Voltar para a lista
 
  Título
Os Onze de Curitiba Todos Nós (1995): Se ele não tivesse lembrado ...
Autor
Regina Celia da Cruz
Resumo Expandido
A produção de Valêncio Xavier (1933-2008) passa pelo campo das artes visuais, da comunicação e da literatura que mostra, em sua obra literária e cinematográfica, uma narrativa multifacetada. Escritor, jornalista, historiador de cinema, cineasta, fotógrafo, cenógrafo, artista gráfico, assistente de direção artística, produtor, roteirista, diretor de novelas e de curtas-metragens em vídeos e na televisão onde desenvolveu múltiplas habilidades que se fundem num estilo próprio e inovador para o período.

Produzido por ele, o documentário Os Onze de Curitiba Todos Nós (1995), narra um episódio polêmico durante a ditadura militar (março de 1978), traz a memória, 17 anos depois, a prisão de onze professores de uma escola infantil (6 homens e 5 mulheres), durante uma semana na sede da polícia federal em Curitiba. Cada um é apresentado somente ao final do filme – nome e formação acadêmica.

Reconhecido como “experimental e arrojado” tanto no estilo como nos temas tratados em suas produções no campo da comunicação, o cineasta traz a tona esse episódio ‘estranho’ que não teve a devida apuração dos fatos por parte de autoridades, ou sequer esclarecimentos na repercussão da média. A obra contribui para a divulgação de fatos históricos da cidade e do país, uma vez que algumas das pessoas do documentário já haviam sido presas em São Paulo. Como Ligia Mendonça que dá seu depoimento para Beto Carminatti em outro documentário – As muitas vidas de Valêncio Xavier (2011):

Em março de 78 eles nos prendem. Cinco caras com metralhadoras, vasculhando armários, tirando coisas das paredes. A principal acusação era em relação às crianças. Que a gente doutrinava as crianças no marxismo (criancinhas de um a seis anos que ficavam lá). E que a gente não tinha condutas apropriadas moralmente para educar crianças. Quase vinte anos depois (...). E pouca gente se preocupa em saber o que é para um ser humano essa experiência de ser perseguido de estar trancafiado. No caso ele queria saber mesmo o que é dessa experiência: de ficar confinado. (MENDONÇA, citada em CARMINATTI, 2011)

No documentário de Carminatti, o cineasta Fernando Severo resume o evento e faz um paralelo com trabalho de outro cineasta:

(...) criancinhas, segundo a visão da ditadura militar, estavam sendo doutrinadas na doutrina maxista/leninista. Porque é um documentário todo de entrevistas, todo armado ficcionalmente através da entrevista. Então você tem uma história que se desenrola diante dos teus olhos através dos depoimentos. Uma coisa que o Coutinho ia fazer mais tarde, todo mundo considera genial (e é mesmo!), mas que você já encontra embriões desse trabalho no Valêncio. (SEVERO, citado em CARMINATTI, 2011).

O estilo de Valêncio se destaca na montagem cinematográfica. O pesquisador Ismail Xavier (1977), coloca a questão da “relação entre estilo cinematográfico e ideologia, ou a relação entre método de montagem e certas necessidades de um mundo ficcional particular carregado de uma função e de valores” (XAVIER, 1977, p. 40). (...) a montagem justa será aquela em que “o relacionamento demonstra a essência do fenômeno que nos cerca, pois por trás da montagem há sempre uma intenção de classe”. (KULECHOV, 1935 in: XAVIER, 1977, p. 40-41)

A montagem revela seu posicionamento e apresenta os professores como testemunhas de um crime do qual foram vítimas e os fatos violentos de grande intensidade, não há o apelo à penalização. As experiências embaraçosas e absurdas, descritas como “sem sentido”, são mostradas com sutil ironia, através das entrevistas e das tomadas. A produção de Valêncio propõe também uma análise sobre o que Fernão Pessoa Ramos chama de “dimensão da tomada” e que a define: “A tomada é a circunstância de mundo a partir da qual, e no transcorrer da qual, a imagem é constituída para/pelo espectador pelo/para o sujeito que sustenta a câmera.” (RAMOS, 2005, p. 159).
Bibliografia

AS MUITAS vidas de Valêncio Xavier. Direção de B. Carminatti. Brasil: Produção executiva Cristiane Lemos, direção de produção Rosane Lemos. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, 2011. 1 dvd (90 min); son.

OS 11 de Curitiba: todos nós. Direção V. Xavier. Brasil. Imaginarte Produções. Alma Sintética – Companhia de Arte. Kinoglas – cinema e vídeo, 1995. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=XYfpfWz3Jog. Acesso em jan/fev. 2016

RAMOS, F. P. A Cicatriz da Tomada: documentário, ética e imagem-intensa. (in) ________. (org.) Teoria do Cinema Contemporâneo: documentário e narrativa ficcional. v. II. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2005. P. 159-226.

XAVIER, I. Do Naturalismo ao Realismo Crítico. (in) _________. O Discurso Cinematográfico: opacidade e transparência. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977. P. 31-53