Voltar para a lista
 
  Título
As imagens e sons de Leon Hirszman: analisando abordagens da crítica
Autor
Pedro Vaz Perez
Resumo Expandido
Na entrevista concedida a Alex Viany (1999, p. 296), ao abordar os anos em que viveu no Chile, após o golpe militar de 1964, o cineasta brasileiro Leon Hirszman fala sobre a necessidade, à época, de “compreender melhor o método” de um cinema que se localizava entre o marxismo e a “realidade do povo oprimido”. Anos antes, em debate sobre Deus e o diabo na terra do sol, transcrito em O processo do cinema novo (VIANY, 1999, p. 79), Leon já afirmava: “Eu tenho uma ideia central, quero transmiti-la; eu tenho uma visão de mundo e vou utilizar um método, um personagem ou aquilo que, em meu entender, devo utilizar”.



Nessas passagens, o diretor deixa entrever a coincidência entre uma proposta de cinema e uma visão de mundo: a compreensão sobre o fazer filmes como ação de investigação acerca da realidade social, das desigualdades, das formas de vida e de produção de um povo. Exercício este que sempre se deu – tendo em vista sua formação cinéfila vinculada à vanguarda soviética – através das imagens e sons: filmando exterioridades, formas, fazendo uso da câmera de cinema como “um instrumento extraordinário de representação materialista”, como propõe Benjamin (2012, p. 298).



É notável a relevância de Leon como cineasta, ator político e influente intelectual sempre citado em trabalhos que abordam o cinema novo brasileiro. Entretanto, apesar do exposto reconhecimento, as investigações acerca de sua obra ainda parecem esparsas, sobretudo aquelas que se valem da análise fílmica para compreender, a partir das imagens e sons, sua concepção de cinema. De que maneira este “método” cinematográfico, para empregar o conceito marxista do autor, foi investigado pela crítica e pela academia ao longo das décadas? Como são contempladas, nos referidos estudos, as escolhas formais e estilísticas do diretor que fundam, em suas imagens e sons, sua política e sua visão de mundo?



A partir de tais questionamentos, e como parte de uma pesquisa de maior fôlego acerca da obra de Hirszman, é que a presente comunicação busca revisar e sintetizar a esparsa fortuna crítica produzida a partir de filmes isolados e da filmografia de Leon, em trabalhos encontrados em revistas de cinema, livros especializados, artigos, dissertações e teses acadêmicas, entre outros. A hipótese é de que os materiais publicados ora definem recortes específicos dentro do conjunto fílmico, ora debruçam-se sobre aspectos exegéticos, como dados biográficos, a relação do diretor com outros grupos culturais ou de seus filmes com seus momentos históricos. Considerando o mérito e a qualidade dos trabalhos em questão, a questão que se coloca é: em que medida as estratégias de construção imagéticas desse diretor, que configurariam seu “método” cinematográfico de investigação da realidade social, são abordadas por esses textos?



Busca-se, assim, contribuir para a revisão da historiografia do cinema brasileiro e latino-americano a partir da investigação sobre a obra de Hirszman, e consolidar um novo viés para os estudos sobre a cinematografia deste autor. A pesquisa partirá sobretudo dos trabalhos de Salém (1997), Cardenuto (2014), Xavier (2003), Bernardet (1985), Autran (2004), Lima (2015), entre outros, além de investigar artigos publicados em revistas como Filme Cultura e Cinemais.
Bibliografia

AUTRAN, A. “Leon Hirszman: em busca do diálogo”. In: TEIXEIRA, E. T. (org). Documentário no Brasil. São Paulo: Summus, 2004, p. 199-226

BENJAMIN, W. “A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica”. In: DUARTE, R. (org.). O Belo autônomo. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica; Crisálida, 2012, p. 277-314

BERNARDET, J.C. Cineastas e imagens do povo. São Paulo: Brasiliense, 1985

CARDENUTO, R. O cinema político de Leon Hirszman (1976-1981): engajamento e resistência durante o regime militar brasileiro. 2014. 427 f. Tese (Doutorado) – USP, Programa de Meios e Processos Audiovisuais

HIRSZMAN, L. “Entrevista”. In: ABC da greve: livreto. São Paulo: Videofilmes, 2009, p. 52-63

LIMA, C. S. Música em cena: à escuta do documentário brasileiro. 2015. 282 f. Tese (Doutorado) – UFMG PPGCOM

SALEM, H. Leon Hirszman: o navegador das estrelas. Rio de Janeiro: Rocco, 1997

VIANY, A. O processo do cinema novo. Rio de Janeiro: Aeroplano, 1999

XAVIER, I. O olhar e a cena. São Paulo: Cosac Naify, 2003