Voltar para a lista
 
  Título
A metáfora do zumbi gay em Bruce LaBruce
Autor
Thales Figueiredo da Silva
Resumo Expandido
Bruce LaBruce trabalha em Otto; or, Up with the dead people (2008) pela primeira vez com a figura do zumbi gay. A narrativa se passa em um futuro próximo m que zumbis gays caminham pelo mundo, mas em que uma sociedade similar à nossa ainda existe, já que não houve (ou está em andamento) um evento apocalíptico, como usualmente há em filmes de zumbi.O título é a união dos nomes de dois filmes realizados pela cineasta personagem do filme, Medea Yarn: Otto do título se refere ao primeiro filme, que retrata a trajetória do protagonista homônimo, um dos zumbis gays que vagam pelo mundo. Up with the dead people, por sua vez é um filme de arte com crítica política que narra a trajetória de Fritz, homossexual, que após morte e transformação em zumbi volta para vingar a morte de seu companheiro, assassinado por uma gangue homofóbica. Portanto, a sociedade do filme é um retrato da contemporânea, com zumbis sendo representação de gays percebidos pelo restante da sociedade como bodes expiatórios.

Mesmo sem fazer ser um filme de terror Bruce LaBruce trabalha com uma série de elementos que remetem ao gênero como o zumbi e sua sempre presente possibilidade de praticar o canibalismo. Nesse caso, além do retrato do consumo literal de pessoas, esse consumo se dá também de maneira sexualizada. Apesar de não ser o primeiro diretor a fazer filmes com zumbis gays, o que diferencia os filmes realizados por LaBruce dos outros é que, enquanto estes aproximam-se da comédia com elementos de terror, os filmes do diretor canadense são realizações mais complexas que revelam o caráter não-conformista de Labruce que o utiliza para fazer uma “metáfora da homossexualidade vista na forma de estigma social” (GERACE, p.278, 2015). Essa metáfora é realizada através de uma linguagem que aproxima o que se convencionou chamar New Queer Cinema, denominação cunhada por B.Ruby Rich, que caracterizou os filmes desse momento como “cheios de prazer”, marcados pela apropriação, pastiche e ironia, além de uma “reelaboração da história” (RICH, p.16, 2004).

Ao utilizar-se do zumbi como elemento de crítica social Bruce LaBruce irá reafirmar e refletir o caráter marginal dessa figura. A partir dos estudos desses elementos e das diversas camadas narrativas dos filmes, pretende-se ter uma leitura da visão que a obra de Bruce LaBruce tem sobre a situação dos gays na sociedade de hoje, além de estudar as características fílmicas e procedimentos autorais do diretor.
Bibliografia

ABLEY, Sean. Out in the dark: interviews with gay Horror Filmmakers, Actors and Authors. Nova Jérsei: Lethe Press Maple Shade, 2013.

ELLIOTT, Darren Elliott. "Death is the New Pornography!" – Gay Zombies in Queer Horror and Bruce LaBruce’s Otto; or, Up With Dead People (CA/GE 2008) apud Monsters and the Monstrous, Mansfield College, Oxford University, 2009.

GERACE, Rodrigo. Cinema Explícito: representações cinematográficas do sexo. Perspectiva: Edições Sesc São Paulo, 2015.

LABRUCE, BRUCE. Ride, Queer, Ride! Winnipeg, Manitoba, Plug IN Editions, 1996.

RICH, B. Ruby. New Queer Cinema in AARON, Michelle (org.) New Queer Cinema: a critical reader. Rutgers University Press, New Brunwick, New Jersey, 2004.

SONTAG, Susan. A doença como metáfora. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

WOOD, Robin. Hollywood from Vietnam to Reagan...and Beyond. Columbia University Press, 2003.