dispositivo, visto que suas performances remetem explicitamente a uma negociação pelas representações que os converterão de atores sociais em atores naturais (Santeiro, 1978). Nesse exercício, o que foi vivido como mera contingência recobre-se de uma elaboração dramática que transforma experiências banais em um estatuto extraordinário: o próprio filme.

“Laura” aborda a vida da protagonista homônima, mulher de meia-idade que vive em Nova Iorque e, embora enfrente sérios problemas financeiros, é figura habitual em festas luxuosas e em premiéres do cinema, onde tenta se aproximar das estrelas. O comportamento exótico que faz com que ela, ao mesmo tempo, recolha objetos no lixo e circule por ambientes requintados é tematizado pelo filme, o que frequentemente se torna motivo de tensão com a equipe (especialmente com o realizador). A personagem, bela e narcisista, mostra-se bastante consciente da própria mise en scène e intervém energicamente sobre o que pretende que seja a forma final da obra. Esses entreveros são determinantes à composição da narrativa, sobretudo por questionarem, em determinados aspectos, o lugar de autoria.

“Jonas e o circo sem lona” retrata as experiências de um pré-adolescente que improvisa um circo no quintal da casa onde mora com a mãe e a avó, na Bahia. Com esmero e determinação, Jonas cria para si um mundo em que a fantasia afasta, ao menos por alguns instantes, a falta de recursos e o aborrecimento da vida escolar. Nessa perspectiva, o filme se imiscui no mundo fabuloso do protagonista, mas a presença de uma equipe de cinema potencializa involuntariamente conflitos entre Jonas e sua mãe, assim como com a diretora da escola onde estuda. O circo e o filme, circunstancialmente convertidos na mesma experiência, representam uma rota de fuga para o menino, que modula sua vida cotidiana nos parâmetros dessa atuação.

Nos dois documentários, estrutura-se um olhar sobre o outro que, longe de objetificá-lo ou constrangê-lo aos parâmetros do dispositivo, abre-se à indeterminação de gestos e desejos que não se deixam filmar impunemente.
Bibliografia

AGAMBEN, Giorgio. O que é um dispositivo? Outra Travessia: Revista de Pós Graduação em Literatura, Florianópolis, n. 5, p. 9-16, 2005.

BADIOU, Alain. Para uma nova teoria do sujeito. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

CANDIDO, Antonio et. alii. A personagem de ficção. 8ed. São Paulo: Perspectiva, 1998.

COMOLLI, Jean-Louis. Ver e poder: a inocência perdida: cinema, televisão, ficção, documentário. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

DELEUZE, Gilles. As potências do falso. In: A imagem-tempo. Cinema 2. São Paulo: Brasiliense, 2007.

FRANCE, Claudine de. Cinema e antropologia. Campinas: Unicamp, 1998.

LEVINAS, Emmanuel. Totalidade e infinito. Lisboa: Edições 70, 1988.

RENOV, Michael. The subject of documentary. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2004.

SANTEIRO, Sérgio. A voz do dono: conceito de dramaturgia natural. Rio de Janeiro: Filme e Cultura, n.30, agosto de 1978.