Voltar para a lista
 
  Título
O despertar do fã: o papel da sala de cinema no fandom de Star Wars
Autor
Pedro Peixoto Curi
Resumo Expandido
Guerra nas Estrelas é, atualmente, a maior franquia cinematográfica existente, com um enorme número de fãs de todas as idades. Com longos intervalos entre as trilogias de filmes, o universo criado por George Lucas e, hoje, pertencente à Disney, recebe a cada lançamento, uma nova geração de espectadores dedicados. Prestes a completar quarenta anos, o universo criado por George Lucas encontra, nas salas de cinema, o melhor ambiente para conquistar novos espectadores, promover o encontro e renovar a fidelidade e o engajamento de gerações de fãs.

No final de 2015, chegou aos cinemas o filme mais recente da saga intergaláctica: Star Wars Episódio VII: O Despertar da Força. O título, o primeiro após a compra da franquia pela Disney, era aguardado ansiosamente pelos fãs após a experiência frustrada que muitos espectadores tiveram com os primeiros episódios, lançados entre 1999 e 2005. A expectativa refletiu nos números do filme, que estreou em circuito mundial em 17 de dezembro de 2015, tendo em apenas 5 dias faturamento de 300 milhões nos EUA e mais de 600 milhões ao redor do mundo, tornando-se a maior estreia de todos os tempos. No Brasil, o filme teve 1,9 milhão de espectadores no primeiro fim de semana, como a média de 1.364 espectadores por sala.

Salas que, principalmente nas sessões de estreia e pré-estreia, estavam cheias de fãs caracterizados como personagens da saga ou vestindo roupas temáticas, empunhando sabres de luz, vendo o filme repetidas vezes e, em algumas redes de exibição, usando os óculos 3D feitos especialmente para o filme ou mesmo com o balde de pipoca no formato de um capacete de StormTrooper, soldado do exército imperial retratado nos filmes. Essas sessões eram verdadeiras experiências, resultado das práticas de ida ao cinema dos fãs e também das estratégias de algumas redes do circuito exibidor.

Apesar de ter um universo expandido formado por livros, séries para TV e uma série de outros produtos, é na sala de cinema que Guerra nas Estrelas ganha força e conquistas novos espectadores, além de fidelizar e renovar a relação com os antigos.

A importância desse tipo de experiência fica ainda mais evidente na história que marca a criação so Conselho Jedi do Rio de Janeiro, o CJRJ, grupo de fãs cariocas que se organiza em torno da saga, promovendo eventos, encontros e até mesmo sessões de cinema temáticas.

Em agosto de 1997, inspirados pelo relançamento da trilogia clássica em sua Edição Especial nos cinemas, como uma preparação para os episódios I, II e III, que haviam sido anunciados, Philippe Maia e Brian Moura se conheceram quando faziam buscas por outros fãs da saga no Rio de Janeiro. Um queria formar um grupo e o outro encontrar algum já em atividade. Nessa busca, encontraram Bruno Campos, com quem criaram o que seria o primeiro grupo de fãs de Guerra nas Estrelas que se tem conhecimento no Brasil.

A proposta básica do CJRJ era encontrar outros fãs para estabelecer contatos e formar novas amizades, mas uma dificuldade para o trio que, por vezes, pensavam ser os únicos a gostar de Guerra nas Estrelas, era achar outros como eles. Criaram um site e marcaram alguns encontros, porém, foi com a estreia de Star Wars Episódio I: A Ameaça Fantasma, em 1999, que esses encontros tornaram mais frequentes, passando a eventos, e depois a convenções.

Jenkins (1992) e Staiger (2005) apresentam o fandom como um conjunto de práticas sociais que se constroem a partir de um consumo repetitivo, baseado no afeto e na fidelidade a um universo, além da interação com outros fãs no dia-a-dia de seus integrantes, por meio de comunidades organizadas que carregam identidade e regras próprias.

A partir do lançamento de O Despertar da Força, último filme da saga, este trabalho lança um olhar sobre as práticas de ida ao cinema de fãs brasileiros do universo criado por George Lucas e as estratégias do circuito exibidor, na criação de uma experiência de entretenimento única que acaba por ser fundamental no universo de Guerra nas Estrelas.
Bibliografia

BAPTISTA, Mauro; MASCARELLO, Fernando(orgs.). Cinema mundial contemporâneo. Campinas, SP: Papirus, 2008.

BROOKER, Will. Using the force: Creativity, Community and Star Wars Fans. New york: Continuum. 2002.

JANCOVICH, Mark; FAIRE, Lucy. The place of the audience: cultural geographies of film consumption. London: British Film Institute, 2003.

JENKINS, Henry. Textual poachers: television fans and participatory culture. New York: Routledge, 1992.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência: São Paulo: Aleph, 2008.

KLINGER, Barbara. Beyond the Multiplex: cinema, new technologies, and the home. Los Angeles: University of California Press, 2006.

LEWIS, L. A. (org.). The adoring audience: fan culture and popular media. New York: Routledge, 2001.

STAIGER, Janet. Perverse Spectators: The Practices of Film Reception. New York: New York University Press, 2000.

STAIGER, Janet. Media reception studies: New York: New York University Press, 2005.