Voltar para a lista
 
  Título
A vizinhança do tigre : empatia e interterritorialidade
Autor
Vitor Zan
Resumo Expandido
Uma série de características comuns, combinadas de modo inédito, permite inferir que as obras de Adirley Queirós, Affonso Uchoa e André Novais inauguram um novo cinema da periferia. Trata-se, resumidamente, de filmes de longa-metragem, formalmente ousados, com referências cinéfilas, realizados nos locais periféricos em que os cineastas residem, exibidos em salas de cinema, em festivais, e contemplados (em alguma medida) em editais de financiamento.

Os três cineastas, embora habitem em zonas suburbanas, lograram acessar instituições de ensino e cultura dos centros metropolitanos, cultivando seu olhar no compasso dessas idas e vindas entre periferia e centro. Transitam entre esses dois territórios, estabelecendo pontes entre eles.

Ao voltarem suas câmeras para seus universos de origem a partir dessa perspectiva híbrida, fundaram novas poéticas atreladas à periferia, dentre as quais a que se pauta pela empatia, em A vizinhança do tigre. Esta comunicação visa discernir seus atributos a partir de uma abordagem que conjuga análise estética com dados extrafílmicos.

A intuição que enseja a hipótese corresponde à impressão de que A vizinhança do tigre funda o comum não pela semelhança identitária, mas por suscitar um profundo sentimento de empatia. A noção de empatia (Einfühlung) foi inventada em 1873, no seio de um estudo estético, justamente para descrever um tipo de relação que pode aflorar entre espectador e obra de arte. Sua tradução para línguas latinas articula o termo grego pathos (sofrimento, sentimento), ao prefixo em (de dentro, interno). Trata-se de sentir, como se do interior, o penar de outrem. Eis aquilo que A vizinhança do tigre tenta promover entre o espectador e os jovens personagens.

O sentido literal de empatia designa, entretanto, algo impossível, pois ainda que houvesse realmente a possibilidade de experimentar interiormente aquilo que o outro sente, nesse caso já não haveria alteridade. Por isso, a empatia se funda nesse sentimento paradoxal que é ser sem poder ser plenamente. Em A vizinhança do tigre, é justamente nesse entre-lugar que se situam as relações entre diretor, personagens e espectador, entre alteridade e identificação: alteridade íntima, ou intimidade outra. Também nesse meandro são relacionados, esteticamente, centro e periferia: espectadores do centro (principal público do filme) e contexto fílmico periférico.

Em entrevista, Affonso Uchoa afirma que filmar na periferia onde vive se tornou urgente para explorar uma dualidade que o habitava, descrita por ele pelo conceito freudiano unheimlich. Sem tradução convincente em português, o conceito se refere à uma "estranheza do familiar", quando aquilo que se conhece tão intimamente quanto sua própria casa (heim) de repente parece estrangeiro. Affonso Uchoa diz, ainda, que desde que passou a estudar em instituições centrais, se diferenciou drasticamente da maioria dos jovens de sua vizinhança. Anos depois, se interroga, por meio do cinema, sobre essa dualidade entre pertencimento e diferenciação, filmando durante vários anos jovens que (ainda nas palavras do diretor) ele poderia ter sido. Essa motivação originária do filme reverbera na sensação de empatia que A vizinhança do tigre pode suscitar, e que se sobrepõe à questão identitária, já que entre sujeitos filmados e sujeitos que filmam não há clara e exclusiva identificação ou alteridade.

Resta explicitar, sumariamente, algumas características estéticas que provavelmente corroborem pra que a relação empática ocorra. Dentre elas, a proximidade entre a câmera e os personagens, buscando o comum a partir de seus corpos; um certo minimalismo dramático, baseado na típica procrastinação adolescente; o adensamento dos personagens, não reduzidos a tipos. E, enfim, o pathos que se dilui em toda a experiência do filme; não tanto aquele que os personagens podem manifestar, mas aquele que o horizonte de expectativa desses jovens enclausurados na vizinhança do tigre, assombrados pela criminalidade, deixa entrever.
Bibliografia

BERNARBET, Jean-Claude. Cineastas e imagens do povo. Brasiliense, 1985.

BRUNEL, Marie-Lise; COSNIER, Jacques, L'empathie. Un sixième sens. Presses universitaires de Lyon, 2012.

GEFEN, Alexandre; VOUILLOUX, Bernard. Empathie et esthétique. Hermann, 2013.

VISCHER, Robert. Ueber das optische Formgefühl : Ein Beitrag zur Aesthetik. Leipzig, Hermann Credner, 1873.