Voltar para a lista
 
  Título
Rua de mão múltipla: notas sobre "Fantasmas"(2010), de André Novais
Autor
Juliano Gomes
Resumo Expandido
“Fantasmas”, curtametragem dirigido por André Novais, narra em plano único, fixo, um momento banal entre dois amigos, jogando conversa fora, até um desenlace inusitado. O mote de uma desilusão amorosa leva a uma construção em abismo onde a câmera também se torna um personagem, em sua aparente passividade. O que vemos é filmado por um dos personagens. Isto é: descobriremos, na sua segunda metade, que a câmera foi colocada por ele. Gabriel e Maurílio estão fora do quadro, nunca aparecem para nós, diretamente. Sua construção, seu “tomar forma” se dá de maneira indireta.



Desdobraremos este pequeno grande filme analisando a maneira de como sua construção se torna lugar de uma reflexão sobre as possibilidades de uma imagem na reconfiguração das partes do sensível. Sendo assim, torna-se uma espécie de investigação sobre o próprio estatuto da imagem hoje, atravessada por situações de visibilidade e de reprodução das mais variadas formas.



Em grande parte do filme não se sabe o que estamos vendo. O foco está no som. Não há figura, só uma escura paisagem urbana qualquer, um posto, um não lugar.

O filme se localiza num lugar de passagem, de passagens. Na rua, passam ônibus e carros. O quadro parece não privilegiar nada exatamente. Toda armação ficcional aponta para uma certa insignificância de suas matérias. A conversa, as pessoas, o momento, nada parece ser espacialmente relevante (parte de sua dramaturgia passa por questionarmos o porquê de estarmos a assistir o próprio filme já que ele insiste em boa parte de seu primeiro ato em não nos “mostrar nada”), o que dá relevo a uma consciência do filme como forma, matéria.



Tal superfície radicalmente superficial já é uma marca ética de sua perspectiva. Seus aparentes parcos meios (um filme de plano único, fixo, com câmera amadora, sem atores profissionais, imagens escuras, indefinidas) e enredo pra lá de pueril à princípio (reencontro de dois amigos, e conversa acerca de uma desventura amorosa de um deles) são ferramentas de uma ação aguda na composição dramatúrgica e numa investigação sobre o estatuto da imagem simultaneamente.



Vista Lumière, vídeo amador, câmera de vigilância por outro, “Fantasmas” (assim como outros trabalhos de André Novais) cria um jogo discreto e ativo entre forças dentro e fora do filme permanentemente ,que transcende e reconfigura sua cartografia ficcional. A relação do filme com o espectador já se coloca em terreno indecidido: o que estamos vendo afinal?



O que é um fantasma? Um defeito? A presença de alguém que morreu? Um signo visual sem a presença de um corpo? Um corpo só imagem: Alguém fora de seu próprio tempo? “Fantasmas” coloca sob uma investigação ficional o problema do real numa construção em abismo, onde os personagens (que assistem) parecem não diferir em nada de nós. O protagonista, homônimo do ator Gabriel Martins, diz: “eu vejo para esquecer. Eu só queria ter certeza”. Pra quê vemos um filme? Que situação é essa que se coloca na experiência cinematográfica e que tipo de saber ela produz?



O enredo do filme fala de uma imagem cujo objetivo era de comprovação de um fato. Porém, ao final, uma imagem, em si, nada diz. “Fantasmas” vai falar justamente desta mudez ativa, desta espécie de morte dos enunciados que a experiência opera. Na medida em que são personagens-espectadores, estamos nós, do lado de fora do filme, agora dentro e metaforizados. Por quê querer ver? Para que serve ver? O que um som e uma imagem podem comprovar? Não há nada para ver. Mas é preciso ver. Fantasmas, entre os vários encontros que narra, fala do encontro da inteligência humana e da inteligência da máquina. Uma atividade e uma passividade combinadas.



Partindo destas observações, este trabalho pretende observar a maneira com que o filme se reconfigura e evoca repertórios variados, encara-lo como uma espécie de fábula sobre o dispositivo cinematográfico, onde o dentro e o fora, direto e indireto, a atividade e a passividade, se colocam em intercâmbio permanente
Bibliografia

EPSTEIN, Jean. Buenos Dias, cine. Espanha, Intermedio, 2015

DELEUZE, Gilles. A Imagem-tempo, Cinema vol.2. São Paulo, Editora Brasiliense, 2005

RANCIERE, Jacques. A fábula cinematográfica . Campinas, Papirus, 2013

RANCIERE, Jacques. A partilha do sensível. São Paulo, Editora 34, 2009

XAVIER, Ismail (org.). A Experiência do Cinema. São Paulo, Graal, 1983